Casa Salicos / STUDIOARTE

Casa Salicos / STUDIOARTE

© Da Cruz Photo© Da Cruz Photo© Da Cruz Photo© Da Cruz Photo+ 62

Lagoa, Portugal
  • Arquitetos: STUDIOARTE
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área:  379
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano:  2017
  • Fotógrafo Fotografias:  Da Cruz Photo
  • Gestão De Projecto E Desenho Conceptual:Arnold Aarssen
  • Construção:J.A. Duarte & Filho, Construções Lda. (Lagos)
  • Engenharia:VERITATE – Projectos e Fiscalização de Engenharia, Lda. (Portimão)
  • Paisagismo:ECOSSISTEMAS – Construção de Espaços Verdes
  • Visualizações 3 D:Arquimagem – Arq. Bruno Silva
  • Design Interiores:Claudine Cullimore (Designer) - England
  • Main Architect :João Carriço
  • Cidade:Lagoa
  • País:Portugal
Mais informaçõesMenos informações
© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

Descrição enviada pela equipe de projeto. Numa verdadeira interpretação e fusão equilibrada da Arquitectura Mediterrânea Moderna com referências de Arquitectura Cubista Portuguesa, localizado na Quinta dos Salicos, Carvoeiro, Algarve, uma composição de volumes puros, brancos e minimalistas cumpre no seu interior a função de uma casa familiar contemporânea. Inspirada num desenho orgânico, o volume principal (trapezóide) da habitação segue a própria forma do lote enquanto direciona as suas diferentes fachadas para as vistas mais agradáveis e dotadas de sol, numa relação, visual e física, constante entre o interior e o exterior (fusão natural).

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo
Planta - Térreo
Planta - Térreo
© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

Linhas rectas puras, cor branca uniforme, coberturas planas (com terraços acessíveis) e volumes definidos por ângulos irregulares, determinados pela sua relação entre luz e sombra, definem o conceito do objecto arquitectónico. Ao optimizar as condições do clima através da iluminação e ventilação natural, o objecto transmite também uma  preocupação ecológica (princípios de climatização passiva).

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

Tanto no piso térreo como no primeiro piso a fachada a norte contrasta com as restantes pela sua aparência pura, quase ausente de vãos. As restantes, orientadas para variados ângulos e com generosos panos envidraçados, oferecem uma relação permeável entre a habitação, os terraços e a paisagem envolvente. Deste modo, o interior da casa e sua vivência nunca se isolam da paisagem que as rodeia. Descobrir os espaços interiores é também descobrir as vistas exteriores. O programa, dividido em três níveis, resolve a garagem, arrumos, áreas técnicas, cinema e ginásio na cave, aproveitando o perfil natural do terreno.

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo
Cortes
Cortes
© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

Ao nível do piso térreo encontram-se as áreas sociais, onde a cozinha e a zona social de estar se fundem física e visualmente, comunicando através de grandes vãos, com um terraço a poente e com o terraço principal, contíguo à piscina (orientado a sul/poente).

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

A poente, uma área mais privada contempla um quarto de hóspedes (com instalação sanitária) e um espaço multifuncional (quarto/escritório/biblioteca).

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

A laminada e esbelta escada metálica, esculpida em contraste com o branco, relaciona o carácter social do piso térreo com o mais privativo do primeiro piso. Neste último desenvolvem-se duas suítes, uma delas de hóspedes, ambas com terraços privados direccionados a sudoeste e noroeste, rodeados por vistas de campo, montanha e mar. Como pano de fundo a estas paisagens: o erguer e pôr-do-sol.

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

No exterior, uma ideia de unir a morfologia irregular do volume à pendente natural do terreno deu origem às duas plataformas onde se situam o terraço principal e a piscina. A primeira, ao nível do piso térreo, recebe o terraço principal orientado a sul/poente. A segunda, a um nível inferior, recolhe o tanque colector e sistema de overflow da piscina, ao mesmo tempo que estabelece uma transição para a frente ajardinada (a sul).

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

Nesta zona de traçado orgânico, seguindo a linguagem arquitectónica da moradia, o conceito de um jardim seco Mediterrâneo, com reduzido consumo de água e manutenção, foi aplicado, respeitando o perfil natural do terreno e ladeado por trilhos de gravilha branca, pontuados por oliveiras e pequenas árvores de fruto, envoltas por casca de pinho, reforçando assim a paisagem algarvia envolvente. Também presente nas circulações e acessos exteriores está o respectivo conceito minimalista, inspirado por materialidades portuguesas, onde se pode verificar o uso de calçada para delinear os caminhos.

© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo
Cortesia de STUDIOARTE
Cortesia de STUDIOARTE
© Da Cruz Photo
© Da Cruz Photo

A casa divide-se assim entre ‘dois mundos’. Um ‘primeiro mundo’ mais opaco e secreto, a norte (entrada), onde se desenvolve a descoberta dos espaços pelos planos que os rodeiam, como muros de um labirinto; e um ‘segundo mundo’, dinâmico, aberto, fluído e em constante comunicação com as zonas exteriores (terraços e piscina) e a sua envolvente (jardim e paisagem natural).

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos
Sobre este escritório
Cita: "Casa Salicos / STUDIOARTE" 19 Dez 2018. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/907143/casa-salicos-studioarte> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.