i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

A Literatura da Arquitetura, uma conversa com Germán del Sol [Parte II]

20:00 - 23 Maio, 2013
A Literatura da Arquitetura, uma conversa com Germán del Sol [Parte II], A casa reflete a dignidade da existência humana
A casa reflete a dignidade da existência humana

A Literatura da Arquitetura, uma conversa com Germán del Sol [Parte I]

20:00 - 2 Maio, 2013
A Literatura da Arquitetura, uma conversa com Germán del Sol [Parte I], Não importa que nossos momentos felizes sejan breves. Cortesia Germán del Sol
Não importa que nossos momentos felizes sejan breves. Cortesia Germán del Sol

Poesia e Arquitetura: A sonhadora, 143 / Ana María Shua

13:30 - 23 Abril, 2013
Poesia e Arquitetura: A sonhadora, 143 / Ana María Shua, © Flickr carlos.navarro
© Flickr carlos.navarro

Poesia e Arquitetura: Constatações / Ozino Esteván

13:00 - 12 Março, 2013
Poesia e Arquitetura: Constatações / Ozino Esteván, © Thiago Braga
© Thiago Braga

Não tem mais valor já a palavra
Não tem mais memória já as pessoas
Tudo necessita confirmar-se

Não têm palavra já as pessoas
Não tem valor já a memória
Tudo já não vale nada

Não têm valor já as pessoas
Não têm memória já as palavras

Poesia e Arquitetura: Largo / Carlos Nóbrega

14:00 - 27 Fevereiro, 2013
Poesia e Arquitetura: Largo / Carlos Nóbrega, © Thiago Braga
© Thiago Braga

Gostaria que não tivesses nome
e se o tivesses, não fosse de homem,
fosse de Vento: Praça de Sonho.

Não precisava haver em ti
nenhum relógio, nenhuma lâmpada,
nenhuma lógica. Fonte nenhuma.

Existirias sem nada disso.
Tinhas que ser,
és o que és,
Existirias

(o que se fixa
no olhar disperso
dos transeuntes

é o que se altera
no olhar transverso
dos que te habitam).

Existirias porque teus loucos te criariam
e não fossem eles
o homem comum te sonharia;

existirias porque tuas putas te sonhariam
e não sendo elas
as que são santas te criariam;

e se não fosses o púlpito
para os alucinados de Deus,
uma confraria de ateus te fundaria.

E se os teus velhos não tivessem em teus bancos
o ardor dos colegiais,
e as anciãs não vagueassem por ti
lambuzadas de cosméticos,
jovens desesperadas
em tuas árvores armariam suas forcas,
e te edificariam com seus atos.

E se os apressados não reduzissem os passos
ao te cruzar
os mutilados se apressariam em te criar.
Os mendigos o fariam, ou os viciados,
ou os homens ricos, ou este vira-latas.
No entanto tu és a construção inacabada
do dia-a-dia
que mãos opostas edificam em mutirão.

E se ninguém, nem mesmo o Mito,
te tivesse criado,
eu te criaria, pois sou um pouco de todos
os que pulsam em ti.
E se não posso cantar o mundo,
te canto, ó praça dos boticários,
ó praça das rameiras
dos estrangeiros
das balconistas
das crianças perdidas
dos deserdados
das bem sucedidas
dos desocupados
das bêbadas
dos que se irradiam,
Ó praça do mundo inteiro.

Há um relâmpago
sobre ti que não se apaga,
que vem dos vivos
do olhar dos vivos
da voz dos vivos
e das suas almas.
És o que és
Praça da Luz
o espaço que alforria
as peles de toda cor
E todos os que estão em ti
ardem do que são
os pequenos ladrões
as grandes ladras
os cafetões e as namoradas
com seus olhares enigmáticos
os gazeadores
os artistas sem ribalta
as gordas e magras
os anjos caídos
as moças grávidas
os avarentos
os demagogos
os apostadores
todas as mágicas
todos os mágicos
mestres da vida
E esta menina em laços de fita
dando milho aos pombos,
que é teu monumento
Te quero sempre assim incompreensível
ó Praça
Sempre assim à beira do delírio.

Poesia e Arquitetura: O Pequeno Príncipe, capítulo XXI / Antoine de Saint-Exupéry

09:30 - 14 Janeiro, 2013
Poesia e Arquitetura: O Pequeno Príncipe, capítulo XXI / Antoine de Saint-Exupéry, © flickr Lee Cannon
© flickr Lee Cannon

Poesia e Arquitetura: Blue / Jorge Teillier

08:30 - 3 Janeiro, 2013
Poesia e Arquitetura: Blue / Jorge Teillier, © flickr Mikko Itälahti
© flickr Mikko Itälahti

Verei novos rostos
Verei novos dias
Serei esquecido
Terei recordos
Verei sair o sol quando sai o sol
Verei cair a chuva quando chove
Passearei sem assunto
De um lado a outro
Entediarei meio mundo
Contanto a mesma história
Sentarei a escrever uma carta
Que não me interessa enviar
Ou a olhar as crianças
Nos parques de jogo

Sempre chegarei à mesma ponte
A olhar o mesmo rio
Irei ver filmes tontos
Abrirei os braços para abraçar o vazio
Tomarei vinho se me oferecem vinho
Tomarei água se me oferecem água
E me enganarei dizendo:
“Virão novos rostos
Virão novos dias”.

Poesia e Arquitetura: Igual-Desigual / Carlos Drummond de Andrade

14:00 - 31 Outubro, 2012
Poesia e Arquitetura: Igual-Desigual / Carlos Drummond de Andrade, © flickr Eliel Freitas Jr
© flickr Eliel Freitas Jr

Eu desconfiava:
todas as histórias em quadrinho são iguais.
Todos os filmes norte-americanos são iguais.
Todos os filmes de todos os países são iguais.
Todos os best-sellers são iguais.
Todos os campeonatos nacionais e internacionais de futebol são
iguais.
Todos os partidos políticos
são iguais.
Todas as mulheres que andam na moda
são iguais.
Todas as experiências de sexo
são iguais.
Todos os sonetos, gazéis, virelais, sextinas e rondós são iguais
e todos, todos
os poemas em verso livre são enfadonhamente iguais.

Todas as guerras do mundo são iguais.
Todas as fomes são iguais.
Todos os amores, iguais iguais iguais.
Iguais todos os rompimentos.
A morte é igualíssima.
Todas as criações da natureza são iguais.
Todas as ações, cruéis, piedosas ou indiferentes, são iguais.
Contudo, o homem não é igual a nenhum outro homem, bicho ou
coisa.
Não é igual a nada.
Todo ser humano é um estranho
ímpar.

Poesia e Arquitetura: Altazor, Canto III / Vicente Huidobro

14:00 - 17 Outubro, 2012
Poesia e Arquitetura: Altazor, Canto III / Vicente Huidobro, "A vida é uma viagem em paraquedas e não o que tu queres crer."
"A vida é uma viagem em paraquedas e não o que tu queres crer."

Basta senhora arpa das belas imagens
Dos furtivos comos iluminados
Outra coisa outra coisa buscamos
Sabemos pousar um beijo como um olhar
Plantar olhares como árvores
Enjaular árvores como pássaros
Regar pássaros como heliotrópios
Tocar um heliotrópio como uma música
Esvaziar uma música como um saco
Degolar um saco como um pingüim
Cultivar pingüins como vinhedos
Ordenhar um vinhedo como uma vaca
Desarvorar vacas como veleiros
Pentear um veleiro como um cometa
Desembarcar cometas como turistas
Enfeitiçar turistas como serpentes
Colher serpentes como amêndoas
Despir uma amêndoa como um atleta
Lenhar atletas como ciprestes
Iluminar ciprestes como faróis
Aninhar faróis como calhandras
Exalar calhandras como suspiros
Bordar suspiros como sedas
Derramar sedas como rios
Tremular um rio como uma bandeira
Desplumar uma bandeira como um galo
Apagar um galo como um incêndio
Vogar em incêndios como em mares
Segar mares como trigais
Repicar trigais como campanas
Dessangrar campanas como cordeiros
Desenhar cordeiros como sorrisos
Engarrafar sorrisos como licores
Engastar licores como jóias
Eletrizar joias como crepúsculos
Tripular crepúsculos como navios
Descalçar um navio como um rei
Pendurar um rei como auroras
Crucificar auroras como profetas
Etc, etc, etc.
Basta senhor violino afundado num ola ola
Cotidiana onda de religião miséria
De sonho em sonho possessão de pedrarias

Poesia e Arquitetura: Indolente / Raymond Carver

14:00 - 26 Setembro, 2012
Poesia e Arquitetura: Indolente / Raymond Carver, © flickr Avius Quovis
© flickr Avius Quovis

As pessoas que eram melhores que nós estavam confortáveis.
Elas viviam em casas pintadas com vasos sanitários.
Dirigiam carros cujo ano e marca eram reconhecíveis.
Os que eram piores eram pesarosos e não trabalhavam.
Seus carros estranhos ficavam em pátios empoeirados.
Os anos passam e tudo e todos são substituídos.
Mas uma coisa ainda é certa: Eu nunca gostei de trabalhar.
Minha aspiração era sempre ser indolente.
Eu via o mérito nisso.
Eu gostava da ideia de sentar numa cadeira em frente à sua casa por horas,
fazendo nada mais que usar um chapéu e beber coca-cola.
O que há de errado nisso?
Fumando um cigarro de vez em quando.
Cuspir.
Fazer coisas de madeira com uma faca.
Onde está o dano aí?
Às vezes chamar os cães a caçar coelhos.
Experimente isso algum dia. Alguma vez acenar a um menino gordo e louro como eu e dizer,
‘Eu não te conheço?’
E não, ‘O que você vai ser quando crescer?’

Poesia e Arquitetura: Quero me perder / César Vallejo

14:00 - 19 Setembro, 2012
Poesia e Arquitetura: Quero me perder / César Vallejo, © flickr benoit.deckmyn
© flickr benoit.deckmyn

Poesia e Arquitetura: No Bosque / Friedrich Hölderlin

14:00 - 12 Setembro, 2012
Poesia e Arquitetura: No Bosque / Friedrich Hölderlin, © flickr g_kovacs
© flickr g_kovacs

Mas é que em choças habita o homem, e se cobre
de envergonhados indumentos, pois também ele tem sua
intimidade e atenção; e do fato que ele se deva ao espírito,
assim como faz a sacerdotisa com o fogo divino,
isto é o que constitui seu entendimento.

E por isso que carece de arbitrariedade e de
uma força superior, e para cumprir com os divinos
lhe foi designado ao homem o mais perigoso dos bens,
a linguagem, para que o homem ao criar, destruir e
decair, retorne desde aquele à mãe e mestra eterna,
e para que produza o que a ele haja sido legado desde esta,
o seu mais divino, que aprenda dela
a forma do amor que todo sustenta.

Poesia e Arquitetura: Primeiro Poema / Hugo Mujica

14:00 - 5 Setembro, 2012
Poesia e Arquitetura: Primeiro Poema / Hugo Mujica, © flickr Gustavo McNair
© flickr Gustavo McNair

Se põe o sol atrás da janela da cozinha.
O chá está quase pronto.

Poesia e Arquitetura: Preciosa e o Ar / Federico García Lorca

15:00 - 24 Julho, 2012
Poesia e Arquitetura: Preciosa e o Ar / Federico García Lorca, © flickr ecstaticist
© flickr ecstaticist

Sua lua de pergaminho
Preciosa tocando vem,
por um anfíbio sendeiro
de cristais e louros.
O silêncio sem estrelas,
fugindo do sonsonete,
cai onde o mar bate e canta
sua noite cheia de peixes.
Nos picos da serra
os soldados dormem
guardando as brancas torres
onde vivem os ingleses.
E os ciganos da água
levantam para se distrair,
coretos de caracóis
e ramos de pinho verde.

Sua lua de pergaminho
Preciosa tocando vem.
Ao vê-la se levantou
o vento, que nunca dorme.
São Cristóvão nu,
cheio de línguas celestes,
olha a menina tocando
uma doce gaita ausente.

Menina, deixa que levante
teu vestido para ver-te.
Abre em meus dedos antigos
a rosa azul do teu ventre.

Preciosa solta o pandeiro
e corre sem deter-se.
O vento-homão a persegue
com uma espada quente.

Franze seu rumor o mar.
As oliveiras empalidecem.
Cantam as flautas de umbría
e o liso gongo da neve.

Preciosa, corre, Preciosa,
que te pega o vento verde!
Preciosa, corre, Preciosa!
Olha-o por onde vem!
Sátiro de estrelas baixas
com suas línguas reluzentes.

Preciosa, cheia de medo,
entra na casa que tem
mais em cima dos pinhos,
o cônsul dos ingleses.

Assustados pelos gritos
três soldados vêm,
suas negras capas justas
e os chapéus nas sobrancelhas.

O inglês da à cigana
um copo de leite morno,
e uma taça de genebra
que Preciosa não bebe.

E enquanto conta, chorando,
sua aventura àquela gente,
nas telhas de barro
o vento, furioso, morde.

Poesia e Arquitetura: Pedra Negra sobre uma Pedra Branca / César Vallejo

15:00 - 17 Julho, 2012
Poesia e Arquitetura: Pedra Negra sobre uma Pedra Branca / César Vallejo, © flickr Shemer
© flickr Shemer

Morrerei em Paris com aguaceiro,
um dia do qual tenho já o recordo,
Morrerei em Paris –e não corro–
talvez uma quinta, como é hoje, de outono.

Quinta será, porque hoje, quinta, que proso
estes versos, os úmeros me pus
a la mala e, jamais como hoje, voltei,
com todo meu caminho, a me ver só.

César Vallejo morreu, lhe batiam
todos sem que ele lhes faça nada;
lhe davam duro com um pau e duro

também com uma soga; são testemunhos
as quintas-feiras e os ossos úmeros,
a solidão, a chuva, os caminhos…

Poesia e Arquitetura: Possessão do ontem / Jorge Luis Borges

14:00 - 5 Junho, 2012
Poesia e Arquitetura: Possessão do ontem / Jorge Luis Borges, © flickr MIKKO ITÄLAHTI
© flickr MIKKO ITÄLAHTI

Sei que perdi tantas coisas que não poderia contá-las
e que essas perdições, agora, são o que é meu.
Sei que perdi o amarelo e o negro
e penso nessas impossíveis cores
como não pensam os que veem.

Meu pai morreu e está sempre ao meu lado.
Quando quero escandir versos de Swinburne,
o faço, me dizem, com sua voz.
Só o que morreu é nosso,
só é nosso o que perdemos.

Ílion foi, porém Ílion perdura no hexâmetro que a plange.
Israel foi quando era uma antiga nostalgia.
Todo poema, com o tempo, é uma elegia.

Nossas são as mulheres que nos deixaram,
já não sujeitos à véspera, que é soçobra,
e aos alarmes e terrores da esperança.