Primeiro lugar no concurso para a Revitalização da Praça Feira-Mar em Antonina / Arquitetura pela Rua + Mag +Metropolitano + Valls

Primeiro lugar no concurso para a Revitalização da Praça Feira-Mar em Antonina / Arquitetura pela Rua + Mag +Metropolitano + Valls

A Associação de Defesa do Meio Ambiente de Antonina - ADEMADAN e o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná instituíram o Concurso de Ideias de Arquitetura para Revitalização da Praça Feira-Mar, no município de Antonina/PR. O Concurso tinha por objetivo a seleção, dentre as propostas apresentadas, da solução arquitetônica e paisagística mais adequada para a revitalização da Praça Feira-Mar.

Em 1º lugar do concurso ficou o projeto desenvolvido pela equipe formada pelos escritórios de Arquitetura pela Rua, Mag arquiteturas, Metropolitano Arquitetos e Valls, com autoria de Bernardo de Magalhães, Camila da Rocha Thiesen, Cássio Sauer, Diogo Valls e Elisa Martins e colaboração de Jefferson Scapineli e Lucas Schneider Zimmer.

Ruína. Image Cortesia de Metropolitano ArquitetosEsplanada. Image Cortesia de Metropolitano ArquitetosCobertura Multi-Uso. Image Cortesia de Metropolitano ArquitetosPrancha 2. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos+ 14

Apresentamos a seguir o projeto vencedor.

Dos Arquitetos:

ENTRE A CIDADE E O MAR

Ruína. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Ruína. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

Projetar a partir de um cenário único como o de Antonina é uma oportunidade de propor estratégias capazes de potencializar o existente e, ao mesmo tempo, preservar a memória do passado. Unir a paisagem natural com o patrimônio construído, o histórico com o novo, o turístico com o local.

O potencial da cidade de Antonina - devido à proximidade com Curitiba, que a coloca na rota turística em direção ao litoral paranaense – é somado ao rico patrimônio histórico e cultural, ao artesanato da cultura caiçara, à forte gastronomia tradicional e ainda à emblemática paisagem natural de sua implantação à margem da baía e circundada pela cadeia de montanhas da Serra do Mar. Atualmente é necessário contar a história Antonina, resgatar sua autoestima e incrementar a economia local.

Esquemas da Área de Intervenção. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Esquemas da Área de Intervenção. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

 A praça “Feira-Mar” apresenta uma condição específica de conexão entre o patrimônio natural e o construído. A trajetória desse local está diretamente relacionada com as atividades portuárias e comerciais. Assim, é fácil entender a importância da área do mercado que está gravada na memória da comunidade como uma zona de trocas, um local importante para a cidade que merece revitalização.

Implantação. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Implantação. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

O edifício do mercado atual não possui valor histórico ou qualidade arquitetônica. Ele se configura como um volume encerrado e monolítico com pouca relação com a praça e seu entorno. A área limitada do edifício acarretou na criação de anexos que desconfiguraram ainda mais o mercado. É ponto fundamental do projeto a inversão da atual condição do mercado: demolindo o edifício existente e propondo a criação de um sistema diluído pela cidade. A estratégia principal é criar um mercado aberto que se aproprie das edificações existentes do entorno e se dissolva por toda a extensão da praça “Feira-Mar”.

A descentralização do mercado de um único edifício e o desmembramento do programa em módulos comerciais distribuídos pela praça, pelos casarios e pelas ruínas circundantes propõe a ativação do centro histórico reforçando a proposta original da praça “Feira-Mar”. O conceito de módulos comerciais busca manter a essência do pequeno comércio e ao mesmo tempo garantir maior permeabilidade e integração aos programas distribuindo o programa de mercado. Este sistema é flexível e pode crescer ou diminuir conforme a necessidade dos comerciantes.

Renovar as atividades nas imediações da área de projeto é sugerido como uma forma de estender a conexão da praça com a própria cidade. As intervenções propostas assumem um caráter de preenchimento, ocupação e recuperação dos lotes e imóveis subutilizados. Os novos volumes preservam o traçado urbano original respeitando o alinhamento e gabarito das construções vizinhas. Nota-se que esta proposta prevê a manutenção das ruínas como testemunhas do passado, possibilitando ler, reconhecer e contar a história de Antonina.

Sugere-se a ocupação dos lotes e edificações com equipamentos de uso público como biblioteca, centro cultural, museu, entre outros, de acordo com a proposta de intervenção, se adequando a escala das preexistências. Estes programas visam incentivar o turismo e fomentar a cultura do município ajudando a contar sua historia. Restaurantes, lojas e bares também compõem o programa proposto tanto para os novos edifícios como para o conjunto de casarios existentes e contribuem para a ativação tanto diurna quanto noturna dos equipamentos e do entorno.

Esta estratégia visa ampliar a intervenção tendo a praça “Feira-Mar” como a primeira etapa para a revitalização da antiga área portuária de Antonina. Assim considera-se a criação de um plano para o setor que incentive a restruturação dos edifícios patrimoniais em conjunto com o desenho do espaço público garantindo que o projeto cresça progressivamente e que agregue ainda mais qualidade ao ambiente urbano. Neste sentido, é sugerida a criação de diretrizes e incentivos ficais que estimulem o investimento nos edifícios históricos e lotes desocupados, viabilizando restauros e intervenções.

Esquemas da Estratégia de Intervenção. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Esquemas da Estratégia de Intervenção. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

 As soluções adotadas para o projeto de revitalização da praça “Feira-Mar” foram pensadas com o maior poder de síntese no que diz respeito à integração paisagem-cidade-usuário. A intervenção arquitetônica proposta é sutil e não compete com o valor patrimonial dos edifícios existentes. Os novos elementos são sobrepostos ao existente como peças metálicas leves e neutras que complementam a ambiência histórica da cidade.

Foram estabelecidos pontos de conexão entre a intervenção e a cidade que geram integração à escala e à rotina existentes como o trapiche, a Igreja Nossa Senhora do Pilar, a ruína do Armazém Macedo e o Mercado do Peixe.

A NOVA “FEIRA-MAR”

Esplanada. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Esplanada. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

 A proposta para a nova “Feira-Mar” configura uma esplanada que interliga diferentes programas. Um eixo central encaminha o visitante a percorrer toda a extensão da praça e direciona o percurso até as ruínas do Armazém Macedo, à escadaria de acesso ao belvedere e à Igreja Nossa Senhora do Pilar. O percurso histórico proposto percorre os edifícios tombados e exemplares relevantes, estimulando o visitante a caminhar pela cidade e vivenciar as diferentes visuais para a baía de Antonina.

Praça Feira-Mar e Corte. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Praça Feira-Mar e Corte. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

Ao nordeste um espaço multiuso é demarcado por uma cobertura leve e translúcida capaz de abrigar diversas atividades como área de exposições temporárias, feira do livro, cinema ao ar livre além da venda de produtos locais, artesanato e produtos gastronômicos - anteriormente concentrada no edifício do mercado. O uso comercial ocorre, assim, tanto nos módulos como também em eventos temporários como feiras e bazares. A configuração de um local sombreado e amplo gera um espaço flexível que proporciona múltiplas apropriações além de oportunizar um local de encontro e contemplação da paisagem.

Cobertura Multi-Uso. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Cobertura Multi-Uso. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

A interligação da área coberta com a faixa central da praça configura uma grande área livre e dinâmica que poderá receber shows, manifestações artísticas e feiras. Assim, a praça também foi pensada para atender e ampliar os eventos tradicionais da cidade como o Carnaval, o Festival de Inverno, as festas religiosas como a Festa da Padroeira Nossa Senhora do Pilar e eventos esportivos.

Coberturas, Bancas e Escadarias. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Coberturas, Bancas e Escadarias. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

A configuração da praça se dá através da setorização em três faixas: comércio, eventos e atividades. O tratamento do piso delimita a área da praça e evidencia as faixas longitudinais setorizando as áreas verdes arborizadas e o espaço livre central que conecta toda a intervenção. As faixas transversais de vinte em vinte metros – marcadas pelas luminárias - compõem uma malha ordenadora que atribui escala e ritmo ao conjunto demarcando a área de intervenção.

 Na faixa de atividades são delimitadas zonas com diversas possibilidades de uso: áreas de estar, sombra, contemplação e lazer com equipamentos de ginástica e jogos infantis. Junto à orla, a balaustrada preexistente configura um percurso para caminhadas que circunda os demais programas.

Equipamentos. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos
Equipamentos. Image Cortesia de Metropolitano Arquitetos

O desenho proposto busca qualificar a praça como equipamento de lazer para a comunidade com amplo potencial turístico privilegiando e liberando as visuais para a cidade e para o mar. O tratamento do espaço público circundante à praça é unificado considerando a utilização do pavimento em pedra tradicional como elemento de identidade e integração ao existente. Neste sentido a proposta considera o alargamento das calçadas e o nivelamento entre via e passeio público em todo o perímetro da praça, tendo como objetivo integrar os fluxos de pedestre, bicicleta e carros privilegiando a travessia peatonal e reduzindo a velocidade dos veículos.

Galeria de Imagens

Ver tudoMostrar menos

Este concurso foi enviado por um leitor do ArchDaily. Se você quer enviar um concurso, chamada de trabalhos ou outra "oportunidade" por favor, use o formulário "Enviar um Concurso". As opiniões expressas nos anúncios enviados pelos usuários archdaily não refletem necessariamente o ponto de vista de ArchDaily.

Cita: Amanda Ferber. "Primeiro lugar no concurso para a Revitalização da Praça Feira-Mar em Antonina / Arquitetura pela Rua + Mag +Metropolitano + Valls" 12 Jul 2016. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/791037/primeiro-lugar-no-concurso-para-a-revitalizacao-da-praca-feira-mar-em-antonina-arquitetura-pela-rua-plus-mag-plus-metropolitano-plus-valls> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.