Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos

Agência AKQA / Estúdio Penha

Agência AKQA / Estúdio Penha

© Tuca Reinés © Tuca Reinés © Tuca Reinés © Tuca Reinés + 47

Escritórios  · 
São Paulo, Brasil
  • Arquitetos: Estúdio Penha
  • Área Área deste projeto de arquitetura Área: 570.0 m2
  • Ano Ano de conclusão deste projeto de arquitetura Ano: 2016
  • Fotógrafo Fotografias: Tuca Reinés
  • Fabricantes Marcas com produtos usados neste projeto de arquitetura
    Fabricantes: Amarante madeiras, Carbono, Deca, Decameron, Desmobilia, Dpot, FAS Iluminação, JMS, LKT, Labluz, Ladrilar, Lumini, Lustres ypiranga, Micasa, Museu do azulejo, Otis, Panisol, Poeira, Portwer, Primovidros, Prototype, RB Pisos, Reforça, Regatec, Reka Iluminação, Santil, Seiko, Solarium, Tramontina, Uniflex
  • Ar Condicionado

    Prorac
  • CFTV e Controle de Acesso

    EPS Sistemas
  • Consultoria Acústica

    Harmonia
  • Elétrica

    Green Projetos e Consultoria
  • Hidráulica

    Green Projetos e Consultoria
  • Estrutura

    Enplatec Projetos de Engenharia
  • Paisagismo

    Rodrigo Oliveira
  • Execução Obra

    Grupo Lock Engenharia
Mais informações Menos informações
© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Descrição enviada pela equipe de projeto. AKQA, agência internacional de publicidade que planejava vir ao Brasil, encomendou ao Estúdio Penha um projeto de escritório com espírito de casa e com o aconchego e alma característicos de nossos projetos. Eram muitos os desafios, uma casa que deveria se adaptar a um grande programa de necessidades para o seu completo funcionamento: espaços para o convívio de clientes, produção, criadores e toda estrutura de apoio. Porém, sua adaptação à nova realidade exigia uma ampliação horizontal e vertical.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

A arquitetura do sobrado dos anos 70 foi criada pelo antigo proprietário, com arcos e paredes estruturais em tijolo maciço que queríamos preservar. Os pontos de partida foram: manter a memória construtiva que deveria ser valorizada, integrar os novos volumes aos existentes, criar um jardim que permearia toda casa e pensar em soluções sustentáveis de consumo.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Foi feito um projeto onde a maioria dos cômodos dos dois andares foram aproveitados. No térreo ficam as áreas principais de clientes e apoio aos mesmos, no ambiente externo todos os recuos foram usados como áreas permeáveis criando um grande jardim em volta da casa e no fundo, onde existia a antiga piscina, foi projetada uma arquibancada para projeções de filmes e apresentações de trabalhos. O acesso principal feito por uma caixa de ferro oxidado que dá para a recepção e espaço para exposições possui um pé direito triplo que vai até o teto inclinado e convida o visitante a um olhar curioso para o alto.

Planta - Térreo
Planta - Térreo
Planta - 1º Pavimento
Planta - 1º Pavimento
Planta - 2º Pavimento
Planta - 2º Pavimento

O muro da fachada não encosta no chão, a vegetação passa por baixo criando a leveza necessária que equilibra com sua altura. O corredor de distribuição para as salas de reuniões distribui também as tubulações aparentes de toda a infra estrutura da casa e, no fundo deste, encontra-se a sala de reuniões principal - um volume novo da casa, com divisórias em caixilhos de vidro que permitem a contemplação do jardim desde a recepção.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

A nova circulação vertical localizada onde era a antiga escada da casa ganhou destaque por ter elementos vazados como degraus e guarda-corpos feitos em tela metálica, ela está entre esquadrias de vidro, uma grande que tem visão do jardim lateral e outra com vista para o pátio interno. Ainda pensando na integração entre interior e exterior foram utilizadas portas camarão, que permitem uma abertura maior, e consequentemente uma ligação visual e física entre as salas e o jardim.

Corte D
Corte D

No primeiro andar, com vista para o fundo da casa, fica a área de staff para 40 pessoas. Parte dessa sala possui um pé direito duplo interligado com o refeitório que está no ultimo pavimento e iluminado por grandes caixilhos. Na frente o volume novo em balanço, que abriga as salas de brainstorming, serve de cobertura para a entrada e garagem da casa.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Para o novo andar, dois mezaninos: um abriga a área de lazer que se comunica com a recepção e outro abriga o refeitório que se comunica com a área de staff, tudo integrado por uma grande laje verde com plantas de porte médio. Os acessos a esse jardim externo funcionam através de dois grandes portões de madeira que substituem as paredes e abrem de forma a integrar o exterior com o interior e também criar uma proteção extra para o sol face leste e oeste. Em dias de chuva ou frio, uma pequena porta neste painel permite a circulação.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Foi feita uma cobertura com telha termo acústica inclinada para a face norte, que ajuda no controle da insolação. Na fachada sul um grande caixilho envidraçado permite a entrada de luz natural em todo conjunto através dos mezaninos. Uma escada externa tipo Nova York no fundo da casa, atende as demandas de segurança.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

O elemento que traz identidade para este projeto é o patchwork de grades antigas de ferro que funciona como brise soleil para os novos volumes da casa, elas desenham o piso como uma renda feita pela luz do sol da manhã.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Um dos objetivos do projeto é deixar claro e harmônico o contraste entre a casa antiga e as novas intervenções, deste modo, as paredes antigas foram descascadas para deixar os tijolos aparentes. Para as paredes novas internas, usamos bloco de concreto estrutural com paginação linear, contrapondo com a paginação amarrada dos tijolos existentes. Na parte externa as paredes e muretas novas, incluindo fechamento de janelas existentes, foram feitas de concreto moldado in loco. Os vãos das janelas da antiga construção foram conservados, fechados por vidros novos para manter a linguagem de sobreposições entre o velho e o novo.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Foi necessário projetar uma malha complexa de dutos e cabos para passagem de elétrica, hidráulica, iluminação, rede, som, sprinklers, ar condicionado, e isto foi feito de modo aparente, deixando claro a infraestrutura complexa que faz a casa “funcionar”, uma decisão estética que não se restringe a isto, facilita a manutenção.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Os grandes caixilhos tipo industriais de ferro permitem a entrada de luz natural durante o dia e integração constante com os jardins externos e vista da cidade na cobertura.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Novas tecnologias e a consciência com a conservação de recursos naturais do planeta permeiam no projeto. Assim foi utilizado madeira de reuso ou certificada e, materiais que já compunham a casa como paredes e azulejos foram aproveitados. Neste mesmo sentido, o emprego de sistemas sustentáveis como placas solares, recolhimento de água de chuva para reuso e iluminação em led, faz com que a utilização da casa seja feita de forma a minimizar o consumo de energia elétrica e água tratada.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Para a implantação desse projeto, a antiga casa precisou de um reforço estrutural. Optamos por uma estrutura metálica onde os pilares tornam-se além de um importante elemento estrutural, um elemento estético que faz a ligação vertical de todos os pavimentos, elementos novos e remanescentes.

Corte B
Corte B

Como a ideia de integração permeia todo projeto, foi preciso pensar também o resguardo da privacidade e a tranquilidade para o trabalho, assim foram adotadas nuvens acústicas nas salas de produção e sala de reuniões principal assim como portas acústicas.

O design de interiores foi montado a partir de 4 fontes: designers que fizeram peças icônicas brasileiras, como Sergio Rodrigues e Lina Bo bardi; designers brasileiros contemporâneos como Jader Almeida, Marcus Ferreira e Felipe Protti, cujas peças conversam diretamente com os primeiro citados; e ainda peças de designers internacionais principalmente mobiliário escandinavo como as cadeiras de Hee Welling; Hans Wegner e luminárias de ícones como Fabien Dumas, Ingo Maurer e Tom Dixon. Completando a proposta, algumas peças foram desenhadas pelo Estúdio Penha cumprindo tarefas específicas do cotidiano da agência, com materiais que mantêm um diálogo direto com as demais peças.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Como a decoração é fragmentada em diferentes cômodos, foi preciso eleger elementos que as fizessem parte de um todo. E isto é feito através das cores e materiais: o ferro natural, a madeira, o couro natural, pedras, mármores e tecidos de tons neutros. Além de se manter uma unidade conceitual e visual, estes elementos não competem com a arquitetura marcante da agência, eles se assimilam e complementam.

© Tuca Reinés
© Tuca Reinés

Tudo isso resulta em ambientações que tem características locais, mas evitando estereótipos. A decoração une a identidade do modernismo brasileiro aclamado no mundo com peças icônicas conhecidas globalmente, configurando ambientes discretos, elegantes e ao mesmo tempo com personalidade.

Galeria do Projeto

Ver tudo Mostrar menos

Localização do Projeto

Endereço: Rua dos Macunis 455, Vila Madalena, São Paulo, Brasil

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Agência AKQA / Estúdio Penha" 18 Ago 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/877634/agencia-akqa-estudio-penha> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.