O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Museus E Espaços De Exposições
  4. Polônia
  5. KWK PROMES
  6. 2016
  7. Centro de Diálogo Przelomy do Museu Nacional em Szczecin / KWK PROMES

Centro de Diálogo Przelomy do Museu Nacional em Szczecin / KWK PROMES

  • 05:00 - 1 Julho, 2017
  • Traduzido por Lis Moreira Cavalcante
Centro de Diálogo Przelomy do Museu Nacional em Szczecin / KWK PROMES
Centro de Diálogo Przelomy do Museu Nacional em Szczecin / KWK PROMES, © Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski

© Juliusz Sokołowski © Juliusz Sokołowski © Juliusz Sokołowski © Juliusz Sokołowski + 28

  • Arquitetos

  • Localização

    Szczecin, Polônia
  • Arquitetos Responsáveis - Proposta do Concurso

    Robert Konieczny, Katarzyna Furgalińska, Michał Lisiński, Dorota Żurek
  • Arquitetos Responsáveis - Praça e Edificação

    Robert Konieczny, Michał Lisiński
  • Área

    1.628 m²
  • Ano do projeto

    2016
  • Fotografias

  • Colaboração

    Aleksandra Stolecka, Piotr Tokarski, Adam Radzimski, Joanna Biedna, Magdalena Adamczak
  • Investidor

    National Museum in Szczecin (Muzeum Narodowe w Szczecinie)
  • Construção

    Poreco
  • Instalações

    Cegroup
  • Construção Geral

    Skanska
  • Autores da Exibição

    Piotr Wysocki, Roman Kaczmarczyk, Michał Czasnojć, KWK Promes
  • Mais informações Menos informações
© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski

Descrição enviada pela equipe de projeto. Szczecin é uma das maiores vítimas da violência da história da Polônia. Até 1945, a cidade situava-se nas fronteiras da Alemanha e em seguida foi subitamente incorporada à Polônia. A mudança instantânea de sua população desconstruiu o tecido social e distorceu a identidade da cidade. Antes da guerra, a atual Praça Solidarności era a vitrine da cidade, com uma área residencial representativa, limitada pelo Konzerthaus ao norte. Durante os bombardeios das forças aliadas, o bairro e sua vizinhança deixaram de existir, criando um vazio no tecido urbano. Além disso, este fragmento da cidade foi cortado por uma rota de transporte. Esta quase-praça tornou-se a arena para o protesto dos trabalhadores em 1970, que foi brutalmente pacificado, com 16 manifestantes mortos. A partir desse momento, este lugar tornou-se um símbolo de luta pela liberdade.

© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski
Implantação
Implantação
© Jakub Certowicz
© Jakub Certowicz

Durante anos, a Praça Solidarności poderia ser considerada uma praça apenas por seu nome, pois possuía limites vagos, fachadas abertas, vizinhança agitada e pesada, além da ausência de uma função definida. No entanto, possuía uma função dominadora: a de comemorar os acontecimentos de dezembro de 1970, com um monumento construído em 2005 em homenagem a eles. No século 21, a área abrigou importantes intervenções arquitetônicas. Em 2014, o antigo Konzerthaus foi substituído por um novo local para a filarmônica, desenhado pelo Estudio Barozzi Veiga. O edifício tornou-se o novo ícone da cidade, ganhando o reconhecido prêmio Mies van der Rohe em 2015.

© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski

A outra iniciativa que contribuiu para mudar a percepção do espaço, foi o Centro de Diálogo do Museu Nacional "Przełomy", dedicado à história de Szczecin. Ao projetar o Museu, humildemente focamos na história do lugar e no novo ícone da cidade, localizado ali próximo. Por isso, surgiu a ideia de esconder o museu no subsolo para criar uma arquitetura de fundo.

© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski

O quarteirão e a praça foram o ponto de partida do projeto, resultando num desenho urbano híbrido que cerca o espaço como um quarteirão, mas mantém os valores de um espaço público aberto. As áreas planas da praça criam um primeiro plano em frente à filarmônica e à igreja. O quarteirão se forma nos cantos opostos como um pavimento quadrado elevado. Uma elevação abriga as instalações do museu, e a outra é uma colina artificial, fechando o interior urbano e protegendo-a do tumulto da rua movimentada. Não existe um limite definitivo entre arquitetura e urbanismo.

© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski
Corte
Corte
Cortesia de KWK Promes
Cortesia de KWK Promes

A arquitetura segue a topografia, por isso a forma do museu é a continuação do piso de concreto da praça coberta com placas retangulares. No canto elevado, estas placas ganham uma terceira dimensão, tornando-se blocos cúbicos. O todo forma um monolito que se transforma quando o museu abre. Algumas das placas verticais são rotacionadas, criando assim arcadas que revelam duas entradas. A terceira entrada é determinada por uma rampa esculpida na curvatura da praça. O pavimento térreo é uma extensão da praça e funciona como um hall de entrada.

Diagrama
Diagrama

O espaço de exposição está escondido no subsolo. Quando descemos as escadas, o concreto termina e submergimos numa escuridão, pano de fundo para a história de Szczecin desde a II Guerra Mundial, conectada ao que estava acontecendo na Polônia e no resto do mundo. Simultaneamente à exposição histórica, puramente baseada em informações, adicionamos também uma narração feita por obras-primas de artistas, ambas com trabalhos datados de muito antes do museu ser aberto e outros intencionalmente criados para ele. Esse tipo de tentativa permitiu que a exposição se tornasse mais abrangente e mais universal. A escuridão permite focar nos objetos apresentados ao mesmo tempo que dá a impressão de um espaço infinito. Esta nova fórmula para a exposição também faz do museu histórico um museu de arte.

© Juliusz Sokołowski
© Juliusz Sokołowski
Planta Baixa
Planta Baixa
© Jakub Certowicz
© Jakub Certowicz

Antes, a praça apenas celebrava a história, mas como resultado da revitalização, esta parte da cidade tornou-se atraente para os outros habitantes (restantes). No entanto, sua fórmula aberta incentiva seus usuários a se apropriarem do espaço. As colinas artificiais proporcionam uma oportunidade para descobrir novas perspectivas na cidade, para passeios a pé e convidam para banhos de sol. O piso inclinado inspira várias atividades: para os skatistas, este é o local ideal para treinar. No inverno, a praça serve como pista para trenó. O pátio manteve sua dimensão simbólica - o monumento ainda atrai veteranos durante os eventos de celebração anual - mas não é mais um aspecto dominante. Hoje, este espaço urbano é um lugar de coexistência amigável entre diferentes grupos etários e sociais.

Cortesia de KWK Promes
Cortesia de KWK Promes

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
KWK PROMES
Escritório
Cita: "Centro de Diálogo Przelomy do Museu Nacional em Szczecin / KWK PROMES" [National Museum in Szczecin Dialogue Centre Przelomy / KWK PROMES] 01 Jul 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/874358/centro-de-dialogo-przelomy-do-museu-nacional-em-szczecin-kwk-promes> ISSN 0719-8906