Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Casa Varatojo / Atelier Data

Casa Varatojo / Atelier Data

© Richard John Seymour © Richard John Seymour © Richard John Seymour © Richard John Seymour + 29

Torres Vedras, Portugal
  • Paisagismo: Susana Maria Rodrigues, António Bettencourt
  • Estrutura: Emanuel Correia
Mais informações Menos informações

Dos arquitetos: A casa Varatojo se localiza numa colina a leste da cidade de Torres Vedras, Portugal. Implantada num lote de configuração poligonal e atendendo simultaneamente à orientação solar (norte/sul) e do vento predominante do norte, a estratégia de desenho considerou os seguintes aspectos:

© Richard John Seymour
© Richard John Seymour

  • Exploração da relação entre construção e paisagem, tirando partido da posição elevada do lote em relação à cidade de Torres Vedras, seu Castelo e imediações;
  • Promoção das relações de complementaridade e interdependência entre a casa e o jardim, criando intensas relações visuais entre o interior e o exterior;
  • Criação de relações de transversalidade entre o lado norte - (vista) e o lado sul - (espaço de estar abrigado), através principalmente do “espaço piscina” no piso -1 e da modelação do terreno no Jardim;
  • Reutilização de materiais numa lógica distinta ao uso tradicional, de que são exemplo as sulipas (antigas linhas de caminho de ferro) introduzindo um certo experimentalismo e novidade na forma como estes se aplicam e reciclam;
  • Promoção no Jardim do potencial da vegetação autóctone encontrada na envolvência da área de intervenção.

Conceito

Diagrama 2. Image Cortesia de Atelier Data
Diagrama 2. Image Cortesia de Atelier Data

A volumetria da casa resulta de um gesto em espiral cujo desenho tira partido da configuração do lote. Optou-se pela construção de um limite, uma espécie de linha que ganha progressivamente corpo e espessura para alojar o programa de habitação.

Este gesto inicia-se com a rampa de acesso ao lote e culmina no lado oposto com a edificação alcançando dois pisos, reforçando-se também a partir do perfil da casa o gesto em espiral.

A estratégia de desenho adotada permitiu criar um espaço de estar a sul, abrigado dos fortes ventos da região, precipitando igualmente a construção sobre a paisagem a norte. 

© Richard John Seymour
© Richard John Seymour

Programa

Do ponto de vista funcional, o programa distribui-se em três pisos. O piso 0 centraliza a maior parte do programa. Nele localizam-se as áreas sociais - cozinha, sala de estar e jantar - entendidos como um único espaço aberto e continuo, reforçado pelo plano da cobertura. Ainda neste piso localiza-se a zona dos quartos (de acesso mais restrito) - quarto de visitas e quartos das crianças onde uma sala comum destinada à brincadeira e ao estudo faz a mediação entre estes dois espaços. 

No piso 1 localiza-se o quarto principal rematado a norte por uma profunda varanda que se precipita sobre a cidade de Torres Vedras, e a sul por um jardim que é pano de fundo da casa de banho. Ainda neste piso e aproveitando a inclinação da cobertura, localiza-se uma biblioteca / zona de trabalho que é mezanino sobre a sala de estar e jantar.

© Richard John Seymour
© Richard John Seymour

No piso -1 a piscina é o espaço central através do qual se promovem as relações de atravessamento entre o lado norte e sul, entre a vista e o jardim, refletindo-se sobre o espelho de água a envolvente exterior. 

© Richard John Seymour
© Richard John Seymour

Materialidade

Optou-se por um lado pelo uso de materiais e revestimentos tradicionais, como materiais cimentícios, reboco, madeira e cortiça, e por outro considerou-se o reuso das tábuas de madeira numa lógica distinta do seu uso convencional, introduzindo uma certa inovação e experimentação na procura de novas possibilidades de aplicação de materiais. 

© Richard John Seymour
© Richard John Seymour

Vegetação: Plasticidade e Elasticidade

Define-se um pequeno bosque de Quercus faginea subssp.broteroi (Carvalho-português). A escolha dominante de vegetação autóctone para o jardim (arbórea, arbustiva e herbácea) permite respeitar as características edafoclimáticas do lugar, criando um sistema ecológico integrado na Paisagem da Região (Genius loci).

© Richard John Seymour
© Richard John Seymour

Na encosta do lado norte, formações subarbustivas e arbustivas – os matos, neste caso designados de Carrascais, aparecem num substrato calcário. Expostos ao vento, os carrascais amoitados têm como principais intervenientes o carrasco (Quercus coccifera) e a aroeira (Pistacia lentiscus) que se associam a diversas espécies tais como: o sanguinho das sebes (Rhamnus alaternus); o trovisco (Daphne gnidium); a estevinha (Cistus salvifolius); o tojo-gatunha (Ulex densus); a salsaparrilha-do-reino (Smilax aspera) e a madressilva-caprina (Lonicera etrusca). No lado sul abrigado, surge o Carvalho-português; os arbustos-arborescentes como o folhado (Viburnum tinus); o pilriteiro (Crataegus monogyna); o loureiro (Laurus nobilis) e no estrato herbáceo as folhas- de-Acanto (Acanthus mollis) e os lírios amarelos (Iris pseudacorus)

Planta do térreo. Image Cortesia de Atelier Data
Planta do térreo. Image Cortesia de Atelier Data

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos
Sobre este escritório
Cita: "Casa Varatojo / Atelier Data" 09 Jul 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/623614/casa-varatojo-atelier-data> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.