O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Clínica
  4. Argentina
  5. Rafael Iglesia
  6. 2008
  7. Clínica Proar / Rafael Iglesia

Clínica Proar / Rafael Iglesia

Clínica Proar / Rafael Iglesia
Clínica Proar / Rafael Iglesia, © Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

© Gustavo Frittegotto © Gustavo Frittegotto © Gustavo Frittegotto © Gustavo Frittegotto + 8

  • Arquitetos

  • Localização

    Avenida Itália, Rosário, Argentina
  • Equipe de trabalho

    Arq. Pedro aybar, Arq. Pablo temporini, Arq.Guillermina iglesia, Franco comba
  • Ano do Projeto

    2008
  • Fotografias

© Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

Tudo acontece e nada é lembrado nestes armários de cristal onde, como fantásticos rabinos, lemos os livros da direita para esquerda.
JORGE LUIS BORGES - RETIRO DEL ESPEJO SU VIVO RETRATO

Entro no projeto com metáforas, de repente porque foi a primeira maneira que o primitivo se comunicou com o meio, quando derrubou o animal de celeiro e seu pensamento começa a ser simbólico. Isso, que eu não sei o que é, se esconde por trás dele uma clínica de fertilidade assistida. Reprodução. Onde tem mais valor a ideia do que o conteúdo, o significado como princípio construtivo. O reflexo como metáfora da reprodução. Borges que os odiava, disse "os espelhos e a paternidade são abomináveis porque se multiplicam e o divulgam".

Desde "a disciplina", existe tentação de classificá-la como minimalista, ou barroca. É ambas, simultaneamente. Coincidindo com essa definição de JLB onde expressa: barroco é aquele estilo que deliberadamente esgota, ou quer esgotar, suas possibilidades, e que fica numa linha muito tênue com sua própria caricatura. frente a este ponto de vista, minimalista e barroco são o mesmo, um por abundância e o outro por escassez , levando suas possibilidades ao limite. Esse é o ponto de vista que me interessa no momento de analisar um trabalho, onde a forma é consequência da interpretação. Sigo pensando que arquiteto é aquele que interpreta é não quem constrói.

© Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

A pergunta que inevitavelmente surge é: Que coisa é isso? É arquitetura? e Que coisa é isso que hoje chamamos de arquitetura? Se segue defendendo igualmente? Isso é o que era? Segue sendo uma disciplina hoje que tem chegado ao seu fim nas sociedades disciplinares tal como Foucault levantou.

Uma arquitetura incapaz de deixar uma pista, um rastro para poder reconstruir um passado. É arquitetura, uma obra que não tem forma, que não se preocupa com a distribuição dos pesos nem dos percursos, nem da sombra, somente se dedica a surpreender, a ignorar a gravidade? Sua imagem se mostra inabitável, um impossível espaço de reflexos. E embora reflita, não é um espelho, embora se pareça e seja considerado, não reproduz: interpreta. Imaterial, se comporta como os líquidos que refletem imagens imperfeitas, uma arquitetura liquida. Somente uma ilusão, como a que tem aqueles que buscam este lugar: uma clínica de fertilidade assistida. Nada faz supor que é habitável, não portas, janelas, molduras e tudo isso que diferencia a arquitetura de uma escultura ou um monumento. Estes (os monumentos) apelam para a memória, a comemoração, o espelho não tem memória, sua imagem, muda constantemente. É incapaz de reter uma memória. Isso perturba metade da quadra, não protege, surpreende . É contextual em qualquer meio, que despreza o conceito de lugar, mesmo que viva nele, ele consome o lugar, que poderia ser em qualquer lugar, em Veneza, nos pampas argentinos, em Nova York, em uma favela, e sempre estará ser de outra forma narrando o que está acontecendo ao seu redor para dizer outra coisa, e não é o que que acontece no seu interior, nem sua história, isto é, de onde vem . A arquitetura sempre diz, em sua linguagem, o que é: eu sou uma casa, um edifício, uma prisão, uma escola ... etc. Este projeto tenta interpretar o que acontece ao seu redor de forma diferente, e ver como isso transforma ... ele não copia a realidade, perturba e zomba dela. É um parasita que consome imagens. Assim como a arquitetura é o reflexo do passado da sociedade que abriga, a fachada deste projeto atua em sentido inverso, é o reflexo do que está acontecendo ao seu redor, sempre no presente. Não é um substantivo, é um verbo. Não está nem no tempo ou no espaço que estende em vão uma realidade incerta. A imagem que aparece é a realidade de um mundo irreal, contraditório. Não se pretende, se encontra, como esse espermatozóide que é formada pela reflexão da luz a partir da rua, uma coincidência.

© Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

O projeto se materializa não com a perfeição do aço utilizado no primeiro mundo. Ele procura imperfeição, imagens sensuais de distorção pura e movimento imperfeito, como os seres humanos, que tem como objetivo gerar.

O ser humano...é somente um ponto invisível em uma encruzilhada; uma aresta de espelhos..."JLB

Não está presente como arquitetura, mostra-se ausente, ele existe apenas através do outro. Um parasita que se alimenta de acontecimentos. Irreal, imaterial, não é feito de substantivos, só é realizado com verbos, com ações, não com construções materiais. Assim como é a cidade.

© Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

Inatual, incapaz de recuperar o passado, está agachada em vão para pegar um vislumbre de um futuro imperfeito, o que não pode abrigar. Para uma ontologia que não pensa o ser como uma estrutura plenamente realizada, que serve de suporte ou substância para as entidades, mas sim como um evento permanente, como acontece, como a origem contínua, filosofar significa reconhecer essências só no sentido de que Heidegger adota a palavra Wesen (sendo) em alemão, e não como um substantivo, mas como um verbo no infinitivo ........... Como disse Quetglas.

Paradoxalmente, entre os metais, há aqueles com memória e os sem. Cobre não tem memória, se dobrado, ele não volta ao seu estado original, o aço inoxidável sim. Mas essa fachada não tem memória, não lembra de um estilo, uma maneira de fazer, cada vez, ou nos conta a sua utilidade. É apenas espetáculo. Sem memória, a continuidade do significado está perdido, da linguagem, do juízo. Coleta acontecimentos apenas para esquecê-los. É pobre na sua riqueza.

© Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

Não é apenas uma imagem de si mesmo como arquitetura. Foge da sua rede conceitual para estar com os outros e não ser como todo mundo. Estou de volta a incomodar Borges: "Vejo-os de maneira infinita, elementais, executores de um pacto antigo: multiplicar o mundo como o ato gerador, sem sono e fatal." Perturbando o limite, um vazio temperamental, repetições, ambivalência, design cego, como um horizonte vertical, divide o terreno da realidade divina e o da fantasia.

Trata-se de recuperar a tradição de uma forma desviante, deformada para destacar que este é um outro tempo, outro espaço, por isso devem ter uma outra língua, outra sintaxe, tentando destacar a interrupção da narrativa histórica. Ou pelo menos removê-lo do papel de performances para transformá-lo em um conto "insignificante".

Contra a transcendência e profundidade da arquitetura. Reflectindo a natureza física do seu meio, a sua natureza retrospectiva presa sobre uma superfície plana com uma profundidade aparente, revela o funcionamento superficial da linguagem. Não há nada aqui, apenas aparências, imagens. Olhando para destruir a relação existencial que une o mundo natural e obra arquitetônica.

© Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

PS: A fachada desfigura as imagens e, em alguns casos, dependendo da posição, ele distorce a silhueta e a imagem parece grávida. Eu disse a uma amiga que, quando ela vai para dentro, ela deve fazê-lo com cuidado, porque ela pode engravidar, e nem discrimina pelos sexos. Ela me disse que a fábrica tinha fechado e um parque de diversões foi posto em prática no local.

Neste trabalho que interessa falar sobre o contato do privado com o urbano.

O acesso ocorre quando um módulo de frente é empurrado para trás para abrir um vazio que permite entrar ou sair. Ou seja, o verbo, entrar, sair, fechar, abrir, e não a porta substantivo. Em todos os meus projetos estou interessado nesse espaço que liga o privado com o público.

O acesso ocorre quando um módulo de frente é empurrado para trás para abrir um vazio que permite entrar ou sair. Ou seja, o verbo, entrar, sair, fechar, abrir, e não a porta substantivo. Em todos os meus projetos estou interessado nesse espaço que liga o privado com o público.

Plantas
Plantas

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Rafael Iglesia
Escritório
Cita: "Clínica Proar / Rafael Iglesia" [Clínica Proar / Rafael Iglesia] 04 Nov 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Márquez, Leonardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/150610/clinica-proar-slash-rafael-iglesia> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.