O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Pavilhão
  4. Portugal
  5. Atelier João Quintela Tim Simon
  6. 2015
  7. Pavilhão Povera / Atelier João Quintela Tim Simon

Pavilhão Povera / Atelier João Quintela Tim Simon

  • 09:00 - 5 Dezembro, 2015
Pavilhão Povera / Atelier João Quintela Tim Simon
Pavilhão Povera / Atelier João Quintela Tim Simon, © Diana Quintela
© Diana Quintela

© Diana Quintela © Diana Quintela © Diana Quintela © Diana Quintela + 19

  • Arquitetos

  • Localização

    Almada, Portugal
  • Equipe de Projeto

    João Quintela, Tim Simon, Alexandre Sequeira, Ana Carvalho, Eduardo Bote, Francisca Guimarães, João Carlos Lopes, João Pedro Faria, Pedro Grilo
  • Ano do projeto

    2015
  • Fotografias

© Diana Quintela
© Diana Quintela

Descrição enviada pela equipe de projeto. A cenografia, em Teatro, é geralmente subordinada a um texto e a uma ação. Poderíamos concebê-la inversamente? Poderia o espaço antecipar e influenciar a própria ação enquanto variável de contorno? O espaço, a cenografia, afinal de contas a própria Arquitetura, pode favorecer determinados acontecimentos em função de outros, de um modo não impositivo. Espaço, Texto e Ação nascem assim de modo intrínseco e não determinado à partida, numa relação de dependência, umbilical. Porque, como escreve Aldo Roosi, “o Teatro tem a ver com um acontecimento: o seu início, o seu desenvolvimento e a sua conclusão. Sem Acontecimento não existe Teatro e não existe Arquitetura”.

© Diana Quintela
© Diana Quintela

O Pavilhão POVERA, concebido para o Festival de Teatro de Almada e em particular para a celebração do 10º aniversário do Teatro Municipal Joaquim Benite ("Teatro Azul", projetado por Manuel Graça Dias e Egas José Vieira), define-se por uma estrutura integralmente construída em madeira de pinho nacional com acabamento tosco, que expõe a sua condição artesanal, imperfeita, e que aceitamos como virtude e mais valia. O elemento triangular que geralmente é utilizado como suporte físico das cenografias bidimensionais, escondido na parte posterior do palco, foi redesenhado e recuperado como peça essencial que define o projeto. Os pilares e as vigas maciças colocados nos extremos oferecem estabilidade e consistência à totalidade da estrutura enquanto simultaneamente definem o momento de entrada. Estes elementos construtivos essenciais surgem com um caráter quase figurativo devido ao acabamento liso, à cor, e ao seu posicionamento, uma vez que estão precisamente alinhados com os dois teatros já existentes no local.

Isométrica
Isométrica

 Recuperando a tipologia espacial circular presente em algumas representações teatrais da época medieval, POVERA remete também para a ideia do anfiteatro romano, concebido inicialmente a partir da composição/combinação formal dos teatros clássicos e introduzindo ligeiras variações funcionais. O pavilhão proposto para o Festival de Teatro procura resgatar alguns padrões espaciais destes espaços dada a sua relação com o contexto, no entanto é propositiva quanto à sua democratização: o palco e a plateia são um e o mesmo espaço. O público vive a condição de actor, participa de modo activo. O actor vive a condição de espectador, observa e analisa a acção. É parte integrante; O espaço primordial da acção é o "espaço vazio", não construído. A ação constrói-se ali mesmo; O espaço é definido mas não encerrado, permite que desde de fora se observe o interior; A estrutura aponta premissas espaciais e favorece ações, sem imposições, numa dinâmica fluida dentro de um contexto estático. Não há palco principal ou focos de ação pré-definidos. A cena desenvolve-se formalmente de maneira flexível, em função do ator. 

© Diana Quintela
© Diana Quintela

No livro ‘Atlas do corpo e da imaginação’, o escritor português Gonçalo M. Tavares fala da construção de situações em dois tipos: os movimentos receptores da existência, aqueles que recebem os acontecimentos de um modo passivo, que se adaptam, e os movimentos emissores da existência, que por oposição aos primeiros, alteram as condições momentâneas da existência, são propositivos. Através do pavilhão POVERA, que se localiza entre a entrada da Escola D. António da Costa e o palco principal, as pessoas são convidadas a percorrer este espaço onde está a acontecer uma ação que apenas terminará depois, já sem espectadores. O público é convidado a assistir à ação e a ser parte integrante. É, simultaneamente, receptor e emissor de movimentos de existência dentro do palco que afinal é a vida mesma, uma rotina, um ritual, o quotidiano. Será realmente que ‘o Teatro é lugar onde acaba a Arquitectura e começa o mundo da imaginação e do insensato’?

© Diana Quintela
© Diana Quintela

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Pavilhão Povera / Atelier João Quintela Tim Simon" 05 Dez 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/778321/pavilhao-povera-atelier-joao-quintela-tim-simon> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.