O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Arquitetura Cultural
  4. França
  5. Massimiliano & Doriana Fuksas
  6. 2013
  7. Novo Arquivo Nacional da França / Studio Fuksas

Novo Arquivo Nacional da França / Studio Fuksas

Novo Arquivo Nacional da França / Studio Fuksas
Novo Arquivo Nacional da França / Studio Fuksas, © Philippe Ruault
© Philippe Ruault

© Philippe Ruault © Philippe Ruault © Camilla Pongiglione via Studio Fuksas + 9

  • Empreiteiro Geral

    Bouygues Construction
  • Engenharia

    BETOM Ingégnierie
  • Acústica

    ALTIA
  • Paisagismo

    Florence MERCIER
  • Departamento de Controle

    SOCOTEC
  • Fachada

    Kyotec
  • Cenografia Sala de Conferência

    Architecture and Technique
  • Intervenções Artísticas

    Antony Gormley, Pascal Convert, Susanna Fritscher
  • Cliente

    Ministério da Cultura e da Comunicação da França
  • Mais informações Menos informações

Descrição enviada pela equipe de projeto. Segunda-feira, 11 de fevereiro, 2013, o Presidente da República francesa, François Hollande, inaugurou o Novo Arquivo Nacional da França, em Pierrefitte-sur-Seine, em Saint-Denis, Paris.

© Philippe Ruault
© Philippe Ruault

O novo edifício do Arquivo da França (108136 m²), em Pierrefitte-sur-Seine, Paris, é assinado pelos arquitetos italianos Massimiliano e Doriana Fuksas e após três anos de obras é aberto para o público.

O Arquivo Nacional, criado durante a Revolução Francesa, armazena documentos de regimes políticos desde o século VII até hoje. Ali são preservados alguns marcos na história da França: os papiros merovíngios, os processos dos Templários, o diário de Luís XVI, o Testamento de Napoleão, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, o juramento de Jeu de Paume.

O projeto do Novo Arquivo Nacional da França inspira-se na realidade circundante, a partir da visão da cidade como coexistente ao caos e à ordem. O conceito nasce e acontece a partir desta dualidade que se reflete na organização do complexo.

© Philippe Ruault
© Philippe Ruault

A escolha inicial era investigar o terreno e suas características nos âmbitos territoriais e sócio-culturais para que fosse revelada sua identidade única. O trabalho, por consequência, seguiu um princípio cardinal de arquitetura para a criação de espaços que estivessem de acordo com as necessidades da comunidade que o povoa.

O projeto enaltece a paisagem geográfica e arquitetônica da área de Pierrefitte sur-Seine Saint Denis, onde o edifício se insere.

© Philippe Ruault
© Philippe Ruault

O complexo não fora projetado para ser uma arquitetura auto-referencial, mas para ser um trabalho que possa guardar a memória e identidade coletiva ao mesmo tempo que se abre à expressões de artistas contemporâneos. Isto não foi pensado a partir de uma esfera contemplativa, mas por uma perspectiva de descoberta, pesquisa e participação para a plateia.

O projeto é composto de dois "corpos" principais: um que estende-se horizontalmente, "suspenso, leve, transparente", o outro tensionado em altura, "ancorado ao solo, imponente, refletido."

O primeiro, atirando-se em direção à cidade, consiste em volumes em balanço, chamados "satélites", que acomodam os escritórios, a sala de conferencia e a sala de exibições. As fachadas, em geral envidraçadas, conferem luminosidade e transparência aos volumes de diferentes proporções, que seguem uns aos outros e sobrepõem-se em "suspensão" na superficie da água.

© Camilla Pongiglione
© Camilla Pongiglione

edifício que acomoda os Arquivos é um monolito imponente pensado como um espaço dedicado à memória e à pesquisa. Abriga o arquivo de documentos e a sala de leitura. As fachadas deste monolito são revestidas de uma "pele" de alumínio que percorre todo o volume, exceto por algumas inserções de vidro que permitem que a quantidade correta de luz adentre a sala e a via de entrada. O "nobre" edifício escultural lembra um objeto precioso, um baú de tesouros, que é refletido no véu de água.

As bacias estão localizadas entre o edifício de Arquivos, os volumes "Satélite" e no pé do volume de satélites. Passarelas acima delas criam uma conexão entre ambos volumes em balanço e os dois "corpos". O espelho de água se torna um veículo de mudança para a arquitetura, desenhando vazios e novos espaços, graças aos reflexos e ao jogo de luz natural criado pelos cortes nos volumes suspensos e à "pele" do monolito.

© Philippe Ruault
© Philippe Ruault

As fachadas dos dois "corpos" seguem uma geometria losangular que é repetida, tanto no revestimento de aluminio no edificio de Arquivos, quanto nas fachadas de vidro do volume "satélite".

Entre o monolito e os volumes "satélite" é encontrada a obra de arte de Antony Gormley. Um precioso objeto escultural que surge do véu de água como se extraisse daí sua força. Este objeto redesenha os espaços de um modo contemporaneo, circundando as fachadas do complexo arquitetônico. As faces geométricas articulam a obra durante sua passagem e dão vida à estrutura de uma corrente dodecaédrica, que reflete e projeta a si mesma sobre o espelho de água e a superficie espelhada dos volumes.

A ligação com a memória é traçada simbolicamente no trabalho de Pascal Convert, uma série de "cofres" de concreto locados em frente aos volumes "satélite". Estas caixas mostram os rostos em relevo de algumas personalidades que deixaram suas marcas na memoria coletiva. A instalação de arte é firmemente ancorada ao solo e, assim como o volume do monolito, aparenta que suas raízes estão aprofundando-se nas memórias.

© Philippe Ruault
© Philippe Ruault

Com pé direito duplo, o hall acolhe o visitante. O efeito "suspenso" do "satélite" é enaltecido pela intervençao artistica de Susana Fritscher que, com um toque minimalista, realiza tetos falsos em "folhas" de aço inoxidável vermelho, enfatizando a interação entre a arquitetura, o complexo e as linhas dos volumes "satélites". A cor vermelha dá profundidade aos volumes, que se destacam de modo horizontal em diferentes alturas, criando ao mesmo tempo um jogo de sólidos e de vazios, entre material e imaterial.

A entrada leva aos espaços públicos: sala de leitura, sala de exibições, e sala de conferências. O assento para a sala de conferências, "Carla" para Poltrona Frau, realizada em tecido vermelho é assinada pelos arquitetos  Fuksas. A cadeira é formada por dois planos que se interseccionam e rotacionam para trás, para a cadeira e para o descanso de braço, como uma flor. Uma forma minimalista na medida.

Os interiores caracterizam-se pelos seus amplos espaços que proporcionam uma visão geral que faz imediata a percepção da importância e da singularidade do lugar.

via Studio Fuksas
via Studio Fuksas

A importancia do contexto, e portanto, a importância do território, assume forma concreta na intervensão paisagística de Florence Mercier. Seu projeto de áreas verdes criou uma interação real entre natureza, arquitetura e a plateia. O passeio verde que apresenta e guia o visitante até o complexo funciona como um palco, que alterna geometria, formas, cores e sombras.

Um projeto que visa dotar de emoções. Dois "corpos", dois "mundos", simbolicamente conectados por passarelas que, cruzando-se constantemente criam uma identidade que é enraizada na memória do passado com um olho para a contemporaneidade e o futuro. O projeto reflete a identidade e memória que pertenceu a França para toda a humanidade.

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Massimiliano & Doriana Fuksas
Escritório
Cita: "Novo Arquivo Nacional da França / Studio Fuksas" [New National Archives of France / Massimiliano & Doriana Fuksas] 09 Mar 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Delaqua, Victor) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/100882/novo-arquivo-nacional-da-franca-slash-studio-fuksas> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.