Casa Bilsey / James Russell Architect

Casa Bilsey / James Russell Architect
Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 1 de 21
© Toby Scott
Fortitude Valley, Austrália

Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 2 de 21Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 3 de 21Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 4 de 21Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 5 de 21+ 21

  • Design Team : James Russell & Andrew Shindler
  • Construtora : Crocker Builders
  • Engenharia : Adrian Dine, ad.structure
  • Cidade : Fortitude Valley
  • País : Austrália
Mais informaçõesMenos informações

Descrição enviada pela equipe de projeto. Percorrendo este condomínio num dia de 35 graus as ruas estão vazias, mas o zumbido mecânico dos ares condicionados ressoa no ar, um som que mantém as pessoas escondidas dentro de suas casas. A casa Bisley Place fica no fim desta rua. Aqui há crianças correndo para lá e pra cá- não apenas moradoras, mas também as crianças das proximidades, e visitantes de outros bairros. O aroma de comida fresca percorre livremente os quintais. O ritual de cozinhar e comer acontece ali, na calçada, um lugar para a comunidade.

Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 15 de 21
© Toby Scott

As insulares "caixas quentes", recorrentes nestas casas, não são culpa dos construtores ou proprietários dos imóveis. Os autores conveniados - aqueles encarregados de manter a consistência do condomínio - prescrevem o mínimo total de área térrea, o tamanho da garagem, materiais da fachada e a inclinação do telhado. Mas ao criar de acordos com as prescrições, uma casa de condomínio oferece outra oportunidade: as regras como paleta única. A partir daí, os espaços e materiais podem ser empregados de forma a otimizar os locais para o usuário.

Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 14 de 21
© Toby Scott

Quatro grandes portas de correr fornecem um véu para a rua e admitem a passagem de uma suave brisa durante o dia. Com o toque de um botão estas portas se abrem proporcionando sombra e abrigo para incitar uma relação mais aberta com a rua. Cortinas são movidas para delimitar espaços ou redefinir limites. Incorporando o exterior nos ambientes de convivência internos e estabelecendo circulação ao longo de todo o terreno, permitindo que a habitação respire. A casa se torna uma série de espaços ao longo de uma passagem, um percurso que encoraja as relações interpessoais e o compartilhamento da paisagem.

Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 10 de 21
© Toby Scott

O invólucro do edifício é robusto e permanente, com vidros, paredes e paisagismo adaptáveis. O bloco estrutural e o concreto compõem o revestimento externo da habitação, materiais que são inerentemente fortes, de auto-acabamento, e resistentes a diversas condições climáticas. O morador é portanto capaz de criar e recriar seu próprio espaço, manipulando peles; portas, janelas e cortinas para alternar entre uso interno e externo. Paredes de blocos de uma camada constroem os espaços no sótão, gerando uma expansão dentro da habitação que é intencionalmente crua e tecnicamente exterior. Este é um espaço para sonhar, estudar e contemplar.

Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 5 de 21
© Toby Scott

Foram desenvolvidos sistemas capazes de maximizar o potencial funcional do bloco ao gerenciar o fluxo de água através do bloco estrutural. Paredes de títulos flamengos revestem o edifício e criam uma barreira à prova de água para os quartos atrás deles. O telhado tem uma inclinação de 22.5 graus mas não tem empenas, torções ou curvas. Ele inclina-se em direção ao patio central, protegendo o limite externo. E dentro deste telhado está um espaço mágico - uma verdadeira abertura ao céu.

Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 7 de 21
© Toby Scott

Folhagens espessas crescem ao redor e dentro da habitação de blocos negros de vidros, uma casa que tanto acolhe a paisagem quanto protege seus habitantes, com controle e flexibilidade simples, a partir de elementos indesejáveis. Os materiais e a fabricação dos espaços são honestos e eficientes, um aceno para a funcionalidade do edifício industrial. Mas, mais significantemente, a habitação é também capaz de devolver ao usuário o significado da palavra lar: uma unidade com espaço e ambiência, uma coalescência de comunidade.

Casa Bilsey  / James Russell Architect - Imagem 20 de 21
Planta Pavimento Térreo

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Cita: "Casa Bilsey / James Russell Architect" [Bilsey Place House / James Russell Architect] 23 Dez 2013. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/01-163274/casa-bilsey-slash-james-russell-architect> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.