O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Restaurante
  4. França
  5. studiolada architects
  6. 2015
  7. Expansão do Restaurante Pompidou de Metz / Studiolada Architects

Remodelaçao

Apresentado por the MINI Clubman

Expansão do Restaurante Pompidou de Metz / Studiolada Architects

Expansão do Restaurante Pompidou de Metz / Studiolada Architects
Expansão do Restaurante Pompidou de Metz / Studiolada Architects, © Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

© Luis Diaz Diaz © Luis Diaz Diaz © Luis Diaz Diaz © Luis Diaz Diaz + 26

  • Arquitetos

  • Localização

    1 Parvis des Droits de l'Homme, 57000 Metz, França
  • Arquiteto Responsável

    Christophe Aubertin
  • Arquitetos Parceiros

    Benoît Sindt ― Studiolada Architects
  • Área

    100.0 m²
  • Ano do projeto

    2015
  • Fotografias

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

Descrição enviada pela equipe de projeto. Concluído em 2010, o Centro Pompidou de Metz projetado por Shigeru Ban rapidamente se tornou um ícone arquitetônico não apenas para a cidade de Metz, mas também para toda a região e até para o país. Dada o importante número de visitantes do museu e restaurante, a necessidade de mais espaço para acomodar mais pessoas no restaurante e no terraço logo se tornou evidente. No entanto, a ideia de intervir em um edifício existente não viria desacompanhada de implicações em relação à integridade arquitetônica - a intervenção iria de fato modificar a fachada e o volume da estrutura existente.

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

Como uma extensão de 100 m² poderia ser construída no Centro Pompidou de Metz? Apenas uma "pluma" se comparada ao ousado edifício colossal. Qual seria a melhor maneira de intervir numa obra de arte como esta, e qual posicionamento seria adotado?

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

Nossa resposta foi se destacar da arquitetura existente. Esta independência permanece, do nosso ponto de vista, como a melhor maneira de resolver os problemas de identidade entre arquitetura coexistentes. Nossa abordagem é precisa e elegante, em respeito ao trabalho de Shigeru Ban. O anexo respeita o seu patrimônio e caráter, enquanto proporciona significado e identidade específicos.

Diagram
Diagram
Diagram
Diagram

O volume é formado por um monólito de vidro, transparente e leve - radicalmente diferente do Museu em termos de vocabulário arquitetônico e escolha de materiais - como o uso da madeira, grandes formas brancas e esquadrias. As fachadas, abstratas e intangíveis, são materializadas pelas reflexões formadas nas formas transparentes. A cobertura parece não existir, com seus limites ocultos pelas esquadrias. Trinta e três painéis brancos formam uma envoltória escultórica em torno do compartimento. Esse novo ambiente permanece como objeto autônomo que parece evitar contato com seu ambiente. A integridade do museu é preservada a medida que a nova estrutura apenas é implantada em seu local - e pode ser facilmente removida, se um dia for preciso.

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

A atmosfera criada pela nova arquitetura é um microcosmo formado pelo terraço e seu entorno. Embora as linhas que formam a volumetria arquitetônica sejam simples e puras, escolhemos uma abordagem mais ousada quando se trata da escolha de materiais, três empresas de artesãos locais foram convidadas para trabalhar no projeto, em um esforço para conectar o edifício com a região de Lorraine.

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

Vidros e Cristais

Ao longo dos anos, a região de Lorraine tem se destacado pelo exímio trabalho com a arte de fabricação de vidros e cristais.

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

As fachadas do novo espaço são feitas de grandes volumes de vidro, alguns deles curvos e unidos por esquadrias metálicas por uma nuvem de pontos. A forma arredondada pode ser vista como um tributo à experiência na fabricação de vidros representada na região de Lorraine por Emile Gallé, Daum, Baccarat, Saint Louis e Meisenthal.

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

Cerâmica

De Lunéville à Saint Clément e Lonwy, a arte da fabricação de cerâmica, louças e terracota também representam um patrimônio importante na região de Lorraine. Em referência à esta tradição, os pisos desta nova extensão formam uma padronagem contínua perfeita que corre entre o terraço e o piso do restaurante.

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

Tecelagem

O desenvolvimento da indústria têxtil na região dos Vosges ao longo do século XIX e XX também foi explorada. Estivemos particularmente interessados nos padrões gerados pelas singularidades das técnicas de tecelagem, que fazem o tecido tão distintivo. Uma grande cortina branca envolve e abriga os espaços internos quando necessário, para evitar a luz solar direta e problemas relacionados a sobreaquecimento. Esta peça única de trabalho foi confeccionada nos ateliês da “maison Garnier Thiébaut” em Gerarmer, nas Região dos Vosges. O tecido branco releva sutilmente sua padronagem geométrica e quase imperceptível apenas em certos ângulos, através de estados diferentes de brilho das linhas brancas.

© Luis Diaz Diaz
© Luis Diaz Diaz

Através destes três tipos diferentes de superfícies - vidro, piso e tecidos - os três ofícios tradicionais de Lorraine se encontram unidos e confrontados pela matriz da padronagem geográfica contemporânea criada em colaboração com o designer gráfico Morgan Fortems.

Diagram
Diagram

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Expansão do Restaurante Pompidou de Metz / Studiolada Architects" [Pompidou Metz Restaurant Extension / Studiolada Architects] 27 Dez 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Santiago Pedrotti, Gabriel) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/802033/expansao-do-restaurante-pompidou-de-metz-studiolada-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.