O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. La Casita / Anna & Eugeni Bach

La Casita / Anna & Eugeni Bach

La Casita / Anna & Eugeni Bach
La Casita / Anna & Eugeni Bach, © Tiia Ettala
© Tiia Ettala

Quando um casal de arquitetos têm dois filhos pequenos, sempre chega um dia em que estes perguntam:

  • Papai, mamãe, vocês são arquitetos, não é?
  • Sim.
  • E fazem casa para as pessoas?
  • Sim, claro.
  • E por que não fazem uma casinha para nós?

 

Diante de tal situação, existem duas possibilidades: buscar alguma desculpa para se esquivar do tema, ou prometer-lhes que farão uma casinha especialmente para eles.
© Tiia Ettala

Nesta situação, nos encontramos antes do verão e prometemos que construiríamos sua casinha na granja de seus avós, na Finlândia, e claro, diante da insistência e perseverança deles, cumprimos entusiasmados a nossa promessa.

© Tiia Ettala

A casinha baseia-se principalmente em uma seção, que é a estrutura, bastante simples, que se repete em dois módulos iguais, ainda que orientados em direções opostos. Um destes módulos recebe um pé direito duplo (na escala das crianças), o que permite que um adulto possa entrar na casa sem ter que se agachar. O outro módulo tem dois níveis, conectados por uma simples escada permitindo uma dinâmica mais completa no seu interior.

© Tiia Ettala

Este ponto de partida permite que, desde o exterior, o projeto adquira o caráter de um elemento quase abstrato, sem referência à escala, enquanto que no interior, ao cruzar-se dois módulos, identifique-se a seção prototípica de uma casinha de crianças, com suas coberturas simétricas, como as que nós mesmos desenhávamos quando pequenos.

© Tiia Ettala

O interior converte-se então na redução essencial do que as crianças entendem por uma habitação: um espaço maior que poderia ser a sala, um espaço em menor altura onde poderia-se colocar a cozinha e a sala de jantar, e um sótão onde estariam os quartos. Uma habitação completa, reduzida a 13,5m2.

Ainda que, a abstração do interior também faça a imaginação voar e aqueles espaços que poderiam identificar-se com um interior doméstico, convertam-se repentinamente nas masmorras de um castelo medieval, e o sótão na torre principal da onde dispara-se flechas aos inimigos.

© Tiia Ettala

A construção da casinha durou duas semanas. Foi feita completamente de maneira autônoma, em duas pessoas (nós mesmos, mais dois pequenos ajudantes), e foi um processo tão gratificante quanto educativo: as crianças vieram e entenderam que as coisas são conseguidas com esforço, e que a própria pessoa podo fabricar seus sonhos.

Para a estrutura e os pisos utilizou-se madeira de abeto da própria granja, de árvores plantadas nos bosques pelo bisavô das crianças, e cortadas por seu avô. O resto da madeira foi comprado nas serralherias da zona.

© Tiia Ettala

Toda a casa foi feita de madeira; estrutura, pisos, paredes e cobertura, utilizando sistemas tradicionais para que a casa tenha ventilação, e um sistema de cobertura feita a partir de uma simples superposição de tábuas de madeira ranhurada, para evitar a entrada de água. Somente umas pequenas calhas de chapas galvanizadas ajudam a retirar a água e proteger as aberturas na fachada.

A casa foi pintada com listras brancas verticais, que continuam na cobertura e ajudam a explicar a seção original do projeto. O resto da madeira deixa-se sem tratamento, de forma que com o passar do tempo, irá tomar um tom acinzentado que contrastará cada vez mais com as partes pintadas, demonstrando, de uma forma mais óbvia, o tempo passar e assim, ir envelhecendo com as crianças.

© Tiia Ettala

Estas listras dão um caráter festivo ao volume, assimilando-o a uma tenda de festival ou uma antiga casinha para se trocar na praia, ainda que neste caso, o seu entorno seja totalmente rural, rodeada por macieiras, que confere, ainda mais, à obra um caráter de sonho.

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Anna & Eugeni Bach
  • Ano: 2011
  • Área construída: 13,50 m²
  • Endereço: Granja de Pälölä Nummi Pusula Finlândia
  • Tipo de projeto: Equipamento de Lazer
  • Status:Construído
  • Materialidade: Madeira
  • Estrutura: Madeira
  • Localização: Granja de Pälölä, Nummi Pusula, Finlândia
  • Implantação no terreno: Isolado

Equipe:

  1. Arquitetos: Anna & Eugeni Bach
  2. Colaboradores: Uma e Rufus Bach

Informação Complementar:

  1. Construtora: construído por Anna & Eugeni Bach
  1. Proprietário: Uma e Rufus Bach
  2. Orçamento total da obra: 800 €

Cita: Marina de Holanda. "La Casita / Anna & Eugeni Bach" 19 Fev 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/32161/la-casita-anna-e-eugeni-bach> ISSN 0719-8906