Centre Pompidou-Metz / Shigeru Ban Architects

Centre Pompidou-Metz / Shigeru Ban Architects

© Didier Boy De La Tour© Didier Boy De La Tour© Didier Boy De La Tour© Didier Boy De La Tour+ 13

Metz, França
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  11330
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2010
  • Fotógrafo Fotografias:  Didier Boy De La Tour
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Alucobond
  • Equipe Do Concurso:Shigeru Ban Architects / Shigeru Ban, Nobutaka Hiraga, Mamiko Ishida, Asako Kimura, Anne Scheou / Toshi Kubota, Hiroshi Maeda (graphic designer); Jean de Gastines Architectes, Paris / Jean de Gastines; Gumuchdjian Architects, Londres / Philip Gumuchdjian, Shinya Mori, Ralf Eikelberg
  • Projeto, Administração Do Local:Shigeru Ban Architects Europa, Paris / Shigeru Ban, Gerardo Perez, Marc Ferrand, Jacques Marie, Fayçal Tiaïba, Elsa Neufville, Vincent Laplante, Alessandro Boldrini, Hiromi Okada, Jeong Hoon Lee, Jae Whan Shin, Jonathan Thornhill, Rahim Danto Barry; Jean de Gastines Architectes, Paris / Jean de Gastines
  • Consultoria Estrutural Do Concurso:Ove Arup, Londres – Cecil Balmond
  • Desenho, Consultoria Estrutural, Administração Do Local:(1° fase) Ove Arup, Londres / Paul Nuttall, Sophie Le Bourva, Ben Lewis, David Gration, Andrew Lawrence, Holger Falter, Mathieu Jacques de Dixmude, James McLean ; (2°fase) Terrell, Paris– Zbigniew Koszut, Laurence Dallot
  • Estrutura Da Cobertura De Madeira:Hermann Blumer, Waldstatt (Suiça)
  • Mep :Ove Arup, London / Emmanuelle Danisi, Florence Collier, James Whelan, Chris Moore; Gec Ingénierie, Paris– Philippe Vivier, René Andrian
  • Iluminação:L’Observatoire 1, Paris – Geroges Berne, Anthony Perrot, Remy Cimadevilla; Icon, Paris - Akari-Lisa Ishii
  • Topógrafo:J.P Tohier & Associés, Paris – Eric Le Dreo, Gerald Lamory
  • Acústica:Commins Acoustics workshop, Paris – Daniel Commins
  • Consultoria De Segurança:Cabinet Casso & Cie, Paris - Michel Walkowiak
  • Contratante Geral:Demathieu & Bard, Metz
  • Cobertura De Madeira:Holzbau Amann, Weilheim-Bannholz (Germany) / Döbele Tobias, Martin Pfundt, Fredy Oberle, Klaus Tröndle, Peter Amann
  • Análise Estrutural Cobertura De Madeira:SJB / Franz Tshuemperlin, Samuel Keller
  • Membrana Da Cobertura:Taiyo Europe, Munich (Germany) – Koffi Alate, Peter Wright, Massimo Maffeis, Thomas Winkler
  • Área Do Terreno:12 000 m²
  • Custo De Construção:51M€
Mais informaçõesMenos informações
© Didier Boy De La Tour
© Didier Boy De La Tour

Descrição enviada pela equipe de projeto. Meu primeiro pensamento ao começar o desenho foi sobre os fenômenos recentes relativos aos museus de arte de todo o mundo. A primeira tendência, que se tornou amplamente conhecida como o "efeito Bilbao" nasceu no Museu Guggenheim em Bilbao, Espanha, projetado por Frank O. Gehry e concluído em 1998. A estratégia foi criar uma arquitetura escultórica em uma cidade internacionalmente desconhecida para restaurar o turismo, resultando finalmente em um êxito. Mas há uma opinião de que este tipo de arquitetura deixa de lado a funcionalidade sem levar em conta as preocupações dos artistas e funcionários, só para produzir um monumento pessoal que não proporciona boas condições para mostrar e ver a arte.

Corte
Corte

Como exemplo, na outra extremidade, há um método de renovação da arquitetura industrial antiga para a produção de um espaço apto para a exposição de obras, no entanto, a arquitetura deveria ser mais racional. O Tate Modern, em Londres, e o Dia:Beacon concluído em 2003 no estado de Nova York para a Dia Art Foundation são exemplos de sucesso. Em vez de escolher uma ou outra extremidade, pensei em criar um conceito de design que considere a fácil visualização e exposição da arte, mas deixe arquitetonicamente, uma profunda impressão para os visitantes.

© Didier Boy De La Tour
© Didier Boy De La Tour

A fim de criar espaços funcionais, eu desenvolvi o programa em volumes simples, com uma circulação clara entre eles. Eles foram dispostos em três dimensões para simplificar a sua relação funcional.

Planta Baixa -Térreo
Planta Baixa -Térreo

As galerias gerais com distintos requisitos para comprimentos foram baseadas em um módulo de 15m de largura para criar três tubos quadrados simples com volumes longos e retangulares de 90m de profundidade no interior. Os três tubos são empilhados verticalmente e colocados em torno de uma torre de estrutura em aço hexagonal que contém as escadas e elevadores. O espaço criado sob as coberturas, de três camadas, se transformou de Galeria-Tubos para formar a Galeria Grande Nef.

© Didier Boy De La Tour
© Didier Boy De La Tour

O principal objetivo do presente anexo ao Centro Pompidou era ser capaz de exibir mais obras para o público (apenas 20% da coleção é exibida em Paris), e ser capaz de mostrar as grandes obras que não podem ser exibidas no museu de Paris, devido à baixa altura do teto, 5,5 m abaixo das vigas. Para adaptar-se a este requisito, se manteve 18m como a altura da cobertura mais alta na Galeria Grande Nef.

Corte
Corte

O anexo está situado na subestação sul original da atual estação e isolado do casco urbano ao norte. Para estabelecer a continuação conceitual com a cidade, as grandes janelas nas extremidades das três galerias-tubo emolduram as vistas para os pontos turísticos da cidade. Através deste projeto, o edifício e a cidade se tornam um só. A janela da Galeria-Tubo 3 emoldura a vista da catedral, o símbolo da cidade de Metz; e a Galeria-Tubo 2 olha em direção a Estação Central. Devido à proximidade da cidade de Metz à fronteira alemã e as muitas guerras do passado, a cidade trocou de governança entre a França e a Alemanha várias vezes. Esta estação é, portanto, uma parte importante da história da cidade, um monumento de estilo neo-românico, durante um período em que Metz estava sob ocupação alemã.

© Didier Boy De La Tour
© Didier Boy De La Tour

Além das três Galerias-Tubo, há um volume redondo que contém o estúdio de criação com um restaurante na parte superior, e um volume de forma quadrada que contém um auditório, escritórios, e na outra parte de trás da casa, os espaços do programa. A estrutura da cobertura de madeira, na forma de um hexágono paira sobre todos os volumes, a fim de unificá-los em um todo coeso. Para os franceses, o hexágono é um símbolo de seu país, uma vez que é semelhante à forma geográfica da França. Além disso, o padrão hexagonal é composto por hexágonos e triângulos equiláteros inspirados em chapéus e cestos asiáticos tradicionais, feitos em bambu. Embora seja preferível formar triângulos para criar maior rigidez no plano, fragmentando toda a superfície em triângulos, seis elementos de madeira convergiriam em cada intersecção, produzindo articulações extremamente complexas. Com a criação de um padrão de triângulos e hexágonos apenas quatro elementos de madeira nunca se cruzam. As intersecções não utilizam articulações mecânicas de metal, se fossem utilizadas, a superfície seria muito grande e os comprimentos dos elementos seria um só, aumentando ainda mais a complexidade e os custos das articulações. Em vez disso, cada membro se sobrepõe entre si, semelhantes a cestos de bambu. Essa ideia veio de um chapéu tradicional chinês que encontrei em uma loja de antiguidades em Paris, em 1999, ao projetar o Pavilhão do Japão para a Expo de Hannover. Eu estava trabalhando com Frei Otto para desenhar o pavilhão como uma estrutura rede-concha, e desde a primeira visita ao projeto do Instituto de Estruturas Leves e Design Conceitual da Universidade de Stuttgart , fiquei fascinado com a estrutura em malha de arame tracionado, embora me deixou algumas dúvidas. Quando eu vi o chapéu chinês essas dúvidas sumiram.

Planta Baixa -Térreo
Planta Baixa -Térreo

A malha de arame de Frei Otto permitiu a formação de um espaço interior interessante em três dimensões utilizando a quantidade mínima de materiais, mas no final do fio de arame era apenas um membro linear, e ,a fim de construir um telhado normal, uma concha de madeira teria que ser formada sobre a malha de arame. Quando eu vi isso, me perguntei sobre a possibilidade de uma estrutura de grade utilizando madeira (madeira laminada colada), que pode ser facilmente dobrada em duas dimensões , onde o teto pode ser colocado diretamente em cima. A madeira pode ser utilizada como um elemento de tensão e de compressão, podendo ser pensada como uma estrutura composta de camadas de compressão, além de ser uma estrutura de malha a tração. Desde então, tenho continuado a desenvolver estruturas de madeira , tais como a proposta do Memorial Museu Chiyo Uno ( Iwakuni City, 2000), Centro de Saúde e Hospital Imai ( Akita, 2001), Memorial Gym Atsushi Imai ( Akita, 2002) , telhado bambu (Houston , Texas, 2002) , a Proposta do Laboratório Frei Otto (Colônia, Alemanha , 2004) , e este trabalho culminou na cobertura do Centre Pompidou Metz. Durante a fase de concurso, através de laços da cobertura de bambu, Cecil Balmond de Arup assumiu a estrutura e propôs uma de madeira e aço híbrido, mas depois de vencer a competição, como já foi dito acima, foi desenvolvida uma cobertura inteiramente de madeira.

© Didier Boy De La Tour
© Didier Boy De La Tour

Outro aspecto importante do conceito é a continuação de espaços interiores para o exterior, e a seqüência de espaços por causa dessas relações. Os edifícios são geralmente caixa que apenas começam quando o interior e o exterior são separados por paredes. No entanto, um espaço pode ser criado com a presença de apenas uma cobertura. Nos últimos anos, a arte tornou-se mais e mais conceitual afastando-se do público em geral. Há um número crescente de pessoas que não estão dispostas a pagar para entrar em um cubo para ver obras que eles não podem nem sequer compreender. Em vez de uma caixa, o museu é um local de encontro com uma grande cobertura que é uma extensão do parque circundante. Como é mais fácil entrar sem a presença de muros, a fachada foi composta por persianas de vidro que podem ser facilmente removidas. A Nova Galeria Nacional de Mies van der Rohe em Berlim possui paredes inteiras de vidro, mas é apenas visualmente transparente, e não pode ser chamada de fisicamente transparente.

Planta Baixa -Térreo
Planta Baixa -Térreo

O grande volume do fórum pode ser acessado de forma gratuita, onde as pessoas podem tomar chá e apreciar livremente as esculturas e instalações, enquanto são atraídas pelas obra de arte nas galerias e experimentam gradativamente as sequências de espaços à medida que vão avançando. O interstício entre as grandes áreas da cobertura de cada volume tem várias funções. Primeiro, é um espaço de encontro. Em segundo lugar, no topo das Galerias-Tubo 1 e 2 , existe um espaço de exposição para a exibição de esculturas, aproveitando a natural luz através do terraço. Os 840 metros quadrados dos espaços de exposição eram espaços extras que não haviam sido solicitados no programa. Infelizmente, o restaurante em cima da Galeria-Tubo 3 , que foi proposto durante a competição teve que ser cancelado devido a razões orçamentais (de acordo o código de construção francês, quando se projeta um edifício de mais de 28m de altura ele é considerado um edifício de grande altura, que faz com que a saída de emergência e as precauções de segurança se tornem muito complexas). Estes são os conceitos desta arquitetura.

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Centre Pompidou-Metz, 1 Parvis des Droits de l'Homme, 57020 Metz, França

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Centre Pompidou-Metz / Shigeru Ban Architects" [Centre Pompidou-Metz / Shigeru Ban Architects] 05 Jun 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/617797/centre-pompidou-metz-slash-shigeru-ban-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.