O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Cais Guanay / Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri

Cais Guanay / Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri

Cais Guanay / Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri
Cais Guanay / Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri, © Nicolás Moyano Retamal
© Nicolás Moyano Retamal

© Javier O´Ryan

O Cais Guanay
O projeto busca dar uma resposto ao baixo índice de trabalho que possuem os barqueiros e pescadores da zona (por causa do terremoto e tsunami de 27 de fevereiro de 2010) e, ao mesmo tempo, revelar uma importante identidade histórica quase esquecida. O cais localiza-se no Rio Maule, especificamente no rancho Astillero. O local de construção foi eleito por sua importante carga contextual, antiga casa de Jesuítas, “construtores do Falucho”, última embarcação do Guanay e símbolo da cidade de Constitución. O Guanay foi um reconhecido navegante fluvial, que viveu durante o apogeu da navegação, desenhando linhas no Vale Central, contentor das técnicas e métodos de construção na navegação.

© Javier O´Ryan

Na atualidade o Guanay, junto com a navegação fluvial, são somente recordações distantes que pretende ganhar vida com o cais cuja lembrança permanece latente na sua essência. Cada elemento representa um dos navios no qual navegou. Cada peça, esculpida por um mestre ribeirinho, possui o mesmo diâmetro das quilhas utilizadas nos faluchos, projetando uma lógica construtiva própria do setor.

© Javier O´Ryan

No verão, o cais permite o tráfego de turistas e pretende dar o primeiro passo para a ativação do lugar, outorgando uma maior infraestrutura para os barqueiros No inverno, os painéis que cobrem as armações são retirados, deixando o cais descoberto. Somente se revela seu esqueleto, a memória das quilhas e armações das antigas embarcações. O cais Guanay resgata a memória do navegante, sendo um ponto de atração para a herança coletiva, a identidade local.

© Nicolás Moyano Retamal

Processo Construtivo
O Rancho Astillero, antigo estaleiro habitado por Jesuítas e atual estação do trem, El Ramal, possui uma floresta de ciprestes a beira do Rio Maule, que permitiu o trabalho “in loco” de cada uma das peças da construção.

© Nicolás Moyano Retamal

O local de construção era acessível somente através de botes (Rio Maule), trem (El Ramal) e caminhos internos sobre a montanha. Isto provocava dificuldades quando se necessitava de materiais, energia elétrica e outros elementos que normalmente se utilizam no processo de obras. Por causa disto adaptou-se o método construtivo, utilizando as técnicas de antigas embarcações do rio.

© Nicolás Moyano Retamal

A participação de um mestre artesão (Don Hugo Contreras, 74 anos) que através de suas ferramentas de trabalho, como a motosserra e o formão, conseguiu confeccionar cada peça e entalhe a unir-se na montagem. Cada peça deveria conter suas junções antes da montagem para evitar contratempos por causa de seu peso e tamanho.

Em paralelo à confecção das peças, a segunda equipe de trabalhadores cavou os poços das fundações. A complexidade desta etapa foi por sua proximidade ao rio, já que não contava-se com moto bomba. Utilizou-se a margem da maré baixa, durante o qual com a peça localizada no poço, esvaziou-se inserindo o concreto com acelerante.

© Nicolás Moyano Retamal

Durante o processo de construção, mantiveram- os pilares no prumo através de cordas amarradas às árvores que rodeavam o local, o que remetia a algo como “içar as velas”.

Finalizando a cura, continuou-se com a localização das vigas aos pilares, ligando-os através de roscas e parafusos 3/8 “e 1/2″ galvanizados. Uma vez terminado o esqueleto, faltava apenas o elemento que proporcionaria função, a construção dos painéis de circulação.

Planta

Os painéis removíveis inseridos na estrutura de madeira de cipreste, são compostos de vigas de 2 x 6” e revestidos por 1 x 2” de pino tratado. Utilizou-se este revestimento tão fino, em comparação com o esqueleto, para propor um contraste, sendo que o painel é a função nesta trilha histórica.

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri, Projeto de Título da Escola de Arqtuitetura da Universidade de Talca
  • Ano: 2012
  • Área construída: 33,4 m²
  • Endereço: Rancho Astillero Constitución Chile
  • Tipo de projeto: Infraestrutura
  • Operação projetual:Intervenção
  • Status:Construído
  • Materialidade: Madeira
  • Estrutura: Madeira
  • Localização: Rancho Astillero, Constitución, Chile
  • Implantação no terreno: Adossado à 1 divisa

Equipe:

  1. Arquiteto: Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri, Projeto de Título da Escola de Arqtuitetura da Universidade de Talca
  2. Profesor Orientador: Gregorio Brugnoli Errázuriz, Arquiteto

Sobre este escritório
Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri, Projeto de Título da Escola de Arqtuitetura da Universidade de Talca
Escritório
Cita: Eduardo Souza. "Cais Guanay / Javier O´Ryan Álvarez de Uribarri" 20 Nov 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/81807/cais-guanay-javier-oryan-alvarez-de-uribarri> ISSN 0719-8906