O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Espaço Público
  4. Haiti
  5. Emergent Vernacular Architecture (EVA Studio)
  6. 2016
  7. Espaço público Tapis Rouge em um bairro informal no Haiti / Emergent Vernacular Architecture (EVA Studio)

Espaço público Tapis Rouge em um bairro informal no Haiti / Emergent Vernacular Architecture (EVA Studio)

  • 13:00 - 8 Fevereiro, 2017
  • Traduzido por Lis Moreira Cavalcante
Espaço público Tapis Rouge em um bairro informal no Haiti / Emergent Vernacular Architecture (EVA Studio)
Espaço público Tapis Rouge em um bairro informal no Haiti / Emergent Vernacular Architecture (EVA Studio), © Gianluca Stefani
© Gianluca Stefani

© Etienne Pernot du Breuil © Gianluca Stefani © Gianluca Stefani © Etienne Pernot du Breuil + 14

© Etienne Pernot du Breuil
© Etienne Pernot du Breuil

Descrição enviada pela equipe de projeto. Tapis Rouge é um dos vários espaços públicos em Carrefour-Feuilles, no Haiti, construído sob o programa LAMIKA, cujo acrônimo significa "Uma vida melhor no meu bairro" na língua créole (crioulo haitiano). O programa, financiado pela Cruz Vermelha Americana e implementado pela Global Communities, visa construir espaços multifuncionais que facilitam e promovem a coesão social através de uma abordagem inclusiva.

© Gianluca Stefani
© Gianluca Stefani

Carrefour-Feuilles é um dos muitos bairros informais que sofreram grandes danos no terremoto de 2010. As casas nas encostas dos barrancos não possuem serviços básicos como eletricidade, água corrente e saneamento. Há pouca infra-estrutura formal e as casas, muito perto uma das outras, só são acessíveis por uma rede de corredores estreitos que serpenteiam o declive. É entre os cantos apertados e entre as paredes das casas vizinhas que a vida social geralmente ocorre.

© Etienne Pernot du Breuil
© Etienne Pernot du Breuil

Após o terremoto, o local do Tapis Rouge foi utilizado como um acampamento para desabrigados. Ele se localiza no topo de uma encosta com vista para os declives de ambos os lados e marca a entrada para as vielas e casas abaixo.

Diagrama
Diagrama

O projeto em si é inerentemente orientado para a comunidade e compreende o espaço público como um terreno antropológico a partir do qual a identidade e as relações sociais crescem. Através de uma abordagem participativa e colocando o envolvimento da comunidade no centro do processo de projeto, este espaço público visa dar poder transformador a uma comunidade e proporcionar aos moradores um sentimento de pertencimento, identidade e orgulho. O objetivo era criar um ambiente mais seguro e mais limpo, o que ajudaria a reduzir o crime, a violência e o comportamento antissocial na área.

© Gianluca Stefani
© Gianluca Stefani

O programa e o projeto arquitetônico foram estabelecidos diretamente com a comunidade. Um anfiteatro ao ar livre, planejado para encontros, marca o centro do espaço. De forma pontual, em torno das bordas dos degraus/assentos, há diversos Flamboyants que, quando completamente crescidos, protegerãp os usuários do sol. Os anéis concêntricos definem áreas dentro da praça. Uma delas é ocupada por equipamentos de exercício ao ar livre e bancos. Em outra, perto do muro, os pavers azuis feitos localmente dão lugar a terraços com vegetação, cada um com diferentes plantas. Acima, na extremidade superior, uma fileira de palmeiras esconde tanques de armazenamento para a estação adjacente de distribuição de água. O poço que alimenta os tanques e a estação traz água de 100m abaixo do solo. A receita gerada pelas vendas de água será reinvestida na manutenção do espaço público.

Corte
Corte

O muro que circunda o perímetro do local foi transformado pela comunidade e artistas locais com murais coloridos. Os desenhos surgiram a partir de uma das oficinas de engajamento comunitário, em que os artistas discutiram o valor da arte com pessoas do bairro. As crianças da área, seus pais e artistas do Le Centre d'art e o artista francês Bault trabalharam juntos na obra final, que reflete a rica tradição de pintura do Haiti.

© Gianluca Stefani
© Gianluca Stefani

Descrição do Produto

1. ARCOD – Pavers de concreto pré-moldado

Os pavers de concreto pré-moldado que criaram o padrão vibrante na praça foram fabricadas localmente no Haiti. Seu uso no projeto foi discutido diretamente com a comunidade de Carrefour-Feuilles. As cores vibrantes foram testadas com a ARCOD e visam fornecer à comunidade uma paleta de cores diferente, já que esse tipo de pavimentação muitas vezes é deixado com a cor original do cimento devido à falta de recursos para acabamentos.

© Gianluca Stefani
© Gianluca Stefani

2. Green Energy Solutions – Iluminação Solar

Carrefour-Feuilles caracteriza-se pela pobreza extrema, circulação ruim de veículos e pedestres e acesso limitado à eletricidade. A instalação de luzes solares visa proporcionar à comunidade um ambiente mais seguro e mais limpo.

© Etienne Pernot du Breuil
© Etienne Pernot du Breuil

3. Green Gym – Equipamentos de ginástica ao ar livre

Como parte de um programa multifuncional, os equipamentos de exercícios de baixo impacto, especificamente solicitados pela comunidade, é projetado de forma intuitiva para exercícios com peso. A Green Gym também irá fornecer treinamento para os usuários do espaço público.

© Gianluca Stefani
© Gianluca Stefani

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Cita: "Espaço público Tapis Rouge em um bairro informal no Haiti / Emergent Vernacular Architecture (EVA Studio)" [Tapis Rouge public space in an informal neighborhood in Haiti / Emergent Vernacular Architecture (EVA Studio)] 08 Fev 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Moreira Cavalcante, Lis) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/804436/espaco-publico-tapis-rouge-em-um-bairro-informal-no-haiti-emergent-vernacular-architecture-eva-studio> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.