O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museu do Oriente / Carrilho da Graça Arquitectos

Museu do Oriente / Carrilho da Graça Arquitectos

Museu do Oriente / Carrilho da Graça Arquitectos
Museu do Oriente / Carrilho da Graça Arquitectos, © FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra
© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

O Templo das Musas

A palavra Museu tem origem no latim “museum” que, por sua vez, é derivado do grego “mouseion”, um lugar ou templo dedicado às Musas, as divindades da Mitologia grega que inspiravam as artes. Usualmente, é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento. Aberto ao público, adquire, conserva, pesquisa e exibe, para fins de estudo, educação e apreciação, a evidência material dos povos e do seu ambiente.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Em virtude da disponibilidade de meios e da congregação de vontades necessárias, o aparecimento de um novo Museu é um facto pouco frequente. Para um arquitecto, a possibilidade de operar com um programa com esta importância e singularidade, é um acontecimento raro e valioso. Conceber um Museu é uma oportunidade única para confrontar o carácter substantivo do espaço com a intangibilidade da cultura e do conhecimento. Para a dar a conhecer, o arquitecto ordena o espaço, organiza percursos, orienta a luz, exibe conteúdos e assegura a sua protecção e conservação.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

É também a oportunidade para voltar a reflectir sobre uma das questões paradigmáticas da Arquitectura: o contentor arquitectónico como suporte neutro e silencioso, virtualmente inexistente, garante da afirmação e exaltação de um conteúdo versus a obra arquitectónica per se, que se auto-exibe, para a qual o conteúdo não é muito mais que um mero pretexto. A possibilidade de conceber o novo Museu do Oriente constituiu um privilégio e um desafio irrecusável.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

O objectivo consistia em albergar uma valiosa colecção privada centrada numa temática comum, o Oriente – nas suas vertentes histórica, social, etnológica, antropológica, arqueológica e artística –, no Edifício Pedro Álvares Cabral, uma construção portuária do início dos anos quarenta, da autoria do arquitecto João Simões Antunes. Destinado, durante a maior parte da sua já longa existência, à armazenagem de bacalhau (cujo persistente odor chegou a provocar alguma preocupação na fase inicial da obra), o Edifício Pedro Álvares Cabral localiza-se na Avenida Brasília, em Alcântara, numa área sob a tutela da Administração do Porto de Lisboa e encontra-se classificado como Património Municipal.

Corte longitudinal

A sua grande superfície e os seus seis pisos de altura, provocam uma escala e volumetria dominantes naquela parte de cidade, para o que contribui também a sua elementaridade e a quase total inexistência de fenestrações, ditada certamente pela função de armazenagem para que foi concebido.

A sua organização longitudinal e simétrica centra-se num corpo central, referencial hierárquico do conjunto, ladeado por duas alas um pouco mais baixas. Nas cegas superfícies do alçado Norte, estas são pontuadas por dois baixos-relevos do escultor Barata Feyo.

Interiormente, destacam-se a densa e obsessiva estrutura de robustos pilares de planta quadrada, que se estende ao longo da superfície dos vários pisos, e o reduzido e limitador pé-direito que estes apresentam.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

A intervenção – Um desafio

Inicialmente contratados para conceber a museologia e os espaços públicos do Museu, fomos desde logo confrontados com um desafio: uma obra de remodelação do edifício, já em curso; um projecto, parcialmente implementado, que estabelecia já alguns aspectos estruturantes na organização do edifício.

Face a este contexto, acordou-se com a Fundação Oriente e com o arquitecto Rui Francisco, autor do projecto referido, a realização de um trabalho mais profundo, com o objectivo de reconduzir a obra e repensar o projecto, de modo a que este pudesse suportar as intervenções e demolições, já irreversíveis, criando, ao mesmo tempo, o espaço de manobra que necessitávamos para a concepção do Museu.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Por outro lado, e para além das naturais limitações à instalação de um programa museológico que uma construção pré-existente coloca, o Edifício Pedro Álvares Cabral apresentava algumas características específicas:

O baixo pé-direito, da generalidade dos seus pisos, surgia como pouco adequado à generosidade espacial exigível para um edifício público, situação agudizada pela irreversível substituição de alguns pilares por suportes horizontais;

Ao mesmo tempo, o grande encerramento dos seus alçados, ainda que compatível com os requisitos das áreas expositivas, levantaram dificuldades acrescidas para a iluminação e ventilação dos restantes espaços.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Com o objectivo de conciliar a identidade arquitectónica do edifício com o novo uso museológico, procurou-se reesclarecer a estrutura organizativa deste. Nesse sentido, assumiu particular importância a redefinição dos acessos verticais, dos circuitos de público e funcionários e a distribuição funcional por piso.

Também a definição formal do edifício, traduzida na sua imagem aparentemente simples e adaptável, com sinais denunciadores da sua genealogia estilística e da iconografia do Estado Novo, condicionaram, de um modo inesperado, opções formais e gráficas ao longo de todo o processo.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Piso A Piso

Piso 0

O piso 0 contém, genericamente, os espaços mais públicos do edifício. Localizam-se, aqui, a Recepção, o Lounge, a Loja e a área destinada a exposições temporárias. A par do piso 5, constitui o conjunto de espaços do edifício com maior relação com o exterior.

Na ala Poente, o grande embasamento envidraçado promove o ingresso, a partir da Avenida Brasília, e ilumina o espaço de entrada, Recepção e Loja. Na sua extremidade, um núcleo de acessos verticais, especialmente destinado ao público e composto por escada e elevadores, liga a totalidade dos pisos do edifício.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

O corpo central contém a entrada de serviço, para funcionários, e um conjunto de áreas técnicas que incluem a Central de Segurança e o posto de transformação. Interiormente, em ligação com o átrio de entrada, localiza-se o núcleo central de acessos verticais, especialmente destinado às áreas de exposição localizadas nos pisos 1 e 2. É composto por um elevador vidrado, que ocupa o vazio de um antigo saguão, e uma ampla escada que trespassa verticalmente os núcleos centrais das salas de exposição. Na ala Nascente localiza-se a sala de exposições temporárias. Na sua extremidade, e imediatamente adjacente ao pátio de serviço, acessível a partir da Rua Cintura do Porto de Lisboa, localiza-se um núcleo de acessos verticais, de serviço, composto por monta-cargas e escada, por sua vez ladeado pelas escadas de evacuação do Auditório, localizado no Piso 5.

Piso -1

A Poente, com acesso directo a partir da entrada, através dos acessos verticais públicos, localiza-se a Cafetaria, o Serviço Educativo e o núcleo de instalações sanitárias. A partir daqui, e através do grande corredor com acesso condicionado que atravessa todo o piso, acede-se ao Centro de Documentação. A restante área é genericamente ocupada com áreas técnicas, de arquivo e instalações do pessoal.

Planta pavimento 1

Pisos 1 e 2

Com uma estrutura idêntica, estes pisos contêm, exclusivamente, as áreas para exposições permanentes. Organizam-se em duas salas de dimensões similares com acesso a partir do preambular núcleo central de acessos verticais. A Poente e Nascente, os restantes núcleos de acessos verticais garantem os percursos de evacuação.

Planta pavimento 2

A exposição da colecção permanente é resolvida com recurso a vitrinas, em vidro, que incorporam os pilares existentes no seu interior. Em simultâneo, absorvem os dispositivos de reforço estrutural resultantes da subtracção de pilares, eliminando, desta forma, a eventual redução de pé-direito que estes provocariam

Com configurações diversas, num ambiente dominado pelo negro do tecto e cinzento do pavimento, estas vitrinas vítreas comportam-se como elementos positivos no espaço, “ilhas” iluminadas que exibem o conteúdo museológico, que funcionam como suporte gráfico para informação e identificação e garantem, ao mesmo tempo, a iluminação ambiente das salas.

Piso 3

Com acesso muito condicionado, contém os espaços destinados a reservas, conservação e restauro, organizados sequencialmente ao longo do corredor que atravessa todo o piso, de Poente a Nascente. No corpo central inclui uma grande área técnica, responsável pela exigente climatização das áreas de exposições localizadas nos pisos inferiores.

© João Silveira Ramos

Piso 4

Na ala Poente, com acesso a partir do núcleo de acessos verticais do público, localizam-se as salas de reunião sectorial destinadas a congressos, formação e workshops. No corpo central localizam-se as salas de trabalho administrativo do Museu do Oriente. Na ala Nascente localiza-se o piso inferior do Auditório, que inclui palco, camarins, áreas técnicas, arrumos e caminhos de evacuação.

© João Silveira Ramos

Piso 5

Tal como o Piso 0, tem uma forte relação com o exterior. Com acesso a partir dos acessos verticais do público e do grande elevador envidraçado do núcleo central, inclui, na ala Poente, os gabinetes da Administração e o Restaurante, no corpo central, o salão Macau, e na ala Nascente, o Auditório.

Planta pavimento 5

No Restaurante, a Sul, desfruta-se da vista sobre o Tejo através de um longo e elementar envidraçado concebido à semelhança do existente no Piso 0. Adjacentes ao longo terraço, a Norte, e espreitando a cidade através de vãos pontuais, localizam-se os gabinetes da Administração. Com uma ocupação menos densa, caracterizada pelos amplos terraços exteriores e pela variação altimétrica das coberturas, o Piso 5 coroa e remata a grande massa prismática do edifício do Museu do Oriente.

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Carrilho da Graça Arquitectos
  • Ano: 2005
  • Endereço: Edifício Pedro Álvares Cabral Lisboa Portugal
  • Tipo de projeto: Cultural
  • Operação projetual:Revitalização
  • Status:Construído
  • Materialidade: Concreto e Madeira
  • Estrutura: Concreto
  • Localização: Edifício Pedro Álvares Cabral, Lisboa, Portugal
  • Implantação no terreno: Isolado

Equipe:

  1. Texto: Arquitecto Francisco Freire (JLCG Arquitectos, Lda.)
  2. Fotografia: FG + SG - Fernando Guerra, Sergio Guerra & João Silveira Ramos


Sobre este escritório
Carrilho da Graça Arquitectos
Escritório
Cita: Jorge Alves. "Museu do Oriente / Carrilho da Graça Arquitectos" 05 Jun 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/52409/museu-do-oriente-carrilho-da-graca-arquitectos> ISSN 0719-8906