Centro Botín / Renzo Piano Building Workshop

Centro Botín / Renzo Piano Building Workshop

© Enrico Cano© Enrico Cano© Enrico Cano© Enrico Cano+ 22

  • Equipe De Projeto:E.Baglietto, M.Carroll (associado responsável), F.Becchi (associado responsável), S.Lafranconi, M.Monti, R.Parodi, L.Simonelli com M.Cagnazzo, P.Carrera, S.Ishida (sócio), M.Menardo, A.Morselli, S.Polotti e I.Coseriu, P.Fiserova, V.Gareri, S.Malosikova, T.Wozniak, A.Zambrano; F.Terranova, F.Cappellini, I.Corsaro (modelos)
  • Diretor De Projeto:Bovis
  • Technical Developer And Facade Installer:Disset
  • Consultores:Dýnamis, Arup, Typsa (estrutura); Arup, Typsa (instalações e fachada); Müller-BBM (acústica); artec3 Studio, Arup (iluminação); Gleeds, Typsa (orçamento); Fernando Caruncho (paisagismo)
  • Cliente:Fundación Botín
  • Cidade:Santander
  • País:Espanha
Mais informaçõesMenos informações
© Enrico Cano
© Enrico Cano

Descrição enviada pela equipe de projeto. O Centro Botín, um espaço para arte, cultura e educação, projetado na Baía de Santander, devolverá à cidade o imenso cais do muro de Albareda, utilizado hoje em dia como estacionamento. Está é uma área estratégica, com vistas para o mar, próxima do centro da cidade velha e realçada pelos históricos Jardins de Pereda. O projeto foi fortemente apoiado por Emilio Botín (1934-2014), presidente do Banco Santander e financiado pela Fundação Botín, uma das fundações privadas mais importantes da Espanha, criada em 1964 com o objetivo de fomentar o desenvolvimento social, econômico e cultural da Cantábria.

Planta de Situação
Planta de Situação
Croqui
Croqui

O projeto restaura os laços entre a parte histórica da cidade e o mar. A rodovia que separa o parque do mar já foi subterrânea, através de um túnel, permitindo duplicar a área dos Jardins de Pereda, estendendo-os ao passeio marítimo e restaurando o acesso pedonal ao mar para os cidadãos de Santander. 

© Enrico Cano
© Enrico Cano

Emoldurado entre o parque e o mar, no eixo do mercado público, o novo Centro Botín se localiza metade na terra e a outra metade suspensa em pilotis sobre a água. Isso evita obstruir a vista ao mar e à bonita paisagem da baía para as pessoas que passeiam no parque, porque o Centro é habilmente camuflado pela folhagem das árvores. Uma série de passarelas leves de aço e vidro separam os dois volumes arredondados do edifício e criam uma nova praça pública situada acima do térreo. 

© Stéphane Aboudaram
© Stéphane Aboudaram
Planta
Planta

A forma do Centro é o resultado de um trabalhoso perfeccionismo progressivo do desenho com o uso de modelos. Isso deu lugar a uma forma arredondada que proporciona melhor iluminação no térreo e acompanha a vista dos visitantes e dos cidadãos desde o parque até o mar. Os dois corpos que compõem o edifício são cobertos completamente com 280.000 pequenas peças cerâmicas, levemente arredondadas, de cor pérola que refletem a luz do sol, o brilho da água e a atmosfera única da Cantábria. 

© Enrico Cano
© Enrico Cano

O volume leste abriga um dormitório que se eleva à dupla altura em balanço sobre o o mar e ao norte está o centro educativo: espaços desenhados com máxima flexibilidade para adaptarem-se à muitas atividades. O auditório foi concebido como uma caixa multifuncional que não somente pode abrigar concertos, palestras, conferências, mas também festivais e cerimônias, enquanto as salas do centro educativo estão desenhadas para oferecer espaços de diferentes tamanhos para futuras oficias de arte criativa, música, dança e cozinha para crianças e adultos. 

© Enrico Cano
© Enrico Cano

No volume oeste, as galerias de exposição se desenvolvem em dois níveis, caracterizando-se por uma espetacular vista sobre o mar e o parque. O espaço de exposição no pavimento superior é iluminado zenitalmente através de uma cobertura de vidro que consta de quatro camadas: um nível exterior composto por pequenos elementos de vidro serigrafado que evitam que a luz dispersa entre diretamente no espaço da galeria; uma segunda camada dupla de envidraçamento que sela a galeria; uma terceira camada que consta de pequenas persianas de alumínio controladas automaticamente por um sistema de sensores que podem ser utilizados para escurecer o interior e flexibilizar a iluminação; e, por último, sob as vigas principais, uma tela branca semi-transparante que cria um espaço uniforme e difunde a luz, revelando, ao mesmo tempo, a complexa estrutura da cobertura. 

© Enrico Cano
© Enrico Cano
© Enrico Cano
© Enrico Cano

Um anfiteatro escavado no parque corre junto ao Centro Botín, sua fachada oeste está equipada com tela LED para projeções e cinema ao ar livre. No térreo existe uma fachada totalmente transparente que limita um espaço multifuncional com cafeteria, restaurante, área comercial e um centro de informação. Aqui, a cobertura é composta por elementos de cerâmica e o piso é uma continuação da pavimentação do concreto azul exterior. Desta maneira, o espaço interior e o exterior são quase indistinguíveis e os visitantes podem ver o mar e a paisagem da baía emoldurados pelos amplos beirais do edifício que abrigam mesas e cadeiras, criando um espaço para reunião e socialização. 

O edifício, o parque e a cidade se entrelaçam em um vínculo íntimo. 

Corte Transversal
Corte Transversal

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Santander, Cantábria, Espanha

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Centro Botín / Renzo Piano Building Workshop " [Centro Botín / Renzo Piano Building Workshop ] 12 Jul 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/875632/centro-botin-renzo-piano-building-workshop> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.