O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Canadá
  5. Nathalie Thibodeau Architecte
  6. 2014
  7. La Cache / Nathalie Thibodeau Architecte

La Cache / Nathalie Thibodeau Architecte

  • 17:00 - 9 Março, 2016
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
La Cache / Nathalie Thibodeau Architecte
La Cache / Nathalie Thibodeau Architecte, © Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

© Maxime Brouillet © Maxime Brouillet © Maxime Brouillet © Maxime Brouillet + 24

Descrição enviada pela equipe de projeto. Localizada nas margens do Rio Assomption, na região de Lanaudière, ao norte de Montréal, a propriedade está no coração de uma floresta de densidade excepcional, definido pela verticalidade e pelas árvores de troncos estreitos, que são bastante comuns na região.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

No cume de uma montanha, um caminho curvo ao redor do penhasco leva até o rio. Embora o canal não seja visível da maior parte do local, o som de sua corrente impetuosa revela a sua presença. Um fator notável e excepcional é o grupo de bétulas maduras que colonizaram o flanco do penhasco, adicionando um toque luminoso e quase irreal para o local.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

O projeto tem uma pegada ecológica muito pequena, por isso, foi interessante brincar com a verticalidade do ambiente. O projeto foi construído no topo do penhasco, de modo a beneficiar a sua altura e jogar-se na verticalidade da floresta de abetos, como um caçador na floresta. Ela está localizada no coração da floresta, perto de um grupo de bétulas que tomam o centro do palco. Por esta razão, as janelas da sala e portas foram concebidas como quadros, de modo que a monumentalidade da configuração possa ser apreciada.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

O projeto se desenvolve através do terreno e culmina no rio. O caminho serpenteia através de vários espaços convivência. Terraços foram dispostos ao longo do caminho de modo que cada espaço pode ser apreciado de maneira diferente, de acordo com a hora do dia.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

Volume

O personagem sombrio e austero do ambiente, criado pela densa floresta, foi reforçado com a construção em altura de cor escura, de modo a derreter-se e camuflar-se no ambiente, tanto quanto possível. O projeto pode ser vislumbrado entre troncos de árvores verticais e através dos pontos afiados de ramos de abeto.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

A verticalidade do volume significa que o local se abre para cima, permitindo que a luz entre no edifício. O segundo andar é tratado não como um mezanino, mas como uma fenda, por onde a luz entra.

Planta baixa - térreo
Planta baixa - térreo

A fim de reduzir a pegada ecológica do edifício, ele é distribuído através de duas alas. A primeiro compreende a residência principal, a segundo é a varanda - um espaço essencial nesta região. A varanda é separada da casa por uma passagem coberta, que chama a atenção para o penhasco e para o rio abaixo.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

Interior

A entrada para a casa, na fachada norte da ala principal, tem muito poucas janelas.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

A verticalidade das aberturas ecoa a forma da casa. O tamanho compacto exigia que os volumes interiores fossem espaçoso e cheios de luz. Desde a área de entrada, um corredor leva os visitantes aos espaços localizados ao sul. A escada para o andar de cima acentua a verticalidade do todo. Com a sua chaminé interminável, o fogão, localizado na extremidade mais distante do chão, mantém o fenômeno.

Fachada 2
Fachada 2

A cozinha foi colocada no lado sul, perto da varanda, onde muitas refeições de verão serão apreciado. A vista da paisagem é mais aberta deste lado, e a versatilidade do espaço permite uma maior diversidade de usos.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

A escadaria até os quartos foi instalada em uma abertura através do segundo andar, abrindo o espaço em ambos os pavimentos. Um corredor percorre toda a extensão para conectar os dormitórios, mas também para trazer luz para o térreo.

© Maxime Brouillet
© Maxime Brouillet

As aberturas foram concebidas como quadros, emoldurando a paisagem, procurando camuflar-se na natureza onipresente, tanto pelos aromas da floresta quanto pelos canto dos pássaros ou o rio. A luz, filtrada através das árvores, muda com as horas do dia e as estações do ano e oferece um lugar que está mudando constantemente, em perfeita harmonia com o ser vivo que é a floresta circundante.

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Cita: "La Cache / Nathalie Thibodeau Architecte" [La Cache / Nathalie Thibodeau Architecte] 09 Mar 2016. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/783386/la-cache-nathalie-thibodeau-architecte> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.