Exposição Elementos em Fragmentos

Exposição Elementos em Fragmentos

Escultura com princípio e sem fim

A exposição Elementos em Fragmentos do artista plástico António Spinosa remete-nos para o universo do princípio da escultura moderna, onde a obra é humanizada, criando assim a possibilidade de se estabelecer um diálogo direto entre o espectador e a escultura. Nesta instalação as esculturas partem da nossa escala, do nosso corpo, dos nossos pés e vão-se multiplicando modelarmente.

A instalação é composta por 10 esculturas em aço corten e idealizada para o claustro do Museu Nacional de História Natural e da Ciência de Lisboa, onde o artista interage com o espaço, com o lugar onde é construída. A criação assume-se espontaneamente, como tal não deverá ser só considerada como objecto formal. A escultura a partir do século XX ambiciona encontrar caminhos alternativos à escultura concebida como monumento, como defende Rosalind Kraus. “Um dos aspectos mais notáveis da escultura moderna é o modo como manifesta a consciência cada vez maior dos seus praticantes de que a escultura é um meio de expressão peculiarmente situado na junção entre repouso e movimento, entre o tempo capturado e a passagem do tempo. É dessa tensão que define a condição mesma de escultura onde provem o seu enorme poder expressivo.” (Rosalind Krauss, In: Caminhos da escultura moderna).

A natureza infinita desta instalação, a possibilidade da sua expansão, da procura da transcendência, direciona-nos para o trabalho escultórico de Brancusi. Como diz Antonio Spinosa, “Constantin Brancusi foi um artista que conseguiu buscar na sua essência aquilo a que eu chamo espiritualidade da arte. Uma das obras que mais me demostra isso, que mais me aproxima dessa espiritualidade é a Coluna Infinita (The Endless Column). Constantin, Brancusi é para mim uma grande inspiração.”

A ferrugem que permanece nestas esculturas convoca-nos para o sentimentalismo, provoca a memória emocional do tempo que já passou. Antonio Spinosa deixa a ferrugem ficar, este gesto intencionalmente é uma atitude impositiva e que marca a obra do escultor. Citando o artista “Através da arte experimento conhecer detalhes de coisas, objetos e hábitos que liga as pessoas de lugares distantes. É interessante imaginar como a vida se completa nesse círculo, onde algo que acontece aqui pode influenciar a vida lá e vice versa.” Na escultura contemporânea há uma experiência única que é de cada um, na exposição Elementos em Fragmentos vivencia-se individualmente esta instalação efémera, mas também se sente o tempo passar.

Sofia Marçal
Museóloga

Museu Nacional de História Natural e da Ciência de Lisboa
Rua da Escola Politécnica, 56/58 - 1250-102 - Lisboa Portugal
Período de Exposição: De 11 de Outubro a 30 de Novembro de 2019

Baixar as informações relacionadas com este evento aqui.

#Tags

Este evento foi enviado por um usuário de ArchDaily. Se você quiser, pode também colaborar utilizando "Enviar um evento". As opiniões expressas nos anúncios enviados pelos usuários archdaily não refletem necessariamente o ponto de vista de ArchDaily.

Cita: "Exposição Elementos em Fragmentos" 18 Nov 2019. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/928633/exposicao-elementos-em-fragmentos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.