Laboratório de Bionanomanufatura / Piratininga Arquitetos Associados + VD Arquitetura

Laboratório de Bionanomanufatura / Piratininga Arquitetos Associados + VD Arquitetura

© Maíra Acayaba© Maíra Acayaba© Maíra Acayaba© Maíra Acayaba+ 20

São Paulo, Brasil
  • Colaboradores:Daniel Maeda, Sheila Altmann, Paula Giannotti, Andrea Rucker, Ana Maria Mendes e Izabela Ramos
  • Construção:SQUADRO
  • Projeto De Estrutura De Concreto Armado E Metálica:Pouguett Engenharia
  • Projeto De Estrutura Pré Fabricada:Pouguett Engenharia/ Fernando Marcondes
  • Projeto De Instalações Prediais, Instalações Especiais E Climatização:ENPREL Engenharia
  • Projeto De Paisagismo:VD Arquitetura
  • Projeto De Ocupação Laboratorial:Piratininga Arquitetos Associados
  • Consultoria Para Impermeabilização:PROASSP
  • Consultoria Para Condicionamento Acústico:Acústica Engenharia
  • Consultoria Para Esquadrias De Alumínio:Consultoria para esquadrias de alumínio
  • Principais Fornecedores:CASSOL (Estrutura pré-fabricada em concreto), STAMP (Painéis de fachada pré-fabricados em concreto), SEMAR (Estrutura metálica), TEP (Instalações prediais, instalações especiais e climatização), BIS (Esquadrias de alumínio e claraboia), CEBRACE (Vidros de controle solar), OWA (Forros minerais), REFAX (Forros metálicos), ATLAS SCHINDLER (Elevadores), PASHAL (Formas metálicas para concreto), PERFILOR (Telhas metálicas), FARKUH (Piso em concreto pigmentado), ACE (Piso vinílico).
  • área Construída:8.479,00m²
  • Áreas Externas E Tratamento Paisagístico:5.590,00m²
  • Autores:José Armênio de Brito Cruz, Renata Semin e Vera Lúcia Domchske
  • Coautores:Gastão Sales e Gustavo Partezani
  • Cidade:São Paulo
  • País:Brasil
Mais informaçõesMenos informações


© Maíra Acayaba
© Maíra Acayaba

O Laboratório de Bionanomanufatura abrange quatro áreas estratégicas de pesquisa do Instituto de Pesquisas Biológicas – IPT, como a biotecnologia, a tecnologia de partículas, nanomanufatura de equipamentos e metrologia de alta precisão. Além destes laboratórios o edifício contém áreas de trabalho, com espaços de pesquisa e reunião, administração e ambientes de encontro e integração.

© Maíra Acayaba
© Maíra Acayaba

O edifício em seus 8.479,00 m² de área construída foi concebido como um único abrigo a todas estas atividades. Trata-se de uma estrutura pré-fabricada, implantada paralela à principal via interna do campus, sobre um terreno com pequeno declive neste mesmo sentido. Neste declive foi possível definir duas diferentes cotas de implantação, correspondes a diferentes especificidades do programa. Na mais baixa, onde foi possível implantar um edifício com três pavimentos, abrigou os laboratórios e as instalações necessárias ao seu completo funcionamento, bem como definiu a chegada de equipamentos e suprimentos e implantação de um pátio de carga e descarga. A cota mais alta definiu o acesso de usuários ao edifício, onde se implantou o térreo onde, à esquerda, se tem o pavimento intermediário dos laboratórios e à direita as áreas de recepção, reunião e integração, através da presença de um café associado a uma praça externa. Ao centro do acesso o grande volume do auditório, cujo pavimento superior ainda é ocupado por uma seção administrativa. Este volume pôde ainda ser levemente enterrado para destacar sua função diferenciada em relação ao resto do programa.

© Maíra Acayaba
© Maíra Acayaba

A proposta de se implantar um edifício com estrutura pré-fabricada foi complementada por um conceito separador da edificação, em sua transversal. Foram definidas duas estruturas portantes distintas. A principal que abriga os laboratórios e o programa de trabalho, possui grandes vãos (36 módulos de 7,50x9,60m) e robustez adequada à realização das tarefas que abriga; a secundária, com grande capacidade de carga e vãos menores (12 módulos de 7,50x5,40m), abriga todos os equipamentos e maquinários do edifício. A separação foi necessária para que nenhuma vibração produzida pelos equipamentos das áreas técnicas fosse transmitida ao corpo principal do prédio, de forma a preservar a regulagem dos equipamentos de bionanomanufatura. Temos, portanto, um único prédio com estruturas independentes, inclusive suas fundações.

© Maíra Acayaba
© Maíra Acayaba

Uma vez resolvida a separação das estruturas, o projeto envelopa este edifício com sistemas de vedação diferenciados. Nas áreas técnicas, onde se abrigam todas as máquinas e se localiza a carga e descarga de suprimentos, recebe em suas fachadas uma pele em concreto, mediante a utilização de painéis pré-fabricados, que estruturam a grande empena cega que se apreende a partir da via de acesso. Esta empena também resolve o conforto térmico do edifício ao cegar sua face norte e reduzir de forma considerável a carga térmica produzida por esta insolação. O trecho da cobertura correspondente é executado em laje de concreto, impermeabilizada e também com grande capacidade de carga, já que está apta a receber condensadores e compressores que se localizam na cobertura.

© Maíra Acayaba
© Maíra Acayaba

A outra parte, o corpo principal, é envelopado por um caixilho de vidro especial, que filtra a radiação solar, inclusive luminosa. Com vista predominante para o sul, transmite transparência e acesso à paisagem para os laboratórios. Sua cobertura é projetada em um único vão de treliças metálicas (28,80m), recobertas por telhas termo-acústicas, o que propiciou ao último pavimento uma ocupação em grande vão, sem um único pilar (45,00x28,80m).

Corte
Corte

Dentro desta estrutura encontramos ainda outra divisão. Na ala leste os laboratórios, na ala oeste as salas de trabalho e reunião, que oportunamente são lindeiras a um bosque de árvores de grande porte que funciona como estratégia natural para o sombreamento da fachada, auxiliando no conforto térmico e ao centro o foyer, espaço expositivo e auditório. O espaço central, com um grande pé direito é inundado por uma iluminação zenital controlada, proveniente de grande clarabóia envidraçada, e que funciona como filtro entre a paisagem externa e a quase clausura que é o trabalho em um laboratório deste tema. Integra, aos olhos dos usuários, o que é fora e o que é dentro, filtrando a percepção e preparando o expectador para a imersão ao programa. Este espaço possui ainda um passadiço técnico que interliga as áreas de equipamentos sem interferir na função principal, facilitando a manutenção e despertando ao espectador a clara percepção de que dentro daquele edifício questões técnicas estão claramente destacadas das questões sociais. Esta impressão é ampliada quando o espaço de uma pequena praça, em nível distinto da área externa, se integra ao conjunto foyer/auditório, propiciando total conforto aos pesquisadores e visitantes.

Implantação
Implantação

Galeria do Projeto

Ver tudoMostrar menos

Localização do Projeto

Endereço:Campus do IPT, Butantã, São Paulo, Brasil

Clique para abrir o mapa
Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Laboratório de Bionanomanufatura / Piratininga Arquitetos Associados + VD Arquitetura" 21 Abr 2014. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/br/600040/laboratorio-de-bionanomanufatura-slash-piratininga-arquitetos-associados-plus-vd-arquitetura> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.