Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Migration

Migration: O mais recente de arquitetura e notícia

Maidan Tent: uma resposta arquitetônica para a crise de refugiados na Europa

Nos últimos dois anos, mais de um milhão de pessoas fugiram do conflito sírio para se refugiar na Europa, testando exaustivamente a capacidade do continente de responder a uma crise humanitária em grande escala. Com a crise de refugiados síria ainda não resolvida, e campos de refugiados temporários agora firmemente estabelecidos nas fronteiras da Europa, arquitetos e designers dedicam energia para melhorar as condições de vida das pessoas que fogem da guerra e da perseguição.

Um exemplo emergente de arquitetura humanitária é a Maidan Tent, um centro social a ser construído em um campo de refugiados em Ritsona, Grécia. Liderado por dois jovens arquitetos, Bonaventura Visconti di Modrone e Leo Bettini Oberkalmsteiner, e com o apoio da Organização Internacional das Nações Unidas para Migrações, Maidan Tent permitirá que os refugiados se beneficiem do espaço público interno - uma área comunal para descontrair o trauma psicológico induzido pela guerra , perseguição e migração forçada.

© Filippo Bolognese © Filippo Bolognese © Simon Kirchner © Delfino Sisto Legnani + 25

Saskia Sassen, Krister Lindstedt e Mimi Hoang falam sobre arquitetura e processos migratórios

Na conferência reSITE deste ano, que aconteceu em Praga, os palestrantes de diversas partes do globo buscaram apresentar diferentes perspectivas sobre os desafios em torno da migração, explorando tópicos que iam da economia ao planejamento urbano e arquitetura. No entanto, como podemos ver nas apresentações a seguir, migração é um tópico que requer interrogações em muitas diferentes escalas e contextos: do foco na economia global oferecido por Saskia Sassen em sua palestra de abertura, aos desafios de projetar micro-apartamentos, mostrados por Mimi Hoang do nArchitects, e o caso usual apresentado por Krister Lindstedt do White Arkitekter, quando a migração ocorre não por algumas pessoas em particular, mas por uma cidade inteira.

Proposal for Kiruna town square. Image Cortesia de Kjellander + Sjöberg Carmel Place. Image © Field Condition Interior of a micro-apartment at Carmel Place. Image © Pablo Enriquez Proposal for a neighborhood in Kiruna. Image © White Arkitekter + 5

Como a imigração definirá o futuro da arquitetura e do urbanismo

Quando começamos a conversar sobre a imigração [como um tema da conferência], todo mundo disse: 'não façam isso, é muito controverso'. Mas nós respondemos que era exatamente por isso que iríamos fazer.

Com esta atitude desafiadora foi como Martin Barry, presidente da reSITE, abriu a Conferência 2016 em Praga há três semanas. Intitulada "Cidades de Migração", a conferência apareceu em um contexto de incontáveis e difíceis questões políticas relacionadas à migração. Na Europa, o desdobramento da crise de refugiados sírios mantém tensas ambas relações políticas e raciais em todo o continente; na América, o candidato presidencial republicano Donald Trump criou uma reação instintiva populista contra os mexicanos e muçulmanos; e no Reino Unido - um país na consciência da maioria dos participantes no momento- a decisão em favor do "Brexit", uma semana após a conferência, foi em grande parte baseada na ideia de limitar a imigração não só dos sírios, mas também dos cidadãos europeus de outros países menos ricos da UE.

Na arquitetura, tais questões foram destacadas este ano pela Bienal de Veneza de Alejandro Aravena, com arquitetos "Reporting from the Front" as batalhas e desafios muitas vezes relacionados com a imigração. Desde os campos de refugiados até as favelas para as crises de habitação em cidades globais ricas, a mensagem é clara: a imigração é um tema que os arquitetos devem entender e responder. Como resultado, as lições compartilhadas durante o intensivo evento de dois dias do reSITE sem dúvida serão de valor inestimável para a profissão da arquitetura.