Casa Bumpers Oast / ACME

Casa Bumpers Oast / ACME
© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

© Jim Stephenson© Jim Stephenson© Jim Stephenson© Jim Stephenson+ 45

  • Arquitetos: ACME
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fotógrafo Fotografias:  Jim Stephenson
  • Design Team:Alia Centofanti, Nicholas Channon, Deena Fakhro, Catherine Hennessy, Katrina Hollis, Kevin Leung, Friedrich Ludewig, Lucy Moroney, Heidrun Schuhmann, Penny Sperbund
  • Structural Engineers :AKT
  • Planning Consultants:Barton Willmore
  • Mep:Furness Green Partnership
  • Building Control :Wilkinson Construction Consultants
  • Environmental Consultants :Etude
  • Contractor:Harry Barnes
  • Cidade:Kent
Mais informaçõesMenos informações
© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

Descrição enviada pela equipe de projeto. Embora seja uma estrutura genuinamente contemporânea, a Casa Bumpers Oast encontra-se profundamente enraizada na tradicional arquitetura vernacular do sudoeste da Inglaterra. A região de Kent, raramente chamada de Câncio, é uma das principais áreas de fabricação de cerveja no Reino Unido e por isso, a sua paisagem rural é dominada pela presença dos tradicionais fornos de formas cônicas utilizados para a secagem do lúpulo. As quatro torres revestidas em ladrilhos que compõe a estrutura da Casa parecem mimetizar-se à seu contexto específico com perfeição, dando forma a uma estrutura de baixo consumo energético e uma estética contemporânea arrojada. O projeto foi desenvolvido para uma família jovem que se mudou para Kent há mais de dez anos e desde então, sonhavam em comprar uma destas antigas estruturas e transformá-la em uma moderna residência familiar.

Cortesia de ACME
Cortesia de ACME
© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

A proposta apresentada pela ACME buscou inspiração nas tradicionais formas dos fornos utilizados para a secagem do lúpulo, dispondo suas torres de formas arredondadas levemente afastadas umas das outras; criando uma série de ângulos visuais e perspectivas tanto de dentro para fora quando entre os diversos volumes que compõe o programa da casa. As quatro torres que abrigam os espaços da casa convergem para um átrio central de pé-direito triplo que se abre para um pequeno pomar do lado de fora, transformando-se no coração da casa. A estrutura do edifício foi construída em estrutura de madeira maciça, sendo que os cones, que representam o segundo pavimento das torres, foram pré-fabricados e posteriormente montados no local.

© Jim Stephenson
© Jim Stephenson
Planta - térreo
Planta - térreo
© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

Os ladrilhos em diferentes tonalidades, típicos da cidade de Kent, foram utilizados para revestir a envoltória do edifício, passando lentamente do vermelho escuro na base para o laranja claro na parte mais alta da cobertura. Os ladrilhos foram produzidos de forma manual por artesãos locais e o trabalho de montagem das fachadas foi um dos principais desafios técnicos do projeto. Cada um dos mais de 41.000 ladrilhos foi produzido e instalado individualmente, criando um efeito singular e um resultado único.

© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

Interiormente, os volumes circulares foram revestidos em madeira compensada, formando uma superfície contínua na base das torres e criando um efeito de escama na parte superior dos telhados, evocando as características da própria arquitetura do edifício, definida pelos ladrilhos multicoloridos que revestem as fachadas da casa. A maior parte do mobiliário foi feito sob medida e embutido nas paredes curvas para aproveitar ao máximo o espaço útil da casa. A cozinha encontra-se no coração da casa, um espaço aconchegante onde a família passa a maior parte do tempo reunida. A madeira foi empregada no revestimento da cozinha também por criar uma sensação de intimidade e acolhimento, integrando seus espaços curvos e linhas orgânicas ao restante da estrutura da casa. A bancada foi executada em microcimento, permitindo obter uma superfície contínua que combina com o acabamento piso em concreto polido.

© Jim Stephenson
© Jim Stephenson
Corte A-A
Corte A-A
© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

Cada um dos quartos ocupa o seu próprio volume e foi dividido em diferentes níveis. Desta forma, o quarto das crianças conta com um playground próprio no térreo, um espaço que futuramente poderá ser adaptado em sala de estudos ou escritório. A suíte principal, por sua vez, conta com um amplo espaço de closet no nível superior, o qual se abre diretamente para o quarto do casal. Escadas helicoidais independentes fazem a conexão entre os espaços de convívio e as áreas íntimas individuais da casa. Os banheiros funcionam como uma série de nichos que posem ser acessados de forma autônoma, sem nenhuma divisão física no espaço. O microcimento foi utilizado em todas as áreas molhadas da casa, adaptando-se aos contornos pouco usuais do edifícios e construído um vínculo direto com a paleta de materiais utilizada nos outros espaços da casa.

© Jim Stephenson
© Jim Stephenson
© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

O banheiro do térreo foi revestido em um mosaico que azulejos redondos que ecoa as tonalidades do concreto. Como encontra-se voltado para o norte, foram utilizados acabamentos foscos e brilhantes para favorecer as condições de iluminação no espaço interior à partir do reflexo da luz indireta que penetra pela janela. De fato, todas as aberturas da casa encontra-se levemente recuadas do plano de fachada, aumentando a refração da luz que finalmente adentra os espaços interiores.

© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

Partindo de um amplo espaço aberto e integrado no térreo, os espaços íntimos individuais da casa podem ser acessado por uma série de escadas independentes. Os espaços de dormir encontram-se no primeiro pavimento e cada unidade-dormitório possui um acesso particular para um segundo nível superior próximo ao cone do telhado, dando forma a um edifício que é totalmente social no térreo, compartilhado no primeiro pavimento e mais introspectivo e isolado na parte mais alta, como uma tradicional casa na árvore. A sustentabilidade do edifício deriva principalmente de sua estrutura de madeira e da massiva camada de isolamento  embutida nas paredes da casa, afastando-se das corriqueiras estruturas de tijolo utilizadas para construir os tradicionais fornos que dominam a paisagem rural de Kent. 

© Jim Stephenson
© Jim Stephenson

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Escritório
Cita: "Casa Bumpers Oast / ACME" [Bumpers Oast House / ACME] 30 Mar 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/936282/casa-bumpers-oast-acme> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.