O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Instituto
  4. Brasil
  5. Oficina de Arquitetos
  6. 2013
  7. Núcleo de Estudos em Água e Biomassa / Oficina de Arquitetos

Núcleo de Estudos em Água e Biomassa / Oficina de Arquitetos

  • 05:00 - 16 Novembro, 2015
Núcleo de Estudos em Água e Biomassa / Oficina de Arquitetos
Núcleo de Estudos em Água e Biomassa  / Oficina de Arquitetos, © Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz

© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz © Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz © Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz © Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz + 30

  • Arquitetos

  • Localização

    Campus da Universidade Federal Fluminense (UFF) Praia Vermelha, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil
  • Autores

    Ana Paula Polizzo, Gustavo Martins e Marco Milazzo
  • Coordenador

    Gustavo Martins
  • Colaboradores

    Fernanda Mousse, Sara Jorge e Raissa Rocha
  • Área

    430.0 m2
  • Ano do projeto

    2013
  • Fotografias

  • Estrutura e Fundações

    Cad Projetos Estruturais
  • Instalações

    Mieux Engenharia
  • Ar condicionado

    José de Oliveira Bastos Neto
  • Incêndio

    Sugan Projetos
  • Construção

    Construtora Anhanguera Ltda
  • Mais informações Menos informações
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz

Arquitetura como espaço do coletivo

 O Edifício que abriga o atual Núcleo de Estudos em Água e Biomassa (NAB) da Universidade Federal Fluminense (UFF) é fruto da parceria entre o Instituto de Química da UFF e a Petrobras. A nova edificação situa-se no campus da Praia Vermelha, no bairro da Boa Viagem (em Niterói) num terreno que está voltado para a baía de Guanabara, compartilhando com seus vizinhos uma das vistas mais belas da cidade. 

O local onde o edifício se implanta – assim como boa parte do campus da Praia Vermelha da UFF - é fruto de área de aterro proveniente do desmonte histórico de parte do morro do Gragoatá. Sua cota de implantação chega a variar 8m em relação à Av. Gal. N. Tavares de Souza, a rua frontal que gera o limite do campus com a baía de Guanabara. 

© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz

No projeto para o NAB, foram considerados três aspectos principais no processo de projeto e na intenção conceitual: em primeiro o lugar, a relação com a paisagem, que é extremante dominante neste caso; em segundo lugar a especificidade de seu programa, ou seja, a necessidade de abrigar um conjunto de laboratórios; e por fim - e não menos importante por isso - o resgate do espaço público oferecido pela composição volumétrica do prédio. 

Durante anos os edifícios do campus – conhecidos como Ufasas (Unidades Funcionais de Sala de Aula) - faziam de seus pilotis áreas fundamentais por seu caráter de permanência, de circulação, configurando-se como verdadeiros lugares de encontro. Em muitos casos as áreas de jardins avançavam sob este espaço coberto permitindo novos caminhos e se apropriando desta área comum do espaço público universitário. Ainda hoje no campus do Gragoatá, próximo ao da Praia Vermelha, é possível identificar esta dinâmica. 

Corte
Corte

No entanto, com o passar do tempo os institutos universitários foram entendendo que em função da falta de espaço e verba destinada à manutenção e construção de novos edifícios na universidade estes “vazios” deveriam ser preenchidos por áreas funcionais. 

Esta premissa causou grandes modificações no uso do espaço coletivo no campus Praia Vermelha e até mesmo na percepção do conjunto. Afastados entre si por apenas 10m e em muitos casos, com seus térreos agora não mais atravessáveis pelo pedestre, os edifícios voltam-se pra si próprios, repelindo a comunidade acadêmica de outros cursos de suas dependências. Percebe-se assim, uma fragmentação do espaço coletivo e por consequência, uma maior concentração das discussões, pesquisas e trabalhos nos espaços internos. Logicamente, o isolamento das comunidades acadêmicas foi o caminho adotado. As áreas de jardins que antes faziam parte dos pilotis tornaram-se desinteressantes e atualmente são apartados: margeiam os edifícios, limitando-se a cerca-los.    

© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz

O NAB é um questionamento a esta equivocada premissa de ocupação do espaço público da universidade. Propomos um edifício que seja resultado do diálogo com o lugar não apenas se adaptando a ele, mas fazendo parte da construção de uma paisagem, onde edifício e terreno, claramente distintos, são peças de uma única engrenagem uma vez que compartilham do mesmo objetivo: possibilitar uma nova compreensão espacial e valorizar a percepção do lugar coletivo. 

A implantação do NAB segue as mesmas premissas adotadas no conjunto das UFASAS. No entanto, as proporções geométricas do terreno destinado a ele não segue uma lógica pré-definida como dos demais edifícios. O NAB praticamente é adaptado a um espaço residual entre o complexo de novos edifícios da Computação e do grande edifício que abrigará um conjunto de laboratórios para o próprio instituto de Química da UFF. Este fato reforça as intenções projetuais aplicadas no NAB ao caracterizá-lo como um espaço de interseção e comunicação, que promove não só a circulação e a passagem mas também a ocupação deste espaço residual através do encontro e da troca entre as pessoas. 

© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz

O uso de materiais como o concreto armado, aço, alumínio, vidro, e outros, ganharam novos critérios de emprego, reforçando o espírito público e austero do edifício. Uma enorme viga treliçada de 5,6m de altura em forma de um “L” margeia o espaço livre coberto do edifício. Esta consonância com a paisagem permite que seu embasamento apresente-se como um potencializador do desejado encontro entre alunos, técnicos e professores.

A distribuição espacial

 O acesso principal é feito no nível +2,11m, onde se encontram a recepção, secretaria e o espaço de múltiplo uso e apoios técnicos. Uma única prumada técnica concentra elevador, escada, shafts, banheiros e vestiários que se estendem aos andares superiores (área acadêmica) e inferiores (Laboratórios especializados), formando um volume de concreto. 

Planta Baixa
Planta Baixa

Através das circulações verticais é possível se ter acesso ao Mezanino Técnico (nível +5,34m) que abriga uma sala reservada, depósitos, área de xerox, área técnica dos condensadores e o primeiro terraço. Este mezanino possui áreas destinadas a jardim que limitam sua extensão e concentram os espaços técnicos. 

No subsolo (nível -2,50m) encontra-se a área mais reservada do NAB. O conjunto é formado por uma central analítica, salas de suporte técnico, área técnica para ar condicionado, almoxarifado, vestiários, casa de bombas e depósitos. Esta área possui acesso restrito ao público externo, alunos e professores não autorizados. Sua localização no subsolo cria áreas com fatores ambientais controlados, o que é importante para manter a confiabilidade nos resultados laboratoriais. Além disso, o corredor técnico possibilita não só o fácil acesso a manutenção dos três laboratórios como também gera um espaço entre as paredes de contenção do edifício e a parede do laboratório tornando-os independentes. 

© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz

O térreo do edifício conecta as áreas inferiores (subsolo com laboratórios) e as superiores (mezanino, 1º. pavto, 2º pavto. e Terraço Jardim). Os pavimentos educacionais são compostos pelo 1º (nível +7,84m) e 2º (nível +11,07m) pavimentos. Neles encontramos os demais laboratórios, salas de aula, sala de reuniões, sala de professores, gabinetes e outros. O terraço jardim (nível +14,30m) é sem dúvida a extensão do espaço universitário, sendo este possível de ser utilizado por todos.

 As fachadas Norte e Oeste são é protegidas por uma pele formada por placas fixas de alumínio afastadas 60cm da parede do edifício, funcionando como um anteparo, uma espécie de brise soleil. Estas placas foram dispostas horizontalmente segundo parâmetros de espaçamento determinados pelas aberturas das janelas, pelo afastamento do edifício vizinho e pelo ângulo incidência solar em sua área.  No terraço, a altura dos anteparos descortina a paisagem seguindo a orientação do poente, colaborando assim para o melhor aproveitamento do espaço do próprio terraço, protegendo-o do forte sol e ventilação excessiva, mas garantindo a ampla vista para o Rio de Janeiro e entorno imediato. 

© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz
© Lauro Rocha e Kristoffer Rage Krantz

Já a fachada Leste é composta pelo volume que abriga áreas técnicas, como os dois elevadores, a escada de incêndio, os sanitários e depósito. Este volume é quase todo de concreto, um bloco técnico que concentra também os principais shafts do edifício. Este volume é independente daquele que concentra as atividades laboratoriais e acadêmicas, sendo estes separados por uma área de circulação que faz a transição entre ambos os volumes.    

A fachada Sul também possui uma proteção especial. Ela se abre plenamente para a Ilha da Boa Viagem, marco natural e histórico da cidade. Nesta fachada estão os gabinetes, as salas de aula e de professores (andares corridos do edifício), todas vedadas por esquadrias verticais com 1,00 de largura e 2,00m de altura que avançam 30cm para o interior das salas, possibilitando a proteção de indesejáveis raios solares do poente.  

Perspectiva
Perspectiva

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Oficina de Arquitetos
Escritório
Cita: "Núcleo de Estudos em Água e Biomassa / Oficina de Arquitetos" 16 Nov 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/777246/nucleo-de-estudos-em-agua-e-biomassa-oficina-de-arquitetos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.