O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Midiateca grand M / Atelier d’architecture King Kong

Midiateca grand M / Atelier d’architecture King Kong

Midiateca grand M / Atelier d’architecture King Kong
Midiateca grand M / Atelier d’architecture King Kong  , © Arthur Péquin
© Arthur Péquin

© Arthur Péquin

A nova Midiateca e a esplanada que se desdobra à frente são partes integrantes de um vasto projeto de desenvolvimento urbano (projeto ANRU), implementado pela cidade de Toulouse. As múltiplas aspirações desta biblioteca multimídia incluem a reabilitação de espaços urbanos desocupados e a criação de um símbolo arquitetônico forte. Localiza-se em Le Mirail, subúrbio da cidade, projetado entre 1961 e 1971 por Georges Candilis, atualmente com o tecido urbano muito fragmentado. Adições ao longo dos anos à bela obra original modernista do arquiteto minaram a estrutura da área, sendo que o papel deste novo equipamento público foi reforçar a identidade do bairro, juntamente com outros edifícios recentes reabilitados ou completamente construídos.

© Arthur Péquin

O lote designado para o projeto encontra-se na Avenida de la Reynerie e era originalmente ocupado por um edifício de baixo gabarito, demolido, e áreas de vegetação que foram integradas ao novo projeto. A vizinhança imediata é composta por espaços desocupados, uma série de blocos de arranha-céus de inspiração modernista (10-14 andares) e moradias isoladas altas. O edifício mais próximo é baixo, de alvenaria, com uma estrutura cúbica e coberta com um terraço. É ocupado pelos Testemunhas de Jeová. O terreno para construção da Midiateca surgiu com um grande número de restrições, que vão desde os afastamentos regulamentados dos terrenos vizinhos e das estradas, até o trem subterrâneo que passará sob o prédio projetado e influencia fortemente a sua morfologia.

© Arthur Péquin

O projeto responde a essas restrições com ousadia. Para escapar da rigidez aparente de normas e regulamentos, o andar térreo funciona como uma estrutura abrangente, envolvendo não apenas a biblioteca em si, mas também uma zona conhecida como o ‘pátio’, com vegetação plantada ao redor de uma árvore de magnólia , e parte do espaço público prolonga a esplanada protegida por uma cobertura. Estes espaços servem como uma sucessão de “amortecedores”, confundindo a fronteira entre interior e exterior, dilatando a superfície da Midiateca em si.  O projeto abre-se amplamente para o contexto urbano imediato, criando uma atmosfera calorosa e acolhedora. Esta dupla camada de revestimento, por vezes, se afasta da estrutura central e em outras se fecha em torno dela, bem diferente da massa monolítica dos blocos de edifícios vizinhos e, assim, dá ao edifício um aumento da sensação de volume, enquanto também proporciona excelente isolamento. A parede de cortina de luz exibe uma variedade de texturas e materiais contrastantes e cria uma sucessão de espaços, bem como permite que a luz natural inunde os espaços.

Implantação | Planta de coberturas

O piso térreo  forma uma base ao mesmo tempo permeável e impermeável. Sua parede cortina é composta de painéis de revestimento, alguns dos quais são perfuradas de acordo com as múltiplas finalidades do edifício Junto com as paredes de concreto, a pele de vidro tem uma função de isolamento, envolto em todo o edifício. Os painéis posicionados ao longo das amplas esquadrias são ajustáveis e podem rotacionar para controlar a quantidade de luz solar que entra no edifício. Eles também servem para delimitar o pátio central e para regular a luminosidade, mantendo um senso de translucidez.

© Arthur Péquin

A sala de conferências e áreas de escritório situam-se no primeiro pavimento, posicionadas em um volume em forma de cubo cercado por vegetação. Esta entidade reflete as dimensões da seção da biblioteca central, onde os livros e DVDs estão alojados. Na verdade, esta parte do edifício é uma emanação do todo. O tratamento individual da quinta fachada suaviza o impacto global do projeto e melhora as perspectivas que ele oferece para os blocos de apartamentos vizinhos. O local de acesso do público é sinalizado por uma cobertura generosa em continuidade com a esplanada. A entrada em si é recuada, mas é amplamente envidraçada e claramente identificável. A cobertura abriga os visitantes a partir dos elementos e protege o saguão do sol quente do verão. Lugar de destaque é dado à translucidez, com pontos de vistas livres através do saguão e áreas de recepção, ressaltando as boas-vindas, enquanto a natureza ainda funcional da entrada principal do edifício.

© Arthur Péquin

A esplanada é o destaque do projeto e desempenha um papel fundamental na recomposição urbana do bairro. Ela interliga-se livremente com os espaços públicos circundantes e forma um magnífico pano de fundo para a Midiateca, proporcionando um ponto de encontro de convívio para os visitantes da biblioteca e os que vivem no bairro. Ela se divide em duas seções distintas, mas complementares, formando uma passarela ao longo do pátio e cobertura. Arbustos oferecem uma cerca verde protegendo os visitantes dos ventos predominantes. Uma sucessão de bancos e postes sustenta a vocação urbana desta extensão quase orgânica do edifício, a sua superfície pavimentada com pedra natural, colocada em um motivo dinâmico de extrema precisão e ecoando as principais linhas de design geral do sítio.

© Arthur Péquin

Uma fonte nasce na parte leste da esplanada, como um rio subterrâneo pulando para a superfície através da pedra de pavimentação, derramando em um conjunto de bacias no pé do edifício. É moldado por um deck modulado metálico, oferecendo vislumbres de convite, borbulhando água abaixo. A esplanada é iluminada à noite, aumentando ainda mais a atmosfera acolhedora e animada. A área aberta pavimentada é alinhada ao longo de sua fronteira norte com um barranco arborizado, enquanto ciprestes formam uma cobertura que fornecem um escudo natural dos elementos. Um jardim de reflexão (não aberto ao público) está situado na esquina noroeste do local e é composto por dois ambientes naturais opostos, secos e molhados, raramente reunidos no mesmo espaço.

© Arthur Péquin

O estacionamento está previsto para o sudoeste, na Rue de Lizop, e oferece espaços para 14 veículos, dos quais 5 são reservadas para deficientes motores. A área é revestida de concreto asfáltico preto com a superfície da estrada pintada. Plátanos foram podados para vincular os ramos em uma estrutura tubular de aço galvanizado. Grades de metal em formato quadrado ao pé de cada árvore são feitas e a iluminação pública respeita o mastro e o sistema de lâmpadas especificado.

© Arthur Péquin

A distribuição interior do edifício visa garantir a máxima funcionalidade e conforto do usuário, concebido com grandes preocupações com a acústica e isolamento térmico em mente. A luz natural é cuidadosamente regulada nas áreas de leitura, incluindo as zonas centrais.

O piso térreo é um espaço aberto que oferece uma grande flexibilidade de utilização para projetos futuros. Os arquitetos preferiram criar espaços fechados para leitura, sem distração do mundo exterior.  Isso não significa que os seus quartos não têm luz, mas que os pontos de vista de enquadramento das janelas do contexto urbano desinteressante proporcionam uma sensação de distância e imaterialidade, ou se abrem para os jardins de reflexão, removido da agitação da vida diária, mesmo com os usuários da biblioteca tendo acesso completo à Internet.

O edifício está posicionado para tirar pleno partido dos ventos predominantes (oeste / noroeste e sudeste), limitando os ganhos solares em quase 40%, graças em parte também ao telhado verde. Sua silhueta é compacta e monumental, com três andares subindo em seu núcleo. Os materiais escolhidos são eficientes e duradouros, incluindo uma estrutura de betão e de pele dupla de vidro e alumínio. Superfície propensa a perda de calor são mantido a um mínimo e um sistema de ventilação de fluxo duplo foi instalado, junto com aquecimento central urbano, um trocador de calor no núcleo e painéis fotovoltaicos. Estes instalações significam que o Midiateca é um dos primeiros de Toulouse edifícios públicos modernos que não necessitam de ar condicionado, garantindo simultaneamente um nível máximo de iluminação e conforto térmico. Em termos da norma 2005 RT (pertencente à regulação térmica dos novos edifícios), é considerada uma construção de baixa energia, com consumo de energia primária estimada em 59,6% abaixo das especificações RT 2005. É um edifício altamente eficiente, passivo.

Nunca foi a intenção dos arquitetos romper com o projeto modernista urbana de Georges Candilis. Em vez disso, eles se aprofundaram na história de Le Mirail como inspiração, criando laços significativos entre o passado e o presente. Esta é a força motriz de todos os seus projetos, o antigo e o novo.

Ficha técnica:

Equipe:

  1. Arquitetos: Atelier d’architecture King Kong
  2. Arquiteto Responsável: Frédéric Neau
  3. Gerente de Projeto: Julie Dehaut
  4. Designer Gráfico: Julie Soistier
  5. Empresa de Engenharia: Egis/Iosis Sud-Ouest
  6. Paisagista: Cyrille Marlin
  7. Orçamento da Obra: Germinal Borras

Sobre este escritório
Cita: Eduardo Souza. "Midiateca grand M / Atelier d’architecture King Kong " 24 Out 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/77504/midiateca-grand-m-atelier-darchitecture-king-kong> ISSN 0719-8906