O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Canadá
  5. Williamson Chong Architects
  6. 2009
  7. Buraco dos Sapos / Williamson Chong Architects

Buraco dos Sapos / Williamson Chong Architects

Buraco dos Sapos / Williamson Chong Architects
Buraco dos Sapos / Williamson Chong Architects, © Bob Gundu
© Bob Gundu

© Bob Gundu © Bob Gundu © Bob Gundu © Bob Gundu + 15

  • Arquitetos

  • Localização

    Grey Highlands, Canadá
  • Equipe de Projeto

    Betsy Williamson, Shane Williamson, Donald Chong, Partner, Kelly Doran, Maya Przybylski
  • Engenharia Estrutural

    Blackwell Bowick Partnership Ltd
  • Gerenciamento de Construção

    Wilson Project Management Inc
  • Marcenaria

    Speke Klein Inc
  • Área

    2000.0 m2
  • Ano do projeto

    2009
  • Fotografias

Descrição enviada pela equipe de projeto. A Casa na localidade de Buraco dos Sapos, um retiro no campo de 2000 m², está localizada em uma longa encosta da Escarpa Niágara com vista para a Georgian Bay. A propriedade é uma coleção de montes de barro erodidos e zonas de mananciais protegidos, coberto com um denso campo de espinheiro e gramíneas nativas. Não é pitoresco, mas difícil e impenetrável.

Os clientes, que se reúnem na propriedade ao longo do ano, são ciclistas ávidos que passaram meses na propriedade de 100 hectares antes da construção, correndo por discretas trilhas de mountain bike e aprendendo os caminhos dos cavalos e motos de neve conforme eles emergem ao serem criados pela comunidade ao longo das estações do ano. Por causa de sua conexão com a paisagem, uma estratégia primordial para o local foi resistir à inclinação para construir em cima das colinas, onde se podia avistar a propriedade em sua totalidade, em vez esculpir uma área de construção na base da encosta. A casa não é o destino final, mas um ponto de parada dentro de sua rede de atuação.

© Bob Gundu
© Bob Gundu

Escavado na paisagem, a tectônica muscular da longa parede de concreto figurativamente limpa o local para a construção, enquanto conecta os ambientes naturais com os de clima controlado. O concreto tem uma resistência que espelha a paisagem, proporcionando proteção contra os ventos do inverno prevalecentes. Durante os meses de Verão, o muro do pátio fornece sombra, criando focos de ar mais frios que são passivamente levados através da casa.

A entrada é no extremo oeste do muro de concreto e em uma barra de serviços que contém a escada, cozinha, escritório, oficina de bicicletas, sala de armazenamento e casa das máquinas. Esta zona funcional serve como pano de fundo para a sala de estar envidraçada que se abre em três lados para uma visão ampliada da paisagem ondulante.

© Bob Gundu
© Bob Gundu

O segundo nível paira acima da parede de concreto e do espaço da sala de estar. Ele contém os quartos, banheiros e uma sala de estar íntima em um pequeno ambiente confinado customizado com paredes de madeira. Projetado como um ritmo ondulante de diferentes larguras, placas finas são perfuradas com uma CNC a uma profundidade rasa, enquanto placas mais largas são perfuradas com estrias profundas, lançando longas sombras que acompanham o sol que se move ao redor da casa. As paredes de madeira estão manchadas com um pigmento à base de óleo de linhaça com óxido de ferro, que requer reaplicação apenas uma vez a cada 15 anos.

O primeiro e o segundo pavimento são ligados por um ambiente coma  silhueta de escada. Este elemento digitalmente fabricado é projetado para filtrar a luz a partir do volume da claraboia acima. No piso térreo ele esculpe na área abaixo do seu patamar superior para reunir mais espaço na entrada e permitir uma área de assentos.

© Bob Gundu
© Bob Gundu

A ligação da casa para a terra é reforçada não só na sua forma arquitetônica, mas também em sua pegada ambiental. A casa é aquecida com loops de piso radiante que complementam o ganho de calor passivo no inverno das janelas voltadas para o lado sul. Além disso, não há nenhuma refrigeração mecânica. Em vez disso, a torre de escada e janelas operáveis ​​facilita a ventilação passiva que puxa o ar frio através da casa de áreas exteriores sombreadas. Os materiais naturais e pigmentos foram usados ​​em tudo e uma pequena metragem quadrada foi mantida para reduzir ainda mais os custos de construção e manter futuro consumo de energia ao mínimo.

Planta Baixa
Planta Baixa

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Cita: "Buraco dos Sapos / Williamson Chong Architects" [Frogs Hollow / Williamson Chong Architects] 02 Mai 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Márquez, Leonardo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/601369/buraco-dos-sapos-slash-williamson-chong-architects> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.