O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Habitação Coletiva
  4. Dinamarca
  5. CEBRA
  6. 2014
  7. Casa de Acolhimento para Menores / CEBRA

Casa de Acolhimento para Menores / CEBRA

  • 19:00 - 18 Janeiro, 2015
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Casa de Acolhimento para Menores / CEBRA
© Mikkel Frost
© Mikkel Frost
  • Arquitetos

  • Localização

    Strandgårds Alle, 5300 Kerteminde, Dinamarca
  • Área

    1500.0 m2
  • Ano do projeto

    2014
  • Fotografias

© Mikkel Frost © Mikkel Frost © Mikkel Frost © Mikkel Frost + 21

  • Paisagista

    PK3
  • Engenheiro

    Søren Jensen
© Mikkel Frost
© Mikkel Frost

NOSSA CASA - O LAR DE CRIANÇAS DO FUTURO

O escritório de arquitetura dinamarquês CEBRA completou um projeto pioneiro de uma nova forma de centro de atenção 24 horas para crianças e adolescentes marginais, em Kerteminde, Dinamarca. O edifício, revestido de azulejos e madeira, brinca com elementos e formas familiares para criar um ambiente acolhedor e moderno que se centra nas necessidades especiais dos residentes. A Casa de Acolhimento para Crianças do Futuro combina o ambiente seguro da moradia tradicional com as novas ideias pedagógicas e concepções que respondem a existência e função de um lar para crianças.

© Mikkel Frost
© Mikkel Frost

A meta para a nova instituição é estabelecer um centro que fomenta as relações sociais e um sentido de comunidade, mas também acomoda as necessidades individuais das crianças - um lugar do qual elas se sintam orgulhosas em chamar de lar e que os prepara para o futuro da melhor maneira possível. Os arredores físicos refletem um enfoque pedagógico orientado na própria arquitetura que apoia ativamente o trabalho diário dos trabalhadores com as crianças que lutam com problemas de saúde metal e social.

Diagrama
Diagrama

Sentir-se em casa

Se nos fixarmos nos desenhos infantis ou no ícone estilizado de um navegador web, reconheceríamos uma casa de duas águas, retangular, com uma chaminé como signo de "casa". O desenho para o lar das crianças utiliza as formas básicas da típica casa dinamarquesa como ponto de partida natural: a clássica moradia com telhado de duas águas e sótão. Os dois elementos são utilizados na sua forma mais simplificada para criar uma aparência exterior reconhecível e integrar o edifício na área residencial circuncidante. Eles conformam o DNA da arquitetura subjacente do projeto, que expressa a inclusão, a diversidade e um ambiente seguro.

© Mikkel Frost
© Mikkel Frost

Ao combinar e aplicar os elementos básicos de uma forma nova e lúdica, a casa de acolhimento se destaca como um lugar extraordinário através da sua própria identidade. A base geométrica é modificada pelos diferentes perfis do sótão, que crescem dentro e fora do volume do edifício, estando ao contrário ou inclusive erguendo-se para formar um ponto de vista. O conceito agrega a variação espacial e flexibilidade funcional à organização interior. Os sótãos dão aos residentes a oportunidade de criar sua própria marca no edifício mediante sua participação na decoração e no uso destes "espaços de bonificação", de variam de acordo com as diversas necessidades e alterações das atividades. Os tamanhos e orientações diferentes permitem uma ampla gama de aplicações tais como leitura, espaços para filmes, uma sala para fazer as tarefas, áreas de pintura e artesanato, salas grandes para atos festivos, etc.

© Mikkel Frost
© Mikkel Frost

Mais lar, menos instituição

A organização geral consta de quatro residências conectadas. As alas alongadas do edifício institucional tradicional se separaram e foram comprimidas para formar uma edificação compacta com volumes de compensação. Deste modo, a escala da construção se reduz e torna-se autônoma, com diferentes unidades criadas para os diferentes grupos de residentes. Cada grupo, de uma certa idade, possui seu próprio espaço destinado a um uso flexível em relação a unidade central . Tal disposição tem como objetivo proporcionar aos residentes um sentimento de pertencimento - um lugar acolhedor onde podem ficar sozinhos ou em grupos menores.

© Mikkel Frost
© Mikkel Frost

As unidades das crianças menores se retraem desde a rua e são orientadas para o jardim com acesso direto a área de jogos. A unidade central contem a entrada principal, diretamente relacionada com o estacionamento, o que cria uma visão geral das pessoas que estão chegando ou saindo do edifício, sem afetar as unidades habitacionais. A parte destinada aos adolescentes é a seção mais extrovertida do edifício e está orientada para a rua. Os residentes são incentivados a utilizar a cidade e participar das atividades sociais em igualdade com os seus colegas.

Diagrama
Diagrama

As típicas funções institucionais como administração, dormitórios e espaço para os trabalhadores do complexo estão principalmente no sótão e no primeiro pavimento para que eles possam obter uma visão "elevada" da vida cotidiana dos residentes e reduzir ao mínimo a sensação de estar em uma instituição. A organização racional do edifício assegura distâncias curtas entre as diferentes unidades para que os trabalhadores sempre estejam próximos a todos os residentes. Por tanto, os procedimentos de trabalho são incorporados de maneira efetiva nas rotinas diárias, liberando assim mais tempo para cuidar e passar tempo com as crianças - mais em um lar e menos em uma instituição. 

© Mikkel Frost
© Mikkel Frost

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Escritório
Cita: "Casa de Acolhimento para Menores / CEBRA" [Children’s Home / CEBRA] 18 Jan 2015. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/760562/casa-de-acolhimento-para-menores-cebra> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.