O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Banco
  4. Portugal
  5. João Pedro Falcão de Campos
  6. 2013
  7. Remodelação do Edifício Sede do Banco de Portugal / Gonçalo Byrne Arquitectos + João Pedro Falcão de Campos

Remodelação do Edifício Sede do Banco de Portugal / Gonçalo Byrne Arquitectos + João Pedro Falcão de Campos

  • 09:00 - 20 Março, 2015
Remodelação do Edifício Sede do Banco de Portugal / Gonçalo Byrne Arquitectos + João Pedro Falcão de Campos
Remodelação do Edifício Sede do Banco de Portugal / Gonçalo Byrne Arquitectos + João Pedro Falcão de Campos, © José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

© José Manuel Rodrigues © José Manuel Rodrigues © José Manuel Rodrigues © José Manuel Rodrigues + 22

  • Gestão, planeamento e controle de qualidade de projeto

    Consulbarra, Lda. - Eng. José Pedro Duarte Tavares
  • Projeto de fundações e estrutura

    A2P. Estudos e Projectos Lda. - Eng. João Appleton, Eng. Vasco Appleton
  • Projeto de instalações elétricas

    Joule, Projectos, Estudos e Coordenação, Lda. - Eng. João Fernando Caetano Gonçalves, Eng. Luís Miguel da Fonseca Caetano Gonçalves
  • Projeto de iluminação (consultor)

    Eng. Raúl Serafim
  • Projeto de instalações e equipamentos de segurança

    Joule, Projectos, Estudos e Coordenação, Lda. - Eng. João Fernando Caetano Gonçalves, Eng. Luís Miguel da Fonseca Caetano Gonçalves
  • Projeto de AVAC e instalações mecânicas

    José Galvão Teles, Engenheiros, Lda. - Eng. José Galvão Teles, Eng. Miguel Galvão Teles
  • Projeto de instalações hidráulico-sanitárias

    G.R. Estudos, Projectos e Consultadoria, Lda. - Eng. Grade Ribeiro, Eng. Gorete Santos
  • Projeto de elevadores

    Joule, Projectos, Estudos e Coordenação, Lda. - Eng. João Fernando Caetano Gonçalves, Eng. Luís Miguel da Fonseca Caetano Gonçalves
  • Projeto de segurança e saúde

    A2P. Estudos e Projectos Lda. - Eng. Nuno Manuel Appleton, Arq. António Portugal
  • Projeto de condicionamento acústico

    Eng. João Barrento da Costa
  • Empreiteiro geral

    HCI - Construções, S.A. - Eng. Furtado Marques, Eng. Nuno Guerra, Eng. Rui Silva
  • Arqueologia

    Arqueohoje, Lda - Dr. Artur Rocha
  • Restauro

    CaCo3, Conservação do Património Artístico, Lda. - Dra. Teresa Silveira, Carlos Monteiro
  • Intervenção artística 'Cortinas'

    Fernanda Fragateiro
  • Custo da construção

    19.623.286,00 €
  • Mais informações Menos informações
© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

Descrição enviada pela equipe de projeto. A remodelação do Edifício Sede do Banco de Portugal procura contribuir para o  reforço da centralidade política, institucional, representativa e cultural da cidade de Lisboa, na Baixa Pombalina, no respeito pelo patrimônio, memória e identidade, como estímulos à transformação, criatividade e inovação. 

O projeto inspira-se na presença arquitetônica e urbanística da admirável 'fábrica' Pombalina, que constitui provavelmente o mais notável exemplo europeu da cidade do iluminismo e indiscutivelmente um dos momentos mais altos da nossa cultura, destacando: o conceito do edifício-quarteirão que integrando a igreja de S. Julião, não compromete a sua presença unitária; a importância da cenografia facial das fachadas e respetiva hierarquia; e a relevância da presença do saguão longitudinal no funcionamento e articulação de todo conjunto. 

Fachadas
Fachadas

A abertura à cidade do edifício, salvaguardando as questões de privacidade e de segurança inerentes ao funcionamento da instituição, esteve na base do projeto de arquitetura. 

O projeto parte da intenção clara de revelar e disponibilizar os magníficos espaços da antiga igreja e a sua ligação ao saguão do quarteirão. As notáveis proporções desta sequência de espaços vazios, como uma praça e um arruamento urbanos, constituem a espinha dorsal de todo o edifício.

© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

O prolongamento do espaço público, Praças do Município e de S. Julião, e das suas características vivenciais de luz, permeabilidade e materialidade, para o interior do quarteirão Pombalino, através da sequência espacial da entrada da igreja, nártex, nave, altar-mor e ligação axial ao saguão, permite estruturar e ordenar a utilização de todo o edifício. As circulações verticais, elevadores e escadas, adoçam-se a este eixo longitudinal principal. 

A espacialidade da igreja, em todo o seu esplendor, proporciona excelentes condições para atividades representativas e culturais. A igreja funcionará como espaço de acolhimento e como espaço cultural polivalente, a grande sala de visitas do Edifício Sede do Banco de Portugal. 

© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

É intenção do Banco de Portugal instalar o Museu do Dinheiro no espaço envolvente à nave central da igreja. Reforçando a ideia de abertura à cidade, o museu procurará comunicar com a comunidade promovendo a literacia financeira e econômica. 

Para além destes propósitos o projeto foi encarado como um processo de conhecimento e de clarificação sucessiva das funções programáticas, dos acessos e das soluções técnicas adequadas, que resulta de um constante diálogo com o dono de obra, as entidades licenciadoras e as especialidades envolvidas: estruturas, instalações especiais, arqueologia, restauro, museografia, artes plásticas, respeitando a própria história do edifício. 

Planta e Corte Geral
Planta e Corte Geral

No início do processo salienta-se a realização de um conjunto de estudos que permitiram avaliar o comportamento do quarteirão e definir estratégias rigorosas de projeto: levantamentos arquitetônicos, levantamentos fotogramétricos de paramentos, estudo de diagnóstico de fundações e estruturas, prospecções geológicas e geotécnicas, sondagens arqueológicas, estudo para aferição de metodologias de intervenção de restauro, guião base da museografia e a história do edifício. 

O reforço estrutural do edifício foi um objetivo principal de toda a intervenção, de forma a salvaguardar as pessoas e bens numa situação de catástrofe similar à de 1755 e cumprir o euro-código 8 (código internacional de regulamentação de estruturas sismo-resistentes). 

© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

Com a construção de um modelo de comportamento estrutural de todo o quarteirão constatou-se que, na eventualidade de ocorrer um sismo de média intensidade (grau 7 na escala de Richter), as zonas com maior risco de desmoronamento seriam o frontão da igreja, a torre sineira e o edifício que acolhe a sala do conselho. 

A fim de circunscrever as intervenções optou-se por demolir o interior dos dois edifícios contíguos à igreja, charneira com o restante quarteirão, mantendo-se as fachadas exteriores. Estes foram denominados 'edifícios-sacrifício' na medida em que a sua reconstrução permitiu implantar núcleos de betão que, pela sua centralidade, conferem rigidez estrutural a todo o quarteirão. Facilitou também albergar as escadas e os elevadores assim como os ductos verticais de grande parte das infraestruturas de climatização, elétricas, hidráulicas, incêndio e segurança beneficiando igualmente a acessibilidade e a mobilidade. 

© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

Um dos maiores desafios do projeto e da obra foi o preciso posicionamento dos diversos órgãos constituintes das redes de infraestruturas e a otimização dos seus traçados, minimizando o seu impacto espacial e facilitando as operações de manutenção. 

Como se esperava, e na sequência das sondagens prévias, a arqueologia assumiu um papel primordial ao longo de toda a intervenção. Dos diversos achados destacam-se a muralha de D. Dinis, patrimônio nacional, que se integrará no futuro percurso museológico; a primitiva cabeceira do altar-mor que valorizou o conjunto em que se insere; a existência de uma necrópole na zona da antiga igreja; a estacaria e respetiva grelha pombalinas; e fragmentos cerâmicos que abrangem um espectro que tem como limite inferior o séc.I d.C.. 

© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

Os paramentos da igreja encontravam-se em estádios diferentes de conservação. Os danos provocados pela construção de casas-fortes nas capelas laterais e no altar-mor eram muito significativos. 

Num contexto de debate e reflexão cuidadosos, procurou-se valorizar todo o conjunto tirando o máximo partido da pedra lioz como matéria natural, com as suas diferentes tonalidades e texturas, assumindo as suas cicatrizes como testemunhos do tempo. Acima de tudo, procurou-se alcançar uma harmonia e um equilíbrio global, utilizando todas as técnicas disponíveis: conservação, reparação, restauro, reconstrução e renovação. 

© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

A intervenção no restante quarteirão procurou restringir-se a operações de manutenção, renovação de infraestruturas e reforços pontuais de estruturas, respeitando escrupulosamente o programa decorativo existente, como por exemplo nas salas da assembleia e do conselho. 

Para delimitar e corrigir acusticamente os espaços da igreja e do museu concebeu-se um conjunto de cortinas e panos em seda pura, dourada e prateada. A artista plástica Fernanda Fragateiro foi convidada a participar na sua concessão e executou uma cuidadosa pintura manual que reproduz os manuscritos originais do Livro do Desassossego, escrito por Bernardo Soares, um heterônimo de Fernando Pessoa. 

© José Manuel Rodrigues
© José Manuel Rodrigues

O seu contributo traz ao espaço arquitetônico algo precioso, subtil e delicado que ativa a interação com o espectador. A utilização da seda e os respetivos escritos introduzem no espaço uma materialidade que irradia luz, calor e leveza, em contraste com a opacidade, o peso e o frio da pedra. 

O projeto procurou uma visão unitária de toda a intervenção, um desejo de continuidade e de complementaridade, em que o antigo e o contemporâneo, o original e a reparação, o restauro e a intervenção proposta se incorporam numa nova singularidade que responde às necessidades de utilidade e de beleza. 

Plantas
Plantas
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato. Cita: "Remodelação do Edifício Sede do Banco de Portugal / Gonçalo Byrne Arquitectos + João Pedro Falcão de Campos" 20 Mar 2015. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/764156/remodelacao-do-edificio-sede-do-banco-de-portugal-goncalo-byrne-arquitectos-plus-joao-pedro-falcao-de-campos> ISSN 0719-8906