Edifício tríptico / Mariela Marchisio + Cristián Nanzer + Germán Margherit

Edifício tríptico / Mariela Marchisio + Cristián Nanzer + Germán Margherit

© Gonzalo Viramonte© Gonzalo Viramonte© Gonzalo Viramonte© Gonzalo Viramonte+ 34

  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  514
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fotógrafo Fotografias:  Gonzalo Viramonte
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Aluvicor, AutoDesk, Fabián Aimar e Hijos, Hormi – Block S. A., Trimble Navigation
  • Arquitetos Responsáveis:Mariela Marchisio, Cristián Nanzer, Germán Margherit
  • Cálculo Estrutural:Edgard Morán
  • Construtor:Adrián Molina, S. Heredia
  • Serralheria:Luis Herrera, Diego Herrera
  • Cidade:Córdoba
  • País:Argentina
Mais informaçõesMenos informações
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte

Descrição enviada pela equipe de projeto. Tríptico: 1 terreno, 3 casas, diversos espaços para diferentes tempos. O edifício é um ensaio de micro-densidade de 3 casas/estúdios emparelhados, em um lote convencional no bairro Ducasse, na periferia norte da área central da cidade de Córdoba, muito próximo ao Rio Suquía e ao Parque Las Heras, uma região tradicionalmente comercial ligada à venda de peças de reposição e suprimentos para veículos de todos os tipos, e que hoje se encontra em meio a uma transformação urbana.

© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte

O lote onde está localizada a construção tem 10m de frente e 25,70m de profundidade, ou seja, trata-se de um pequeno e típico lote de vizinhança entre empenas. O conceito tipológico do projeto é baseado em três casas verticais, não sobrepostas, mas conectadas umas às outras ao longo de seus limites laterais, todas com ventilação dupla, com garagens coletivas, pátios e varandas particulares e um terraço comunitário para recreação. As plantas das casas têm uma largura muito pequena, de 3,13 m, em sua dimensão interna, que é compensada pelo seu grande desenvolvimento longitudinal de 18 m. A estrutura de concreto armado determina tanto a largura quanto a largura da construção, além da expressividade do edifício e o caráter tipológico do conjunto, de modo que a divisão de usos é dada pelos diferentes níveis articulados pelo sistema de escadas de cada unidade, desde o zero até a cobertura. A verticalidade da tipologia permite dispensar as divisórias internas, que podem ser montadas, se necessário, a pedido dos usuários, ou substituídas por móveis.

© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
Planta Térreo
Planta Térreo
Corte Logitudinal
Corte Logitudinal
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
Axonométrica
Axonométrica
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte

O projeto é concebido a partir do corte, com uma distribuição incomum para a lógica de uma casa convencional, pois o espaço de estudo/trabalho está localizado no térreo, em relação direta com o acesso e com um pequeno pátio, que em alguns casos funciona como uma possível área de lazer infantil ou área esporádica para churrasco; no segundo nível está o espaço para dois possíveis suítes, mas também adaptável como um local de trabalho se a modalidade de uso assim o exigir. No terceiro nível, com pé direito duplo, está o espaço de estar, cozinha e lazer, com varandas e acesso ao terraço superior, que serve como pátio comum do complexo, com vistas do horizonte do centro da cidade e, a oeste, das serras ao longe.

© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
Planta Segundo Pavimento
Planta Segundo Pavimento
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte

Quatro divisórias longitudinais de concreto com quatro níveis de altura definem a organização dos três espaços verticais de cada unidade. Na fachada, uma viga invertida com um vão de 10 metros, de empena a empena, permite que uma parte das duas divisórias centrais não toque o chão, liberando assim o espaço reservado para as 3 garagens e o hall, criando um espaço aberto na entrada; este espaço, quando os veículos são retirados, torna-se um espaço para eventos sociais esporádicos para os moradores do conjunto.

© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte

A fachada norte foi construída a partir de uma estrutura metálica com malha de arame galvanizado, que é revestida com espécies de trepadeiras que crescem a partir de uma jardineira de concreto armado, aproveitando a viga invertida de 10 metros de comprimento da fachada. Todo o edifício é um ensaio tipológico sobre a densificação em uma área degradada do bairro, mas com uma localização estratégica em relação aos serviços do centro da cidade e do parque linear do rio Suquía. Um edifício que não nega algumas referências japonesas revisitadas, como as belas casas da Waro Kishi em Tóquio, com olhos inclinados e um tom cordovês.

© Gonzalo Viramonte
© Gonzalo Viramonte

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Córdoba, Argentina

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Edifício tríptico / Mariela Marchisio + Cristián Nanzer + Germán Margherit" [Edificio tríptico / Mariela Marchisio + Cristián Nanzer + Germán Margherit] 15 Set 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/968332/edificio-triptico-mariela-marchisio-plus-cristian-nanzer-plus-german-margherit> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.