Concurso Mercado Distrital do Cruzeiro - 2° Lugar / João Diniz Arquitetura

Concurso Mercado Distrital do Cruzeiro - 2° Lugar / João Diniz Arquitetura

Proposta: CRUZEIRO VERDE

O projeto nasce a partir da discussão a respeito do atual Mercado de Cruzeiro e entorno, seus problemas e potenciais. Analisando o local percebemos que a principal área de implantação seria o longo ‘talude’ que separa o mercado da Universidade Fumec e do parque Amilcar V. Martins, o parque da Caixa D’Água. Este ‘talude’ é terreno de propriedade da Prefeitura Municipal e não acrescenta qualquer beleza à área, em grande parte é impermeabilizado e não vegetado.

Cortes esquemáticos - perfil

Outras possíveis áreas livres de implantação seriam o subsolo sob o atual estacionamento/acesso do mercado ou o talude junto à rua Opala, mas estes setores foram descartados por apresentarem bastante árvores e serem mais descontínuos.

Uma análise deste ‘talude’ nos remete à natureza topográfica do local, ao antigo monte, anterior a qualquer construção, e ao perfil ondulado sobre o qual se localizam hoje a universidade e o parque da Caixa D’Água.Este perfil natural se completa com a paisagem construída das ruas Ouro Fino, que tem características mais comerciais e de serviços, e da rua Oliveira que é mais residencial.

Vista Geral

A figura resultante do corte deste ‘talude’ natural sugere o linha escalonada que definiu a imagem do edifício, que será destinado a garagens e lojas no térreo, também a garagens nos demais pavimentos, e se completa com dois edifícios nos extremos do conjunto com alturas e usos compatíveis com as já praticadas e/ou permitidas em cada uma destas ruas.

Vista mirante

A idéia foi em nenhum momento barrar a visão da universidade para a cidade, triplicar a área do mirante existente criando a grande praça superior, criar um acesso natural de pedestres ao parque da Caixa D’Água, além de resolver os problemas funcionais do entorno. As áreas de estacionamento poderão ter acessos e saídas pelas ruas e pela universidade não gerando tráfego no interior da praça a ser criada ao nível do mercado.

O ponto de partida foi a total liberação da área em frente ao mercado onde será criada uma praça com nome sugerido de Praça Éolo Maia prevendo entre generoso paisagismo: arena para apresentações culturais, espaço para playgrounds, área de ginástica e caminhadas, horta orgânica e caramanchão para permanência dos moradores que dá seqüencia ao volume do restaurante Parrilla que será mantido.

Ainda nesta praça está o início da rampa que é o percurso lúdico que leva ao parque da Caixa D’Água, onde as pessoas podem caminhar, permanecer ou pedalar, desde a praça em frente ao mercado até o parque em rampa específica para pedestres de inclinação não superior a 10%.

No andar térreo do edifício estão as novas lojas que, junto a parte do estacionamento, trarão recursos à administração do mercado e duas torres de escada e elevadores que dão acesso ao mirante do parque e aos andares dos estacionamentos.

Vista Geral 2

O projeto prevê ampla acessibilidade universal e social a todas as áreas, reaproveitamento de águas servidas e pluviais, requalificação paisagística, com criação e integração de horta orgânica para fins de educação e abastecimento, áreas para ginástica e promoção da saúde, criação de usina solar fotovoltaica no teto do mercado que fornecerá parte da energia ao conjunto, criação de programas e espaços de educação ambiental, e integração social e ambiental da Vila do Pindura Saia.

 O fator de maior impacto no tráfego da área é a universidade que congestiona as ruas durante o dia e parte da noite. O projeto cria 936 vagas de estacionamento cobertas e descobertas ao longo de seus pavimentos ligados por rampas de veículos. Estes estacionamentos poderão ser acessados desde as ruas ou até, se for o caso, pela universidade em sua parte mais elevada. As áreas internas de acesso aos estacionamentos serão dotadas de faixas de acumulação nas entradas não impactando as ruas de acesso. Nas áreas de maior tráfego nos pavimentos inferiores haverão rampas específicas de subida e descida de veículos. O uso destas vagas será dividido entre os usuários do mercado, dos edifícios propostos, da universidade e dos moradores e visitantes da área.

Vista Geral 1

Esta comunidade interage muito bem com o mercado sendo que vários de seus moradores trabalham lá, mas apresenta problemas de qualidade ambiental em alguns de seus espaços devido a sua ocupação e construção espontânea e irregular. A idéia é que sejam mantidas as principais construções mas que se abram espaços vazios no interior desta comunidade, e até de criação de alguns serviços. Estes novos vazios trarão mais ventilação e iluminação às construções remanescentes e incentivará o dialogo desta comunidade com os moradores da região propondo um convívio integrado, e até educativo, sugerindo que diferentes tipologias e classes sociais podem interagir no espaço urbano democrático. A praça defronte a OAB junto a esta comunidade será também integrada. Estas ações de integração do Pindura Saia serão objeto de um sub-projeto específico dentro do projeto do novo Mercado do Cruzeiro.

Cortes esquemáticos - Corte e Elevação

O entorno sofrerá visíveis melhorias através da criação da nova praça em frente ao mercado com acessibilidade ao parque, o mercado propriamente dito será restaurado e ganhará novos espaços de uso, os problemas de tráfego e estacionamento serão enfrentados, a vila Pindura Saia será integrada, o entorno ganhará mais áreas verdes, de permanência e de prática de esportes e cultura. O novo mercado será um novo pólo atrator de encontros, cultura e educação.

Como contrapartida para a disponibilização da área pública para implantação dos empreendimentos, os investidores deverão fazer a reforma e revitalização do mercado atual, construção de novos mezaninos, se necessários destinados a espaços gourmets e outros, urbanização e integração, como praça e área de lazer, da atual área de estacionamento do mercado e ainda disponibilizar aos feirantes vagas de estacionamento no edifício garagem e as 39 novas lojas neste edifício  que serão exploradas comercialmente por eles. Os feirantes desta maneira terão seu estimado mercado mantido e requalificado, e contarão com novas áreas de atividades e de aportes de recursos para a manutenção do mercado e de sua associação.

Imagem vista aérea - Detalhes de implantação

Esta é uma grande oportunidade da administração municipal demonstrar seu espírito democrático ao adotar um projeto que tem apoio dos feirantes e dos moradores do bairro.

A prefeitura, nesta operação, estará disponibilizando novos equipamentos urbanos à comunidade, restaurando o mercado, revitalizando um espaço público e tradicional da cidade sem gastar nada do seu orçamento ou seja com endividamento privado.

A seção da área do talude e aprovação do projeto deverá ser objeto de uma operação urbana integrada entre setores públicos e privados, fora dos padrões vigentes, mas inovadora o que agregará visibilidade e repertório de novas soluções à administração pública.

Algumas das novas áreas criadas no projeto poderão trazer um aumento da receita atual da prefeitura que recebe o aluguel das bancas do mercado. Todo o patrimônio construído após o prazo da concessão, que pode variar entre 20 e 30 anos, de exploração da área publica por parte dos investidores passará a ser de propriedade da prefeitura e da cidade de Belo Horizonte que terão para si todo este ativo.

 

Vista circulações

O edifício ocupa a faixa de15 metros ao longo de todo o talude existente. Paralela ao edifício será construída a cortina/arrimo de concreto afastada2,5 metros do edifício para ventilação cruzada das garagens. O edifício está modulado em 10,00 x15,00 metros e as rampas de veículos e pedestres serãoem balanço. Haverão duas torres de circulação vertical com elevadores e escadas sendo que uma destas torres dá acesso ao Parque da Caixa D’Água.

O pergolado alinhado com o edifício do restaurante Parrilha será em madeira ecológica criando áreas sombreadas atirantadas com cabos de aço.

A sustentabilidade econômica e financeira deste empreendimento se dará pelo equilíbrio entre os investimentos exigidos no projeto, as receitas geradas aos investidores e o prazo da concessão. Os recursos para o projeto e construção virão da iniciativa privada, através de investidores imobiliários que acreditarem e se associarem ao projeto. O empreendimento gerará receitas provenientes da exploração comercial do estacionamento, das novas lojas e dos dois edifícios que compõem o conjunto.  Os investidores terão a posse e legitimidade de exploração dos dois edifícios  e da garagem, Os feirantes têm a posse e legitimidade de exploração de parte das vagas de estacionamento e das 39 lojas, além de ter, sem ônus, o espaço do mercado e atual área de estacionamento reformados, ampliados e urbanizados.

Cortes esquemáticos- vista geral

O projeto básico proposto prevê a implantação de um edifício garagem com disponibilidade de 936 vagas e 39 lojas, equipamento urbano de apoio à comunidade, usuários do mercado, usuários da faculdade e todo o entorno. Estão previstos também a implantação de dois edifícios com 60 unidades cada gerando área construída que completará a sustentação econômica para o empreendimento e terão usos compatíveis com a legislação e necessidades funcionais da área tais como apartamentos residenciais, moradias estudantis, e até usos comerciais e/ou hoteleiro (estes na rua Ouro Fino, que já apresenta características de uso misto) se for permitido e aprovado pela prefeitura municipal e comunidade local.


Ficha técnica:

  • Arquitetos:João Diniz Arquitetura
  • Ano: 2011
  • Área construída: 38999 m²
  • Área do terreno: 17650 m²
  • Tipo de projeto: Institucional
  • Operação projetual:Revitalização
  • Status:Concurso
  • Características Especiais: Sustentável
  • Materialidade: Otro
  • Estrutura: Concreto e Tijolo
  • Localização: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Equipe:

  1. João A. V. Diniz - coordenador
  2. José Luiz Baccarini Neto
  3. Pedro Guadalupe

 

  1. Área total dos estacionamentos (cobertas e descobertas): 30490m²
  2. Número total de vagas: 936
  3. Área total das rampas externas (veículos e pedestres): 2908m²
  4. Área total das 39 novas lojas: 655m²
  5. Área do edifício 1 rua oliveir (60 unidades em 9 andares): 2968m²
  6. Área do edifício 2 rua ouro fino (60 unidades em 9 andares): 2633m²
  7. Área total urbanizada: 10864m² (praça)
  8. 1100m² (mirante)

Text Message Html

Cita: Joanna Helm. "Concurso Mercado Distrital do Cruzeiro - 2° Lugar / João Diniz Arquitetura" 03 Out 2011. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/01-619/concurso-mercado-distrital-do-cruzeiro-2-graus-lugar-joao-diniz-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.