O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Habitação De Interesse Social
  4. França
  5. Patrick Arotcharen Architecte
  6. 2011
  7. Eco-Habitação Coletiva La Canopée / Patrick Arotcharen Architecte

Eco-Habitação Coletiva La Canopée / Patrick Arotcharen Architecte

Eco-Habitação Coletiva La Canopée / Patrick Arotcharen Architecte
© Vincent Monthiers
© Vincent Monthiers

© Vincent Monthiers © Vincent Monthiers © Vincent Monthiers © Vincent Monthiers + 27

Descrição enviada pela equipe de projeto. A fim de projetar e construir uma arquitetura que não só responde ao seu contexto, mas para a necessidade do homem para função, o estudo cuidadoso da topografia e da vegetação circundante prestou-se ao posicionamento exato e definiu o projeto onde as cabines de madeira entrelaçam-se com os bosques circundantes. Um estudo do local, os pontos de vista e a trajetória do sol, o desejo subjacente de evitar qualquer potencial vista e a ideia de esconder os requisitos de estacionamento residenciais sob os apartamentos significava que uma espécie de caos visualmente ordenado inclinanou-se para a disposição física, a densidade e justaposição dos edifícios.

© Vincent Monthiers
© Vincent Monthiers

Neste local estreito e ligeiramente irregular (5000 m2), as 50 unidades habitacionais estão agrupadas em duas entidades residenciais principais. 38 unidades coletivas estão ligadas por passarelas elevadas para 12 casas individuais espalhadas pela rede orgânica de árvores existente. Içadao como se estivesse usando pernas de pau, o projeto imita a natureza lúdica da vegetação e das árvores. O ambiente construído distingue-se de "zonas" de serviço e paisagismo no nível da rua oferecendo um habitat, que se encosta diretamente contra a folhagem circundante.

© Vincent Monthiers
© Vincent Monthiers

As passarelas de madeira erigida no nível doprimeiro andar, flertando com as árvores altas oferecem uma via sensorial e onírica entre a vegetação. Os acessos são espaços semi privados servindo apenas duas unidades habitacionais no máximo e são grandes e abertas ao cenário natural, de modo que, para todas as unidades habitacionais é dado o mesmo tratamento, reduzindo assim a densidade visual global. As habitações individuais elevadas estão ligados aos espaços de circulação vertical comuns das unidades de apartamentos coletivos pelas passarelas de madeira, em ordem para que todos os moradores compartilhem as mesmas experiências diárias, coletivas ou individuais.

© Vincent Monthiers
© Vincent Monthiers

Todos os apartamentos e casas são com duplo aspecto, com um espaço totalmente envidraçado (6m) orientado principalmente para o sul, com um prolongamento de um espaço privado externo da varanda de madeira (12 m2) e visualmente protegido pelo uso cuidadoso de telas de madeira de sombreamento e balaustres com caixas de flores construídas, transbordando de vegetação. A flexibilidade de plano aberto em cada unidade habitacional responde ao estilo de vida local desta região de clima temperado, onde se gasta e vive tanto fora como dentro. Como os espaços de estar alimentam os níveis mais baixos, os quartos são agrupados mais acima, separados acusticamente das áreas de estar e separados deste mesmo nível, 2 quartos, e as "peças molhadas" (banheiros, suítes, sanitários, etc), estão localizadas nas fachadas norte e todos são naturalmente iluminados e ventilados.

© Vincent Monthiers
© Vincent Monthiers

Desde o início, o projeto foi desenvolvido com o objetivo de utilizar a maior quantidade de elementos pré-fabricados quanto possível. As varandas suspensas são todas iguais para cada tipologia de habitação; cada unidade segue os mesmos padrões de grade 1.03m (incluindo os elementos estruturais, balaustres, revestimento externo, unidades envidraçadas e as telas de proteção solar etc.) Construído em aço, madeira e concreto, os elementos materiais respondem ao desejo de reduzir o impacto arquitetônico dentro desta paisagem e a padronização dos principais elementos arquitetônicos, concebida em colaboração com a fabricante de madeira EGOIN, inegavelmente ajudou a explicar a alta qualidade de habitação e qualidade de vida mantendo-se dentro do orçamento.

© Vincent Monthiers
© Vincent Monthiers

A pele externa é caracterizada pelo design de estruturas orgânicas construídas para estimular o crescimento de vegetação (saliências, sombreadores e tubulações de águas pluviais), enquanto assegura eficiência ambiental e de energia ao longo do projeto. As fachadas preservam a privacidade do morador e, ao mesmo tempo, protegem o ambiente natural da interferência humana.

Planta
Planta

'La Canopée', um projeto derivado e deduzido diretamente dos seus arredores, juntamente com várias soluções arquitetônicas fortes para reduzir o impacto geral, o custo, o tempo de construção e a energia, atinge a sua individualidade através de uma organização espacial orgânica, original e flexível, que respeita tanto a sustentabilidade como o meio ambiente natural.

Planta
Planta

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Eco-Habitação Coletiva La Canopée / Patrick Arotcharen Architecte" [Collective Eco-Housing La Canopée / Patrick Arotcharen Architecte] 18 Abr 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Helm, Joanna) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/109306/eco-habitacao-coletiva-la-canopee-slash-patrick-arotcharen-architecte> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.