The Europe - Galeria do Extremo Leste / Ingarden & Ewý Architekci

The Europe - Galeria do Extremo Leste / Ingarden & Ewý Architekci

© Krzysztof Ingarden© Krzysztof Ingarden© Krzysztof Ingarden© Krzysztof Ingarden+ 27

Kraków, Polônia
  • Equipe De Arquitetos Iea :Jacek Dubiel, Piotr Hojda, Sylwester Staniucha, Sebastian Machaj, Piotr Urbanowicz, Bartosz Haduch, Sylwia Gowin, Dariusz Grobelny, Tomasz Żełudziewicz, Enio Ferreira, Jakub Wagner, Jakub Turbasa, Marcin Głuchowski, Michał Konarzewski
  • Projeto Interiores:Ingarden & Ewý Architekci
  • Arquitetos De Interiores:Agnieszka Cwynar-Łaska, Marta Spodar
  • Projeto Paisagístoco:Land-Arch / Karolina Bober, Małgorzata Tujko
  • Engenharia Estrutural:GSBK Biuro Konstrukcyjne – Mariusz Szefer, Samsoor Shaheed, Przemysław Ruchała
  • Instalações Elétricas:Hamel Biuro Projektowe – Stanisław Hamerski, Piotr Kmietowicz, Bogdan Milka, Gabriel Barut, Insap – Arkadiusz Milka, Tomasz Żuk
  • Instalações Hidrosanitárias:Bestpro – Beata Stępień, Tomasz Widuch
  • Condicionamento De Ar:Introinstal – Ireneusz Doncer, Piotr Petryk, Małgorzata Kurek
  • Projeto Ruas E Acessos:Zdzisław Krzysztoforski
  • Construção:Przedsiębiorstwo Budownictwa Przemysłowego „Chemobudowa – Kraków” SA Wiesław Żurowski, Jerzy Mendel, Kazimierz Łącki, Tomasz Gawor, Ryszard Słowik, Michał Pietras, Robert Poliński
  • Empreiteira:Portico Project Management sp. z o.o. i Wspólnicy sp.k. Zbigniew Boroń, Jurand Podgórny, Agnieszka Jasińska, Bogusław Mróz, Wacław Bednarczyk, Sabina Rzeszutek
  • Cidade:Kraków
  • País:Polônia
Mais informaçõesMenos informações
© Krzysztof Ingarden
© Krzysztof Ingarden

Descrição enviada pela equipe de projeto. O ano de 2015 marca os vinte anos da publicação da revista Tygodnik Powszechny na qual Andrzej Wajda anunciou sua intenção em criar um museu de Arte e Tecnologia Japonesa em Cracóvia - um espaço permanente para a exposição da coleção de arte japonesa de Feliks ‘Manggha’ Jasieński’s. Em 1994, durante a abertura do novo edifício, ninguém poderia imaginar que as novas instalações iriam iniciar uma série de ideias de artistas instigando a criação de nova arquitetura em Cracóvia, juntamente com novas instituições culturais e educacionais. Seguindo este projeto, algo sem precedentes em todos os sentidos possíveis, mais elementos foram lançados na inspiração de Wajda: o Pavilhão do Chá com um jardim, a Escola de Língua Japonesa, o Pavilhão Wyspiański 2000 e agora o empreendimento mais recente - um anexo voltado para exposições no Museu Manggha, chamado de The Europe - Galeria do Extremo Leste.

© Krzysztof Ingarden
© Krzysztof Ingarden

A ideia para o novo edifício surgiu em 2004 em conexão com a aquisição por parte do Museu Manggha de um pequeno terreno conjunto à sua sede. Konopnickiej. O objetivo principal daqueles que conceberam o projeto era abrir o escopo de suas atividades de exposição e intercâmbio – da relação Polônia-Japão à Europeu-Extremo leste – que coincidiram com a acensão da Polônia a União Europeia. O novo espaço expositivo foi destinado a apresentações de arte europeia e culturas do sudeste da Ásia, incluindo a península indiana. O programa da Galeria proporciona a exibição de arte antiga assim como de arte recente; o novo edifício possui duas salas de exposição em dois pavimentos. Como pretendido pela administração do Museu Manggha, ambos são espaços clássicos como cubos brancos, uma expressão o mais neutra possível, para permitir a exibição das várias formas de arte principalmente a moderna. O edifício de Manggha carecia deste tipo de ambiente pelas características de seu espaço expositivo principal que foi elaborado com as necessidades específicas para a exposição de arte histórica – que exigem espaços especiais em termos de iluminação, controle específico de temperatura e umidade. A rigorosas especificações destas condições limitaram as possibilidades para a exposição de arte contemporânea. O novo edifício aumenta o escopo de exposições em potencial de maneira considerável, permitindo aos curadores muito mais liberdade em termos do uso do espaço e dos tipos de projetos de exposição. Além disto, a Galeria está equipada com infraestrutura necessária para a preparação de exposições, escritórios para os curadores, e espaços de estacionamento exclusivos dentro do edifício.

© Krzysztof Ingarden
© Krzysztof Ingarden
Planta
Planta
Planta
Planta
Planta
Planta
© Krzysztof Ingarden
© Krzysztof Ingarden

A FORMA DO EDIFÍCIO

O edifício principal do Museu Manggha é uma composição completa e acabada, com sua cobertura em uma forma sofisticada e única, caracterizada pela sobreposição de uma série de planos geometricamente baseados em uma paraboloide hiperbólica. Qualquer ação que busca complementar ou estender esta composição envolveria o perigo de interromper esta harmonia. O edifício do Museu Manggha permanece como o elemento dominante em termos funcionais e formais, e é à isto que a escala e composição do novo edifício está subordinada. Sua envoltória foi removida o máximo possível da abordagem da entrada principal de Manggha e está localizado em uma posição que o previne de bloquear as vistas do edifício existente. Konopnickiej. A altura foi alinhada com a escala da cobertura ondulante do Manggha. Uma zona de entrada separada foi projetada para a Galeria, que possui sua própria escada, rampa de acesso e terraço que podem ser utilizados para a exposição e atividades artísticas no exterior do edifício. A localização do terraço aumenta o espaço público em frente ao Manggha e cria uma sensação intra-urbana adicional, delimitada pelas fachadas dos dois edifícios. O espaço sob o terraço abriga um estacionamento coberto. Feitas de superfícies de vidros e arenito simples as fachadas são compostas em correspondência com as formas análogas dos elementos arquitetônicos existentes no exterior em frente ao Manggha - as rampas e escadas. A diagonal superior da fachada sul corresponde as linhas diagonais dos balaustradas das rampas em frente ao edifício do museu. Calma, simples e reservada em sua expressão, a forma arquitetônica da nova estrutura proporciona um pano de fundo discreto para o edifício principal, este em primeiro plano em sua expressão arquitetônica característica.

© Krzysztof Ingarden
© Krzysztof Ingarden

Konopnickiej, a pista lateral proposta do edifício corresponde com a direção estabelecida pelas linhas de calçadas, iniciando um novo alinhamento em relação às fachadas ao longo da rua em direção a Ponte Dębnicki . Ao norte e à leste, o edifício é flanqueado por, e constitui uma continuação arquitetônica da Escola de Língua Japonesa, erigida pela Fundação Kyoto-Cracóvia, em 2004.

© Krzysztof Ingarden
© Krzysztof Ingarden

A ESTRUTURA

O edifício da Galeria possui três pavimentos acima do solo e um sub-solo. A disposição estrutural dos componentes que compõem a instalação é complexa e heterogênea. Isto foi causado pela locação da geometria complexa do terreno, mas também pela natureza multifuncional das instalações e da proximidade imediata dos edifícios existentes no entorno. Os principais elementos estruturais são vigas, pilares e lajes de concreto armado. No nível do subsolo, a estrutura de suporte é proporcionada por um sistema fechado de paredes externas em concreto armado com 25 cm de espessura, e paredes internas que variam de 20 a 25 cm. A disposição das paredes do subsolo aliadas com as vigas de fundação e o 'deck zero' formam uma caixa rígida transferindo a carga ao solo, assim como transmitem a tensão das paredes exteriores. As paredes externas e as fundações constituem uma bacia estanque, feitas de concreto resistente à água. A estrutura de apoio do pavimento térreo compreende as paredes externas de 25 cm de espessura, e as paredes internas. Já a estrutura do segundo pavimento é formada pela laje de 25 centímetros e as paredes exteriores, também com 25 cm. A última parede, que não é continuada para baixo, está ligada ao longo da sua altura para lajes em balanço, que são extensões das paredes laterais. Este sistema estrutural - vigas, lajes e colunas - tem a rigidez espacial necessária para transmitir todas as tensões e distribuir as cargas uniformemente quando transfere para o solo.

© Krzysztof Ingarden
© Krzysztof Ingarden

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Cracóvia, Polônia

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "The Europe - Galeria do Extremo Leste / Ingarden & Ewý Architekci" [The Europe - Far East Gallery / Ingarden & Ewý Architekci] 28 Mai 2016. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/787986/the-europe-galeria-do-extremo-leste-ingarden-and-ewy-architekci> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.