i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. Gentrificação: os perigos da economia urbana hipster

Gentrificação: os perigos da economia urbana hipster

  • 15:00 - 30 Novembro, 2014
  • por Sarah Kendzior
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Gentrificação: os perigos da economia urbana hipster
Gentrificação: os perigos da economia urbana hipster, Intervenção artística "Psychylustro". Imagem © Knight Foundation [Flickr]
Intervenção artística "Psychylustro". Imagem © Knight Foundation [Flickr]

Nesse artigo, publicado originalmente em Al Jazeera como "The peril of hipster economics", a escritora e pesquisadora estadunidense Sarah Kendzior escreve que a deterioração urbana em alguns bairros das principais cidades do mundo se converteu lamentavelmente em um conjunto de peças urbanas a serem "remodeladas ou idealizadas" pela gentrificação.

Segundo a autora, estes bairros - carregados de uma estética atrativa nostálgica e de uma enriquecedora "vida urbana" - estimulam a chegada de novos residentes de alto padrão que procuram esse estilo de vida em bairros historicamente associados as populações marginais - carentes de serviços públicos e oportunidades de trabalho -, que acabam sendo removidas para subúrbios pobres.

"Querem mudar uma memória que outros já construíram. Isto é a economia hipster", afirma Sarah.

Leia o artigo a seguir.

Intervenção artística "Psychylustro". Imagem © Knight Foundation [Flickr]
Intervenção artística "Psychylustro". Imagem © Knight Foundation [Flickr]

No dia 16 de maio uma artista, um serviço ferroviário e uma agência governamental gastaram 291.978 dólares para camuflar a pobreza aos olhos do público. 

Intitulado psychylustro, o projeto da artista alemã Katharina Grosse é um trabalho em grande escala desenhado para distrair os passageiros da companhia estadunidense Amtrak das dilapidadas construções e indústrias fechadas ao norte da cidade de Philadelphia (Pennsylvania - EUA). A cidade possui um índice de pobreza de 28% - o mais alto entre as principais cidades dos Estados Unidos - com grande parte dele concentrado no norte. Em algumas escolas básicas de North Philadelphiaquase todas as crianças vivem abaixo da linha de pobreza.

Grosse associou-se ao Fundo Nacional de Artes e a Amtrak para mascarar os infortúnios de North Philadelphia com uma deliciosa vista. O jornal estadunidense The Wall Street Journal chama isto de "lutar com arte contra a deterioração urbana". Liz Thomas, o curador do projeto,  o definiu como "uma experiência que convida as pessoas a pensar sobre este espaço que elas enfrentam todos os dias".

É óbvio que este projeto não está lutando realmente contra a deterioração urbana, mas apenas contra a capacidade dos passageiros de observá-la.

"Necessito do brilho da cor para aproximar as pessoas, para estimular um sentido de experiência de vida e aumentar a sensação de presença", afirma Grosse.

As pessoas segundo a justificativa de Grosse e Thomas, não seriam aqueles que, de fato, vivem em North Philadelphia e suportam o peso das suas próprias cargas. As pessoas são aquelas que podem permitir-se o luxo de ver a pobreza através da lente da estética, à medida que passam por ela.

Então, a deterioração urbana converte-se em um conjunto de peças a serem remodeladas ou idealizadas. Isto é a economia hipster. 

Afluxo de hipsters

© sookie [Flickr]
© sookie [Flickr]

Em fevereiro de 2014, o diretor Spike Lee fez uma apaixonada crítica sobre a gentrificação de Nova Iorque - caracterizada com desprezo pelos meios de comunicação estadunidenses como um discurso retórico. Lee argumenta que um fluxo dos "malditos hipsters" fez com que os aluguéis subissem na maioria dos bairros da cidade, e por sua vez, expulsaram as comunidades afro-americanas do lugar que uma vez chamaram de lar. Na sua crítica, Lee apontou como na cidade aqueles serviços - ruins e desativados por um longo tempo - repentinamente reapareceram:

"Por que é necessário um fluxo de novaiorquinos brancos no sul de Bronx, Harlem, Bed Stuy e em Crown Heights para que os serviços melhorem? O lixo não era recolhido todos os dias quando eu vivia no 165, Washigton Park [...]. Então, por que este afluxo de pessoas brancas é necessário para existirem melhores escolas? Por que agora existe mais proteção policial em Bed Stuy e Harlem? Por que o lixo está sendo recolhido mais regularmente? (Sempre) estivemos aqui!

Spike Lee foi julgado por muitos críticos da cultura hipster (hipster-bashing), incluindo o professor afro-americano John McWhorter, que afirmou que "hipster" é uma "maneira disfarçada de dizer 'honkey'" (um modo ofensivo de chamar a população estadunidense branca) e comparou Lee com o personagem televisivo George Jefferson, por sua hostilidade aberta aos brancos.

Estes, que se concentram na gentrificação como uma cultura, ignoram que as declarações de Lee foram uma crítica da localização racista dos recursos. As comunidades afro-americanas, que se queixam das escolas pobres e dos serviços públicos terríveis, percebem que estas queixas são rapidamente ouvidas quando pessoas de renda mais alta se mudam para esses bairros.

Enquanto isso, os residentes mais antigos são tratados como impurezas na paisagem e abordados pela polícia por incomodar os recém chegados. 

"Não se preocupe, é só gentrificação". Imagem © Sebastian Thiele [Flickr]
"Não se preocupe, é só gentrificação". Imagem © Sebastian Thiele [Flickr]

Os gentrificadores focam na estética, não nas pessoas. Porque as pessoas, para eles, são a estética.

Os defensores da gentrificação atestam suas intenções ao afirmar que "limparam o bairro". Os problemas que existiram no local (pobreza, falta de oportunidades, pessoas que lutam por serviços públicos negados) não desapareceram. Simplesmente foram deslocados para um novo local. 

Este novo lugar é geralmente um subúrbio pobre, que carece de glamour para converter-se no objeto de futuras tentativas de renovação urbana. Não existe uma história para atrair os conservacionistas, porque não existe nada nos subúrbios pobres que valha a pena preservar. Isto é degradação sem beleza, ruína sem romantismo: casas de penhores, lojinhas, compra de dólares, moradias modestas e contas vencidas. Nos subúrbios a pobreza parece banal e é esquecida.

Nas cidades, os gentrificadores têm a influência política para relocar recursos e reparar a infraestrutura. O bairro é 'limpo" através da remoção dos seus residentes originais. Os gentrificadores podem desfrutar o sol na "vida urbana": a dilatada história, a nostalgia seletiva, a areia cuidadosamente salpicada. Ao mesmo tempo, evitam a responsabilidade sobre aqueles que foram deslocados.

Os hipsters querem escombros com garantia de renovação. Querem mudar uma memória que outros já construíram.

Subúrbios empobrecidos

Renovação urbana no bairro deteriorado de Somerset, Canadá. Imagem © steve [Flickr]
Renovação urbana no bairro deteriorado de Somerset, Canadá. Imagem © steve [Flickr]

Em uma profunda análise de deslocamentos em San Francisco e seus crescentes subúrbios empobrecidos, o jornalista Adam Hudson afirma que "a gentrificação é uma economia de gotejamento aplicada ao desenvolvimento urbano:a medida que um bairro é adequado às pessoas ricas e predominantemente brancas, os benefícios se espalham a todos os demais". Como a economia de gotejamento, esta teoria não é levada a cabo na prática.

As cidades ricas como Nova Iorque e São Francisco converteram-se no que o jornalista Simon Kuper chama de cidades cercadas (gated citadels): "vastas cidades cercadas onde se reproduz um porcento".

As cidades do centro e do noroeste dos Estados Unidos precisam de investimento dos seus conterrâneos costeiros, mas, por sua vez, livraram-se do rápido avanço da economia hipster. Amortecidas por sua eterna pouca inovação vanguardista, estas cidades de mudança lenta têm a possibilidade de tomar melhores decisões. Decisões que valorizem as vidas das pessoas em vez da estética do lugar. 

Em um post publicado em abril de 2014, Umar Lee - escritor de St. Louis (Missouri, EUA) e taxista - lamentou o modelo econômico de serviços de baixos custos que tentaram se estabelecer na cidade. Notando que afetam não somente os taxistas, mas também os residentes pobres que não possuem nenhum automóvel nem transporte público e dependem dos táxis que estão dispostos à atender bairros perigosos, ele rejeita aqueles que se fazem passar por inovadores.

"Escutei vários jovens hipsters dizendo que são liberais no social e conservadores no econômico, uma popular tendência na política estadunidense", escreve. "Bem, odeio romper (esta ideia), amigo, mas é a economia e o papel do Estado que definem a política. Se és economicamente conservador, independentemente de quão irônico e sarcástico possas ser ou o quão apertados sejam teus jeans, tu, meu amigo, és conservador..."

Umar Lee me contou que tem seu próprio plano para tentar atenuar os efeitos negativos da gentrificação, o qual denomina de "50-50-20-15": todos os empregadores que iniciem negócios em bairros gentrificados devem ter uma força laboral que está composta, ao menos, de 50% provenientes de minorias étnicas, 50% de residentes do bairro e 20% de ex-presidiários. Os empregadores devem pagar pelo menos 15 dólares por hora.

A gentrificação propaga o mito da incompetência nativa: essa gente precisa ser importada para ser importante; e que um sinal do "êxito" do bairro é a remoção dos seus residentes mais pobres. O êxito real está em oferecer àqueles residentes os serviços e oportunidades que por tanto tempo lhes foram negados.

Quando os bairros experimentam certo desenvolvimento comercial, a prioridade dos trabalhos deve ser dirigida aos residentes locais que lutaram longamente para encontrar empregos próximos que paguem um salário digno.

Nos deixem aprender com os erros de Nova Iorque e San Francisco, e construir cidades que reflitam mais que apenas valores superficiais. 

Cita: Kendzior, Sarah. "Gentrificação: os perigos da economia urbana hipster" [Gentrificación: los peligros de la economía urbana hípster] 30 Nov 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/758003/gentrificacao-os-perigos-da-economia-urbana-hipster>
Ler comentários