Casa Etérea / Prashant Ashoka

Casa Etérea / Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Cortesía de Prashant AshokaCortesía de Prashant AshokaCortesía de Prashant AshokaCortesía de Prashant Ashoka+ 19

San Miguel de Allende, México
  • Arquitetos: Prashant Ashoka
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  75
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2020
  • Desenho De Vidro E Espelho:Oskar Chertudi Maya
  • Desenho De Piscina E Solário:Antonio Santana
  • Cidade:San Miguel de Allende
  • País:México
Mais informaçõesMenos informações
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Descrição enviada pela equipe de projeto. Concebida pelo escritor e designer cingapuriano baseado no México Prashant Ashoka como um refúgio para dois fora da cidade, a Casa Etérea é uma residência de 75 metros quadrados que extrai toda sua energia da energia solar. Seu fornecimento vem da coleta da água da chuva; e utiliza um revestimento ultravioleta estampado no espelho que a torna visível aos pássaros enquanto permanece reflexiva ao olho humano.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

"A ideia era criar um teatro para a natureza", explica Ashoka, "por isso a sustentabilidade foi crucial para estabelecer uma integração verdadeiramente completa com o meio ambiente".

Trabalhando com a intenção de manter a paisagem intacta, a fundação da casa foi construída inteiramente de rocha coletada na montanha. E ao se valer da orientação do terreno, de um projeto de ventilação eficiente e do vidro isolante, a casa regula naturalmente a temperatura no clima semi-árido do deserto do planalto central mexicano.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

O conceito da planta aberta consiste em dois volumes retilíneos que se fundem em uma interseção em forma de V de 120 graus, estabelecendo um ângulo visível através da ducha de vidro exposta.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Na sala de estar central e no quarto, as portas de vidro deslizantes de chão a teto emolduram a vista das montanhas, e ao mesmo tempo se abrem para se conectar a um pátio e à área da piscina sombreada por oliveiras e romãzeiras. Atrás da cozinha íntima, uma escada de acesso à cobertura funciona como uma lavanderia, e brises de PVC externos controlados remotamente foram adicionados para segurança e privacidade.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

No interior, vigas de teto aparentes e paredes de concreto celebram o processo de construção, enquanto uma combinação de materiais como juta, couro, madeira e pedra, dá continuidade à estética natural dos móveis, incluindo uma banheira de cobre ao lado da cama.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Fortemente inspirada pelo conceito de "arquitetura emocional", cunhado pelo arquiteto mexicano Luis Barragán e pelo escultor e pintor Mathias Goéritz, a Casa Etérea consegue esta ressonância sensorial mais profunda através do uso de painéis externos espelhados para criar uma experiência visualmente abstrata e interativa. A fachada espelhada difunde o limite entre o selvagem e o estruturado, permitindo ao mesmo tempo que o volume assuma uma qualidade transitória ao refletir a passagem das estações.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Ao captar a primeira luz da manhã, a casa brilha como uma caixa fosforescente tingida de azul, em contraste com a escuridão noturna da encosta da montanha à noite. E nos tons sombrios do crepúsculo, o volume cintila contra a paisagem como uma miragem, antes de desaparecer por completo: seus limites estruturais nunca tentam alterar o ambiente em que se encontra.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Aludindo a esta qualidade do edifício, o nome "Etérea" sugere uma visão nebulosa e de outro mundo. Tanto visualmente quanto funcionalmente, o projeto assume a arquitetura como uma instalação de arte site-specific e como uma extensão do ambiente.

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Ao criar um diálogo recíproco entre o edifício e seu terreno, Ashoka diz: "A luz se torna um elemento estrutural deste projeto, distorcendo a perspectiva de onde começa o espectador e termina a paisagem. Eu queria que esta interação de luz e escala evocasse um profundo senso de admiração pela natureza e levantasse questões sobre nosso papel como administradores na preservação de nossos ecossistemas."

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

À medida que mais viajantes buscam experiências remotas em meio a preocupações de distanciamento social, os espaços também têm a oportunidade de evoluir para inspirar uma reflexão mais profunda a respeito de nossa relação com a natureza.

De acordo com a Ashoka, tais acomodações isoladas têm o poder de nos fazer olhar para dentro: "Estes tempos nos tornaram muito conscientes de nossa interdependência com nosso ambiente. E os refúgios em lugares remotos podem nos proporcionar uma tranquilidade incomum e a oportunidade de fazer a ponte entre nós e o mundo natural."

Cortesía de Prashant Ashoka
Cortesía de Prashant Ashoka

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Cita: "Casa Etérea / Prashant Ashoka" [Casa Etérea / Prashant Ashoka] 20 Fev 2021. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/956844/casa-eterea-prashant-ashoka> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.