Cheng Dong · Uma cidade coerente / Sangu Design

Cheng Dong · Uma cidade coerente / Sangu Design

© Xiao Tan© Xiao Tan© Xiao Tan© Xiao Tan+ 28

  • Arquitetos: Sangu Design
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  1000
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2019
  • Fotógrafo Fotografias:  Xiao Tan
  • Diretor De Projeto:Teng Gu
  • Construtora:Xi'an. Qujiang International Conference &Exhibition Investment Holding Co. Ltd
  • Artigo:Jie Bian
  • Agradecimento:Xuan Liang
  • Proprietário:Management Committee of Qujiang, Xi'an
  • Cidade:Xi'an
  • País:China
Mais informaçõesMenos informações
© Xiao Tan
© Xiao Tan

Descrição enviada pela equipe de projeto. Existem três maneiras transformadoras de atualizar a cidade: renovação abrangente, mudança funcional e demolição/reconstrução. Esse projeto, no caso, gerará um edifício funcional criativo que pode renovar a regionalidade de uma cidade. Foi escolhida a maneira mais simples de construí-lo para melhorar a experiência do espaço público e deixar as pessoas se sentirem relaxadas e à vontade em sua vida urbana, não seguindo a estética rígida do entorno. Incorporar o mobiliário artístico ao projeto e observar as expressões das pessoas e da cidade é um processo, que por si só, é um experimento. Levamos 40 dias para registrar as percepções e respostas das pessoas à cidade, arquitetura e arte. Nos preocupamos muito com as respostas de idosos e crianças. E o resultado mostra que é necessário encontrar um projeto que possa fazer as pessoas sorrirem quando entrarem em contato. A atualização urbana é apenas um caminho, mas não um objetivo, nem o mesmo que criação cultural. Mais importante, ela pode criar novas indústrias ao mesmo tempo em que pode estar no caminho errado se a atualização não puder impulsionar o crescimento econômico.

© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan

Situado no novo distrito de Qujiang, Xi'an, China, o terreno do projeto era originalmente para uma praça. Seu interior era um estacionamento de dois andares. Cercada por estradas, a praça foi coberta de terra no período posterior, e a área circundante era ocupada principalmente por escritórios e comunidades residenciais. A imagem da cidade, de Kevin Lynch, propôs que os moradores de uma mesma cidade apresentam uma convergência de suas percepções da cidade. Estradas, fronteiras, regiões, nós e pontos de referência em uma cidade podem constituir os elementos principais que determinam a “imagem da cidade” em suas mentes. Em Xi'an, o projeto “Cheng Dong”, viralizado um ano atrás, combinou o espaço público e a arquitetura artística. Ele não só se tornou uma testemunha do fluxo da comunidade, mas também uma imagem da cidade compartilhada por moradores próximos. Um espaço público totalmente humanizado pode impedir o desgosto dos habitantes. E esse é o objetivo de GU Teng quando projetou o Cheng Dong. No entanto, é unilateral demais para expressar sua parte humanizada, e o pensamento do arquiteto sobre arquitetura urbana e espaço social se escondeu por trás do edifício.

© Xiao Tan
© Xiao Tan

Após 60 anos de desenvolvimento em espaço público, os arquitetos precisaram de uma nova perspectiva sobre o padrão urbano, para que o espaço compartilhado possa ser transferido no surgimento do espaço público. Na verdade, os edifícios podem ajudar a compensar deficiências sociais importantes quando levam em consideração as condições sociais. O espaço público real não é definido pelo seu tamanho, mas no seu entendimento do conceito de "pessoas". Somente sob essa premissa é que o projeto deve expressar um cuidado razoável, para que a percepção da vida possa ser apreciada nos detalhes. A maioria dos espaços públicos na cidade antiga, no entanto, sempre foram politicamente corretos. Existem muitos edifícios antigos que apresentam cultura histórica, mas os práticos, personalizados e instigantes são uma raridade. Um espaço público significativo precisa ser colocado em um contexto social mais amplo para discussão e para suportar o teste de longo prazo de capital e tempo, porém, sua base ainda são as “pessoas”. Em termos de expressão espacial, orientar-se para as pessoas não é colocar a busca da estética como a principal prioridade; em termos de tecnologia de construção, não abandonar o conceito de design para atingir requisitos tecnológicos de alto nível. O conceito de projeto deve ser transferido de acordo com a industrialização da estrutura e materiais quando o conflito é despertado.

© Xiao Tan
© Xiao Tan

O edifício nº 12 é um projeto de reforma pública feito por GU Teng. Na baixa temperatura do inverno, a área sul do Terceiro Anel Viário não é ocupada. Rodeado por imponentes prédios de escritórios e residências, o projeto expressa um estilo distinto de design moderno. Ele aceita a missão de despertar seu ambiente pesado e convergente, e está crescendo silenciosamente em uma atmosfera livre, onde a natureza e o espaço se misturam. Comparado a edifícios comuns, o edifício público nº 12 é como uma gangorra. Sua parte inferior é transparente por todos os lados, a cobertura está semi-aberta e a parte superior do edifício flutua no ar. 

© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan

Contornando o espaço interior da parte frontal, existe uma plataforma escalonada que se estende do térreo ao andar superior. Na cobertura ela se torna um local de lazer ou um mirante. O mais interessante é que a interseção com dimensões mais amplas e outras latitudes que pode ocorrer aqui. A plataforma conecta racionalmente todos os espaços circundantes danificados antes da reforma. Das ruas ao parque central no lado oeste e ao estacionamento subterrâneo, eliminando seu próprio senso de arquitetura e limites. 

© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan

Devido à filosofia do arquiteto, quanto mais simples e limpo é o edifício, mais ele pode refletir em sua aparência, forma, material e sua relação simbiótica com o ambiente circundante. Ao contrário do estilo arquitetônico imponente, GU Teng faz outro extremo. O risco e a durabilidade visual não podem ser totalmente garantidos; portanto, a expressão estranha não deve ser excessivamente perseguida. Uma expressão mais concisa deve ser enfatizada, ou seja, as pessoas precisam saber como fazer a subtração.

© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan

Passando por várias casas com cores semelhantes, as pessoas de repente entram neste espaço a partir de um gramado e, naquele momento, elas parecem viajar para outro espaço diferente. É confortável e natural, mas diferenciado, para poder inspirar infinita imaginação e diversão. A Condição Humana de Hannah Arendt diz que o mundo é como uma mesa que une e separa as pessoas umas das outras. As pessoas anseiam por se ver na cidade; elas procuram uma nova conexão que está além da idade, experiência, limites, mas também podem transcender à solidão pessoal e às barreiras urbanas. Quando o arquiteto projeta e constrói desde a perspectiva do usuário, está disposto a respeitar a vitalidade do edifício e usar racionalmente as regras e condições existentes para praticar a possibilidade do estilo de vida urbano local. Na verdade, a vitalidade do edifício precisa de pessoas para ativá-la. As pessoas vêm aqui para relaxar e desfrutar de paz e sossego. Quando elas sentam-se na janela, andam na cobertura, passam apressadas, sentem a luz do edifício, sua temperatura, textura etc. No entanto, sua função é a parte mais vital. E o edifício não é uma existência única, mas é uma cidade vertical que integra diferentes funções da vida urbana. As pessoas vivem juntas sem se incomodar. Essas imagens mais cotidianas são apresentadas harmoniosamente por um prédio, e o prédio público nº 12 é o significado da existência da comunidade.

© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan

Seja Cheng Dong ou o prédio público nº 12, GU Teng tenta ousadamente atualizar a cidade no novo ambiente histórico. Ao pensar sobre a forma do terreno, o espaço ambiental e o projeto arquitetônico, surgem oportunidades e possibilidades de compensar funções sobrepostas. Assim, o espaço pode ter interação multicamadas, interação humano-humano e interação humano-natureza e sociedade. O fluxo natural e o fluxo nessa região só podem ser estimulados quando a possibilidade de interação é aumentada. O uso racional das regras e condições existentes para praticar a vida urbana significa que mais espaços serão projetados e desenvolvidos e mais conceitos de design surgirão. E, até certo ponto, a arte arquitetônica pode alcançar sua posição original de maneira mais fácil e simples. Se a cidade é o mar, o amado bairro é uma pequena ilha que nos acomoda. Quando o brilho do pôr-do-sol surge, as pessoas naturalmente se movem para a direção guiada pela luz, para que a história aconteça, para que a vida flua. Uma existência tão suave também é uma experiência emocionante.

© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan
© Xiao Tan

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Qujiang, Xi'an, China

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Cheng Dong · Uma cidade coerente / Sangu Design" [Cheng Dong·A Coherent City / Sangu Design] 27 Jan 2020. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/932531/cheng-dong-star-uma-cidade-coerente-sangu-design> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.