O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Austrália
  5. Austin Maynard Architects
  6. 2012
  7. House House / Andrew Maynard Architects

House House / Andrew Maynard Architects

House House / Andrew Maynard Architects
House House / Andrew Maynard Architects, © Peter Bennetts
© Peter Bennetts

© Peter Bennetts © Peter Bennetts © Peter Bennetts © Peter Bennetts + 50

© Peter Bennetts
© Peter Bennetts

Descrição enviada pela equipe de projeto. Estas casas vizinhas são propriedade de duas gerações de uma família.  Ambas as casas tinham necessidade de reparo e atualização. HOUSE House é uma construção singular que se estende as duas residências. São casas separadas com uma arquitetura unificadora. A nova estrutura vai de norte a sul enquanto as casas originais têm direção leste/oeste. A cerca entre cada terraço desliza para criar um grande quintal.

© Peter Bennetts
© Peter Bennetts

A Austrália tem as maiores casas do mundo. Melbourne é plana com densidade habitacional muito baixa. Há poucas restrições topográficas para forçar casas a ter uma interferência pequena no terreno. Isso é lamentável, já que muitas das melhores casas do mundo são de tamanho modesto e maximizam o precioso espaço aberto existente. Na Austrália as construções são amplas e baixas. Nós utilizamos todo o nosso espaço externo. Muitas vezes as pessoas se mudam para os subúrbios sobre o falso pretexto de que terão abundância de espaço ao ar livre para crianças brincarem, no entanto o tamanho enorme das casas torna esta crença em um mito conveniente. O resultado é a dependência do automóvel e o isolamento infantil de uma comunidade urbana rica e diversificada (uma vez que crianças não costumam guiar com frequência).

© Peter Bennetts
© Peter Bennetts

Com HOUSE House nós fomos construímos verticalmente. Empilhamos espaços em 3 andares de altura. Maximizamos o quintal de um terreno pequeno. Em cidades como Tóquio, Londres, Amsterdã e vários outros morar verticalmente é uma forma de vida que gera habitações únicas enquanto tiram proveito de uma condição urbana adensada. Cria uma maneira vibrante de vida em que a dependência de sprawl e do carro nunca poderia alcançar. Mas e se introduzíssemos uma restrição de ocupação além da necessária? E se construíssemos uma estrutura alta e delgada que maximizasse o quintal modesto? Produzimos espaços que, embora sejam familiares em muitas partes do mundo, não está disseminado pela Austrália;  espaços altos e cavernosos com iluminação zenital. Cada espaço difere em personalidade e função para que uma casa, mesmo que simples, possa adaptar-se as variadas e complexas vontades de seus ocupantes.

© Peter Bennetts
© Peter Bennetts

Os arquitetos do escritório Andrew Maynard geralmente tentam evitar sobrepor estruturas novas com existentes, portanto foram criadas duas formas independentes respeitando os sobrados Vitorianos idênticos.  A nova estrutura foi construída na parte posterior do terraço após serem reparados e restaurados. Uma lacuna evidente permanece entre os dois. Intempéries são afastadas deste espaço cavernoso pelo fechamento em vidro. É ali que a escada espiral se localiza e interage com ambos, o sobrado antigo feito de tijolos e a nova estrutura feita de cedro. Evitamos o uso de novos materiais sintéticos, brilhantes ou de plástico: os materiais escolhidos têm história. O novo volume é totalmente revestido em cedro. Placas e detalhamento em aço bruto descrevem as aberturas entre as estruturas como o limiar entre o velho e o novo. Painéis de madeira escura sobem pelo vazio cheio de luz entre as estruturas. Nós utilizamos espelho de forma estratégica em armários da sala de jantar para fazer o espaço parecer maior, e dar a ilusão de que a luz está vindo de ambos os lados e que estamos rodeados por um jardim.

© Peter Bennetts
© Peter Bennetts

Os espaços familiares não precisam ser grandes, mas ainda assim precisam de limites brandos. A sala de estar original é mantida. Depois dela, os espaços de convivência abrem-se a partir da sala de jantar até a cerca posterior. As cercas laterais podem ambas ser abertas para permitir atividades ao ar livre além da sala de estar. A bancada da cozinha continua através da parede de vidro e acaba na churrasqueira nela embutida. Os níveis acima das áreas de convivência são espaços tranquilos para contemplação. Cada espaço é conectado pela estalagem posterior e pela iluminação interna.

© Peter Bennetts
© Peter Bennetts

Em nossas construções a preocupação com a sustentabilidade é tão importante quando a responsabilidade com iluminação e encanamento, portanto, todas as novas janelas têm vidro duplo e os telhados são de vidro  de alta performance com persianas automatizadas de forma que a luz solar seja interrompida antes de atingir o vidro para evitar o esfeito estufa. Os proprietários podem ajustar as persianas a qualquer momento para a completa incidência solar ou bloqueio. Persianas a Sul são automatizadas para diminuir a contenção do calor em excesso. Isolamento de alto desempenho foi utilizado nas novas paredes e telhado. Também os telhados existentes dos sobrados foram dotados de isolamentoOs painéis solares cobrem o telhado.

© Michael Ong
© Michael Ong

Na parede limiar de cedro pintamos um gráfico.  Melbourne tem alguns dos melhores artistas de rua do mundo e, felizmente, eles doaram seus trabalhos para inúmeras vielas da cidade. Embora a arte urbana seja bem vinda em Melbourne os tags são  também predominantemente destrutivos. Os taggs são esperados em quase toda parede exposta e a maior parte dela é revestida por tinta spray preta. Para combater isso, introduzimos um gráfico preto à fachada que não deixa o tag invisível e pode ser rapidamente repintada para desencorajaro tags adicional. Nós não sabemos se esta tática funcionará ou servirá como incentivo, porém, o mais importante é nos envolvermos com os taggs, uma das partes mais ubíquas da cidade, ao invés de lutarmos contra com isto. O gráfico usado é a imagem de uma criança de uma casa suburbana. Aqui vemos a sobreposição de duas abordagens distintas para a casa uni familiar; o lar estereotipado sobreposto ao significado real. Se olhar de perto para qualquer outra parte da casa encontrará inúmeros "Easter Eggs" seguindo o mesmo tema.

1º e 2ª Pavimentos
1º e 2ª Pavimentos

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Austin Maynard Architects
Escritório
Cita: "House House / Andrew Maynard Architects" [House House / Austin Maynard Architects] 23 Abr 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Alves, Jorge) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/109705/house-house-slash-andrew-maynard-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.