O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Campus
  4. Suécia
  5. Snøhetta
  6. 2015
  7. MAX IV / FOJAB arkitekter + Snøhetta

MAX IV / FOJAB arkitekter + Snøhetta

  • 05:00 - 14 Janeiro, 2017
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
MAX IV / FOJAB arkitekter + Snøhetta
MAX IV / FOJAB arkitekter + Snøhetta, © Felix Gerlach
© Felix Gerlach

Cortesia de Snøhetta © Felix Gerlach Cortesia de Snøhetta Cortesia de Snøhetta + 44

Cortesia de Snøhetta
Cortesia de Snøhetta

DESENHO DO EDIFÍCIO por FOJAB arkitekter

Quando os elétrons acelerados, quase na velocidade da luz, são obrigados a mudar o curso da sua direção linear, liberam energia que se transforma em raios-X - a luz síncrotron - que pode ser utilizada para examinar as características do material a nível molecular. Este tipo de radiação foi observada primeiramente em um acelerador nos laboratórios da General Electrics no final da década de 1940. A técnica logo foi desenvolvida na Universidade de Stanford no início da década de 1950. O primeiro círculo de armazenamento de luz de síncrotron na Súécia foi o MAX I, construído em meados da década de 1980. Os círculos de armazenamento MAX II e MAX III foram postos em funcionamento em 1996 e 2006. Atualmente, existem aproximadamente 50 laboratórios de luz de síncrotron em todo o mundo. 

Corte Renderizado
Corte Renderizado
© Felix Gerlach
© Felix Gerlach

Em 2009, a Universidade de Lund decidiu construir um novo laboratório, MAX IV, e preparou os documentos de licitação pública. Um consórcio da construtora Peab e a empresa imobiliária Wihlborgs ganharam a licitação e formaram outra empresa imobiliária, a ML4, para a construção e o aluguel do laboratório da Universidade de Lund. Cinco arquitetos foram convidados a competir pelo desenho dos edifícios e do paisagismo. No outono de 2010, o desenho foi encarregado aos arquitetos do FOJAB enquanto o paisagismo ficou a cargo dos arquitetos do Snøhetta. Os dois arquitetos trabalharam em estreita colaboração para criar uma relação simbólica entre a paisagem e os edifícios. 

© Felix Gerlach
© Felix Gerlach

MAX IV difere de outras instalações similares por sua emissão extremamente baixa de elétrons. Os elétrons são acelerados em um túnel subterrâneo linear e são conduzidos até os dois tipos diferentes de círculos de armazenamento, 1.5 GeV e 3 GeV, no térreo. Quando a luz de síncrotron é produzida para mudar seu curso, ela é conduzida ao longo de linhas de luz onde longitudes de onda particulares são selecionadas para a análise em diferentes estações experimentais.

© Felix Gerlach
© Felix Gerlach
Corte Renderizado
Corte Renderizado

A boa arquitetura é reconhecida por uma correlação aparentemente simples entre a forma e função. Quando organizamos e desenhamos a instalação MAX VI, nos concentramos nos requisitos funcionais dos pesquisadores e nas características do lugar. O objetivo é que o processo de alta tecnologia da instalação reflita no exterior, assim como no desenho de interiores. 

© Felix Gerlach
© Felix Gerlach

MAX IV é um imenso laboratório em constante desenvolvimento e mudança. Todas as diferentes partes do edifício e suas dependências possuem seus próprios requisitos específicos em relação à sua função, alcance e duração. Alguns edifícios e partes deles estão feitas sob medida para seus fins específicos enquanto outros possuem um desenho mais ou menos geral. A maioria das unidades devem estar preparadas para uma ampla gama de requisitos funcionais flexíveis. O primeiro passo do processo de projeto foi mapear e definir os requerimentos específicos. O próximo passo foi formar uma linguagem arquitetônica com o objetivo de conferir à instalação uma identidade própria e uma expressão geral sustentável que permita mudanças e modificações para seu uso futuro. 

© Felix Gerlach
© Felix Gerlach

Foram definidas três tipologias de edifícios: o círculo de armazenamento grande com sua sala de experimentos,o edifício de escritórios de cinco pavimentos e, por último, os outros edifícios. Com o desenvolvimento da instalação, pouco a pouco foram adicionadas as linhas de luz de síncrotron do círculo de armazenamento e jaulas experimentais ao redor da sala de experimentos. O grau destas adições somente pode ser definido futuramente. Não se espera que as partes superiores da sala de experimentos e o edifício de escritórios sofram mudanças e adições. Os outros edifícios consistem em uma sala pequena de experimentos e espaços para serviços de apoio técnico, que possuem uma grande flexibilidade.

© Felix Gerlach
© Felix Gerlach
Planta - Térreo
Planta - Térreo
© Felix Gerlach
© Felix Gerlach

A boa arquitetura também é reconhecida por uma ideia de desenho que coloca seu 'feitiço' sobre todo o projeto, a paisagem, o exterior e o desenho dos interiores. A cooperação entre Snøhetta e FOJAB foi traduzida em uma relação simbiótica entre paisagem, desenho exterior e interior do edifício.

O alumínio escovado da grande sala de experimentos, o edifício de escritórios revestido de branco com seu dispositivo de proteção solar, as fachadas de concreto branco e a paisagem ondulante constituem uma imagem clara e duradoura para a instalação MAX VI. O detalhamento iniciou em julho de 2010. A construção, por sua vez, começou em junho de 2011 e terminou em junho de 2015. O centro foi inaugurado em junho de 2016. Certificação Ambiental: primeiro edifício de escritórios da Suécia classificado com BREEAM-SE - Nível Excelente, Edifício Verde da UE - Nível Ouro e Miljöbyggnad Guld. MAX IV foi premiado como Melhor Projeto Futura no MIPIM 2014.

© Felix Gerlach
© Felix Gerlach

PAISAGISMO por Snøhetta

Desde 2011, Snøhetta trabalhou no desenvolvimento de um paisagismo único para o MAX IV. A instalação de síncrotron foi criada pelos arquitetos FOJAB, e Snøhetta desenhou o parque de 19 hectares. MAX IV foi inaugurado oficialmente no dia 21 de junho de 2016. 

Planta de Situação
Planta de Situação

O paisagismo está baseado em um conjunto de parâmetros únicos para apoiar o desempenho da pesquisa de laboratório, incluindo medidas como a mitigação das vibrações do solo das rodovias próximas, gestão de águas pluviais e o cumprimento de ambiciosos objetivos de sustentabilidade da cidade. 

Cortesia de Snøhetta
Cortesia de Snøhetta

O MAX IV é a primeira parte de uma transformação maior da zona noroeste de Lund com o objetivo de converter terras agrícolas em uma "Cidade da Ciência". A criação de um novo parque público verde, no lugar de um centro de pesquisa fechado e introvertido, faz toda a diferença no âmbito público. O terreno utilizado é um lugar verde e a imagem da vegetação de pradaria nas inclinadas colinas como área de ócio estabelece um novo padrão para as áreas ao ar livre das instalações de pesquisa. MAX IV foi um processo em colaboração com o cliente, consultores e empreendedores da construção. 

Cortesia de Snøhetta
Cortesia de Snøhetta

O desenvolvimento do paisagismo está baseado em quatro critérios importantes:

1 – Mitigação das vibrações do solo: provas dirigidas por pesquisadores e engenheiros revelaram que o tráfego na rodovia próxima (E22) causava vibrações no solo que poderiam interferir nos experimentos feitos nos laboratórios. Através de criação de inclinações e uma superfície mais caótica, a quantidade de vibrações no solo foi reduzida. 

Cortesia de Snøhetta
Cortesia de Snøhetta

2 – Balanço de massa: com o foco na otimização da reutilização das massas escavadas no local, empregamos uma estratégia de corte e preenchimento. Isto assegura a opção de utilizar a terra para o uso agrícola quando o síncrotron não estiver mais funcionando no local. Ao carregar o modelo digital 3D diretamente nas escavadoras controladas por GPS, fomos capazes de trasladar as massas para sua posição final em uma operação e não foram transportadas massas para fora do terreno.

Cortesia de Snøhetta
Cortesia de Snøhetta

3 – Gestão de águas pluviais: o departamento de planejamento da cidade de Lund restringe a quantidade de água utilizada na cidade e a sua gestão dentro dos limites do terreno. Portanto, tanques secos e molhados são projetados para as águas pluviais.

Diagrama
Diagrama
Diagrama
Diagrama
Diagrama
Diagrama

4 – Seleção de plantas e manutenção: o descobrimento da área de reserva natural próxima de Kungsmarken tornou possível o uso de uma seleção de espécies naturais através da utilização do feno e sua extensão sobre a nova paisagem montanhosa. A estratégia de manutenção inclui uma combinação de ovelhas de pastoreiro e máquinas convencionais adequadas para as pradarias. 

Cortesia de Snøhetta
Cortesia de Snøhetta

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Snøhetta
Escritório
FOJAB arkitekter
Escritório
Cita: "MAX IV / FOJAB arkitekter + Snøhetta" [MAX IV / FOJAB arkitekter + Snøhetta] 14 Jan 2017. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/803181/max-iv-fojab-arkitekter-plus-snohetta> ISSN 0719-8906