Museu Cantonal de Belas Artes / BAROZZI VEIGA

Museu Cantonal de Belas Artes / BAROZZI VEIGA

© Simon Menges© Simon Menges© Simon Menges© Simon Menges+ 39

Lausanne, Suíça
  • Arquitetos: BAROZZI VEIGA
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fotógrafo Fotografias:  Simon Menges
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Armstrong Ceilings, Interface, Knauf, AGB Holding, Astori Frères, BASWA acoustic, Bauwerk Parkett, Cinca, Clestra Hauserman, Creation Baumann, DURLUM, Dentan Frères, Design Composite GmbH, Dietrich isol AG, EMCH Ascenseurs, Erco, Eutrac, FRANKE, Forbo Flooring Systems, Hormann, +16
  • Arquitetos Encarregados:Fabrizio Barozzi , Alberto Veiga
  • Líder De Projeto:Pieter Janssens
  • Equipe De Projeto, Fase De Execução:Claire Afarian, Alicia Borchardt, Paola Calcavecchia, Marta Grządziel, Isabel Labrador, Miguel Pereira Vinagre, Cristina Porta, Laura Rodriguez, Arnau Sastre, Maria Ubach, Cecilia Vielba, Nelly Vitiello
  • Equipe De Projeto, Fase De Concurso:Roi Carrera, Shin Hye Kwang, Eleonora Maccari, Verena Recla, Agnieszka Samsel, Agnieszka Suchocka
  • Arquiteto Local:Fruehauf Henry & Viladoms
  • Gestão De Projeto:Pragma Partenaires SA
  • Engenharia Estrutural:INGENI SA
  • Engenharia De Serviços:BA Consluting SA
  • Consultor Fachada:X-made SLP
  • Consultor Iluminação:Matí AG
  • Especialistas Em Museus:BOGNER.CC
  • Cidade:Lausanne
  • País:Suíça
Mais informaçõesMenos informações
© Simon Menges
© Simon Menges

Descrição enviada pela equipe de projeto. Situado no centro da cidade, o projeto propõe um plano diretor para os três principais museus da cidade: o MCB-A Museu de Belas Artes, o MUDAC, Museu de Design Contemporâneo e Artes Aplicadas e o Musée de l'Elysée Museum de Fotografia. O novo Museu de Belas Artes está localizado no extremo sul do complexo, como um volume longitudinal monolítico, paralelo aos trilhos. Assim como a estação ferroviária, ele define um espaço urbano e o protege contra a perturbação dos trens. Abraçando esta condição, o Museu de Belas Artes, o maior dos três museus, carrega e expressa a memória do local, ecoando a condição industrial anterior do local com formas pragmáticas, geometria rigorosa e linhas duras.

© Simon Menges
© Simon Menges
Planta Urbana
Planta Urbana
© Simon Menges
© Simon Menges

A oportunidade de criar um vazio urbano levou à demolição de parte da sala de trens existente. No entanto, a preservação da memória de um lugarse faz através da preservação de fragmentos. De forma geral, o edifício é relativamente hermético, para proteger as coleções do museu e, portanto, tem uma fachada fechada e introvertida em relação aos trilhos no sul, e uma fachada mais aberta, permeável e animada ao norte. O térreo foi desenvolvido como uma extensão da praça pública e, portanto, abriga os principais programas sociais. Uma vez dentro do foyer, o fragmento preservado revela seu pleno papel como um componente estruturante substancial do novo MCBA. A complexidade do programa é resolvida de uma maneira muito simples e sintética. Cinco núcleos estruturam o programa em cada nível, mas eles também ajudam como elementos estruturais do edifício e conformam a volumetria do edifício.

© Simon Menges
© Simon Menges

O museu é organizado em três pavimentos conectados pelo vazio contínuo do salão que estrutura a circulação. No térreo estão todas as funções sociais do programa: lobby, livraria, restaurante, auditório e galeria temporária de arte contemporânea. A fachada neste nível é muito porosa, de modo que estas funções internas estão em continuidade com o espaço público fora da praça. Nos pavimentos superiores, em ambos os lados do foyer, estão organizados espaços de exposição. O edifício apresenta duas fachadas, uma opaca ao sul e outra mais aberta ao norte, em diálogo com a nova praça. A exposição à luz da fachada norte é minimizada pelas aletas verticais profundas entre as quais são pontuadas janelas grandes e altas. Essas aletas são projetadas para evitar que a luz solar direta entre nas áreas sensíveis à luz do edifício. O pavimento superior é iluminado naturalmente a partir de coberturas modulares voltadas para o norte, projetadas para filtrar e ajustar a luz solar. Essas coberturas têm um sistema de obturador interno para permitir um controle meticuloso da quantidade de luz que entra nas salas, bem como a possibilidade de uma atmosfera escura.

© Simon Menges
© Simon Menges
© Simon Menges
© Simon Menges

As fachadas de tijolos evocam a história industrial do local e oferecem uma textura, um padrão vibrante para o monólito. Na praça, o ritmo das persianas verticais quebra a massividade do monólito e revela as aberturas. À noite, as persianas servem de tela para difundir a luz que vem do museu, transformando a fachada na praça. A ideia fundamental do projeto urbano da praça é criar um espaço público ao ar livre em diálogo com os museus. Como os edifícios, integra fragmentos de seu passado industrial, os trilhos e a placa giratória.

© Simon Menges
© Simon Menges
Planta de Situação
Planta de Situação
© Simon Menges
© Simon Menges

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Lausanne, Suíça

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Museu Cantonal de Belas Artes / BAROZZI VEIGA" [Museo Cantonal de Bellas Artes / BAROZZI VEIGA] 26 Nov 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/951840/museu-cantonal-de-belas-artes-barozzi-veiga> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.