Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Embaixada Real da Noruega em Brasília / CASACINCO

Embaixada Real da Noruega em Brasília / CASACINCO

© Paula Morais © Paula Morais © Paula Morais © Paula Morais + 33

Embaixada  · 
Brasil, Brasil
  • Arquitetos Autores deste projeto de arquitetura CASACINCO
  • Área Área deste projeto de arquitetura
  • Fotógrafo Created with Sketch.
  • Arquiteto Responsável

    Boris Madsen Cunha
  • Ano do projeto

    2017
  • Unidade

    m2
  • Equipe de Projeto

    Jussara Muniz de Resende Specian, Ricardo Alberti, Rogerio Shibata e Rosiana Ruda SantAna
  • Projeto de Instalações Hidráulicas e Gás

    Eng. Rubens Zeni
  • Projeto de Instalações Elétricas

    Eng Dagoberto Bostelman
  • Projeto de Climatização

    Eng. Gustavo Rosito Michelena
  • Projeto de Acústica

    Arq. David Queiroz de Sant’Ana
  • Projeto de Luminotecnia

    Arq. Rafael Leão
  • Projeto de Automação

    Eng. Roberto Luigi Bettoni
  • Projeto de PCI

    Eng. Rubens Zeni
  • Projeto de Arquitetura de Interiores

    Arq. Antônio Mantovani Neto
  • Projeto de Estruturas em Concreto

    Eng. Eran Fraga
  • Projeto de Estruturas Metálicas

    Eng. Eran Fraga
  • Projeto de Paisagismo

    Arq. Fabio Henrique Conceição
  • Projeto de Sondagem

    Eng. Romes Corrêa
  • Projeto de Topografia

    Arq. Nelson Moura do Rego Lima Filho
  • Projeto de Adequação de Acessibilidade – Coordenação

    Arq. Elisa Prado de Assis
  • Estudo de Eficiência Energética

    Eng. Rafael Ribeiro Sabetski
  • Orçamento

    Eng. Rogerio Lemos
Mais informações Menos informações
© Paula Morais
© Paula Morais

Descrição enviada pela equipe de projeto. A Embaixada Real da Noruega ocupa um terreno retangular de 25.000 m2 no Setor de Embaixada do Sul, em Brasília, com leve declividade de noroeste a sudeste, separado do lago Paranoá por outra faixa de 250 m de largura, ocupada por vias e prédios baixos na sua orla. A revitalização e ampliação da Embaixada da Noruega compreendeu uma série de ações em vários níveis, descritas e ilustradas resumidamente a seguir. A preocupação com o uso racional de energia definiu estratégias de projeto integradas entre a arquitetura e as demais especialidades, fazendo com que a Embaixada seja a primeira representação internacional da Noruega a ser certificada como NetZero.

© Paula Morais
© Paula Morais
Implantação
Implantação
© Paula Morais
© Paula Morais

O complexo da Embaixada foi dividido em quatro zonas, relacionadas à função e ao controle de acesso: Zona 01 (Acesso geral / público); Zona 02 (Chancelaria); Zona 03 (Área de Representação); Zona 04 (Residências Embaixador / Diplomatas).

© Paula Morais
© Paula Morais

Zona 01: Esta é a área menos restrita do complexo. Público, requerentes de visto, convidados e funcionários são admitidos na Embaixada a partir desta zona, através do caminho existente e na nova ala da Chancelaria. O estacionamento existente foi ampliado, totalizando 32 vagas.

© Paula Morais
© Paula Morais

Zona 02: Compreende uma nova ala da Chancelaria, bem como a existente. Além do hall de entrada principal da nova ala, todas as outras áreas desta zona têm acesso restrito. A nova ala da Chancelaria abriga espaços de recepção, escritórios de funcionários, uma cantina de funcionários - que pode ser usada como uma grande área de reunião (com acesso público ou restrito) - e um deck externo parcialmente coberto, com vista para o jardim da Embaixada. Este novo edifício foi colocado paralelamente ao eixo longitudinal da parcela, permitindo visuais mais amplas do jardim e das áreas circundantes. Sua casca externa foi projetada em concreto aparente pintado de branco, de modo a criar uma conexão com as construções existentes. A ala existente foi completamente revitalizada, compreendendo tanto o layout interno quanto todas as instalações técnicas (HVAC, elétrica, TI). Além do escritório do embaixador, foram criados novos escritórios para diplomatas, bem como áreas de arquivo, uma sala de leitura de documentos classificados e um novo setor de vistos.

© Paula Morais
© Paula Morais

Zona 03: Consiste em todas as áreas de representação da Embaixada, tanto cobertas quanto descobertas, concentrando ambientes de eventos e multifuncionais. O foco principal desta área é uma grande praça externa projetada para as festividades e celebrações ali usualmente organizadas.

© Paula Morais
© Paula Morais

Zona 04: A Zona 4 acomoda 4 residências - uma para o Embaixador e outras 3, iguais em tamanho e forma, para diplomatas. A residência do Embaixador foi locada mais perto da área de representação da Embaixada, ligada à Zona 03 por meio de uma passarela coberta. Todas as casas foram posicionadas com o objetivo de aumentar a privacidade de seus ocupantes, entretanto criando um senso de comunidade. No centro da área residencial criou-se uma área de lazer com piscina, fitness e churrasqueira.

© Paula Morais
© Paula Morais

Instalações e equipamentos: Todos os edifícios existentes foram renovados quanto às instalações mecânicas, elétricas e hidráulicas, a fim de atualizá-las de acordo com os padrões técnicos e de segurança vigentes.

© Paula Morais
© Paula Morais

Consumo e conservação de energia: A radiação solar, em Brasília, é abundante durante a maior parte do ano, oferecendo portanto uma grande oportunidade de ser usada como fonte de geração de energia elétrica. Considerado o histórico de consumo de energia da Embaixada como uma linha de base, estimativas de projeto indicaram que 600 m2 de painéis fotovoltaicos forneceriam energia suficiente para a operação de todo o complexo, incluindo climatização. Isso equivale à área de cobertura disponível dos edifícios existentes, o que levou à concentração de todos os painéis sobre o telhado renovado.

© Paula Morais
© Paula Morais

Adicionalmente, todos os novos edifícios foram posicionados considerando a sua exposição ideal à radiação solar, e especificações adequadas de paredes, esquadrias e sistemas de cobertura, em termos de massa térmica e isolamento, foram empregadas. A combinação destes fatores resultou na autossuficiência energética integral da Embaixada, viabilizando a implementação do sistema de auto-geração de energia com prazo de payback estimado de 3,9 anos.

© Paula Morais
© Paula Morais

Consumo e conservação de água: A água da chuva é muito escassa em Brasília de maio a setembro, quando a precipitação média cai drasticamente, chegando a zero. Esta condição é um obstáculo para alcançar a autossuficiência da água para todo o complexo, especialmente levando em consideração o perfil de consumo da zona residencial. Assim, as estratégias relativas ao uso de água centraram-se no uso de equipamentos com redutores de consumo e de coleta e reutilização de água de chuva para fins de serviço e irrigação.

© Paula Morais
© Paula Morais

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos

Localização do Projeto

Endereço: SES, Quadra 807, Lote 28, - Avenida das Nações, DF, 70418-900, Brasil

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Embaixada Real da Noruega em Brasília / CASACINCO" 30 Abr 2019. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/915949/embaixada-real-da-noruega-em-brasilia-casacinco> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.