O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Governamental
  4. Portugal
  5. Frederico Valsassina
  6. 2008
  7. Campus da Justiça - Parcela Sul / Frederico Valsassina Arquitectos

Campus da Justiça - Parcela Sul / Frederico Valsassina Arquitectos

  • 12:00 - 10 Maio, 2014
Campus da Justiça - Parcela Sul / Frederico Valsassina Arquitectos
Campus da Justiça - Parcela Sul  /  Frederico Valsassina Arquitectos, © Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG
  • Arquitetos

  • Localização

    Parque das Nações, Lisboa, Portugal
  • Colaboradores

    Tiago Leite de Araújo, Ursula Baptista, João Pedro Miguel, João Vilar Torres, Filipa Calado, Bernardo Lacasta, Rita Conceição Silva, Sofia Salazar Leite, Rita Amado, Duarte Madrugo
  • Área

    192064.15 m2
  • Ano do projeto

    2008
  • Fotografias

Descrição enviada pela equipe de projeto. O conjunto edificado inscreve-se no contexto urbano do Parque das Nações, sendo limitado a oeste pela Av. D. João II, a leste pela Alameda de Oceanos e a sul pela Rua Mar da China.

© Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG © Fernando Guerra | FG+SG + 21

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Em uma plataforma na altura da Avenida D. João II, organiza-se um conjunto de cinco edifícios que se desmaterializam em direção ao rio, enfatizando este último como presença dominante. Dessa forma, dispostos no sentido leste-oeste, os edifícios canalizam as vistas e permitem o cruzamento visual por parte daqueles que desfrutam desses espaços. Privilegiando essa localização, os volumes são expostos a movimentos de translação horizontal e vertical, cujo comportamento influencia, respectivamente, o tipo de relação que as partes estabelecem com a plataforma e o desenho da própria silhueta. Essa plataforma, primordialmente para pedestres (tráfico de veículos controlados), garante, apesar da posição que ocupa, a conexão entre duas cotas distintas e proporciona uma maior fluidez no sentido da implantação.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Ao longo da Alameda de Oceanos, como estratégia de dinamização do espaço urbano, foi criada uma transição entre a parte frontal da parte publica e a parte privada. Abaixo do nível da plataforma, base dos edifícios, estão dispostos consequentemente os diferentes planos, rebaixados em relação com o limite do lote, cuja destituição promove a criação de praças “semi-exteriores”.

Planta do primeiro pavimento
Planta do primeiro pavimento

Pretende-se que esses espaços estejam associados com uma noção de dinamismo, tanto pela sua configuração formal, como pelas diferentes apropriações que o sujeito possa exercer neles.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

O “vazio”, quanto ao espaço de subtração, reforça a continuidade espacial e se responsabiliza pela integração entre as partes, cujo contraste resulta positivamente na criação de uma dinâmica implícita e geral do conjunto. 

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

A organização interna dos edifícios se baseia na ideia de flexibilidade e versatilidade de ocupação, visando permitir apropriações diversificadas, constantes às exigências especificas às quais podem ser submetidas. Seu funcionamento é garantido para situações extremas de comportamento ou para situações de open-space que permitam uma fácil instalação do novo Campo de Justiça de Lisboa.

© Fernando Guerra | FG+SG
© Fernando Guerra | FG+SG

Buscando garantir a homogeneidade em termos de imagem, sintetiza-se o material: concreto branco, grelha de aço e vidro, conferindo, assim, sobriedade e depuração ao edifício.

Cita: "Campus da Justiça - Parcela Sul / Frederico Valsassina Arquitectos" 10 Mai 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/601536/campus-da-justica-parcela-sul-slash-frederico-valsassina-arquitectos> ISSN 0719-8906