O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Concursos
  3. Vencedores RIBA Medalha Manser 2012

Vencedores RIBA Medalha Manser 2012

Vencedores RIBA Medalha Manser 2012
Vencedores RIBA Medalha Manser 2012 , Maison L Ile de France / architecturespossibles © George Dupin
Maison L Ile de France / architecturespossibles © George Dupin

O Royal Institute of British Architects (RIBA) anunciou a lista de 2012 para prêmio de projeto pré-eminente privado de habitação do Reino Unido, a Medalha Manser. Estas cinco casas, escolhidas entre os vencedores do RIBA Awards e premiações RIBA regionais, estão competindo para o Reino Unido como “melhores novos projetos de residências”.

A Lista da Medalha Manser 2012 inclui:

  • The Dune House in Thorpeness, Suffolk / Jarmund Vigsnaes Architects & Mole Architects
  • Private house in Gloucestershire / Found Associates
  • Private house in East Sussex / Duggan Morris Architects
  • Two Passive Solar Gain Houses, Porthadown, Cornwall / Simon Conder Associates
  • Maison L, Ile de France / Christian Pottgiesser – Architecture Possibles

A vencedora será anunciada no jantar do RIBA Stirling Prize no dia 13 de outubro de 2012, em Manchester. Este ano, o júri é composto por Michael Manser CBE, arquiteto; Lady Jill Ritblat; e Tony Chapman, Hon FRIBA, RIBA os cabeças do RIBA.

Saiba mais sobre cada projeto:

Dune House / Jarmund Vigsnaes Architects & Mole Architects

Dune House / Jarmund Vigsnaes Architects & Mole Architects © Chris Wright

Localização: Aldeburgh Road, Thorpeness, Suffolk
Cliente: Living Architecture
Engenheria Estrutural: Jane Wernick Associates
Empreiteira: Willow Builders
Completo em: Dezembro, 2010

Área Interna Bruta: 243 m²

O conceito de Alain de Botton sobre uma “Arquitetura Viva” permite que as pessoas descubram o que é viver em uma bela peça de arquitetura, embora por poucos dias. Neste exemplo, com Mole Architects novamente assumindo o papel executivo (que já trabalharam em colaboração com o MVRDV), apresentam um projeto conceitualmente ousado que também é bem detalhado e construído. Um espaço de estar de plano aberto que no nível superior possui como quatro tendas que conformam os quartos. Arquitetonicamente a forma do telhado cria um diálogo com o vernáculo local, empenas e galpões, mas também é uma exploração geométrica.

Um feriado na praia é tudo sobre se reunir com amigos e família, e estar conectado com a natureza. A sala de estar comum é um grande espaço aberto, abrindo totalmente com portas de correr em três cantos para áreas externas estabelecidas para as dunas gramadas, protegidas dos fortes ventos de leste norte. Os quatro quartos acima evocam espaços emocionantes e imprevisíveis sob tendas. Estes quartos mantêm suas ligações com a paisagem, com a vista deslumbrante, que emoldura a imagem entre as janelas menores que se abrem para permitir a ventilação com o ar fresco da maresia.

Um núcleo de concreto que aloja as escadas e serviços permite um plano aberto, espaço sem colunas no nível do solo, com o piso superior de concreto que abrange as delicadas colunas de aço externas, no perímetro.

Características ambientais incluem telhados bem isolados e um tanque de 7500 litros de água cinza, além de um sistema de recuperação de calor. O cliente pediu uma casa que alcançasse 20% de melhoria na eficiência energética sobre normas de construção em vigor. Cobertura, empena e os detalhes da calha são nítidos e elegantes, bem como as janelas, que estão ao mesmo nível que o revestimento externo. E as que se abrem são recuadas a partir do revestimento externo.

Private House / David Russell, Found Associates

Private House / David Russell, Found Associates © David Russell

Localização: Gloucestershire
Engenharia Estrutural: FJ Samuely
Empreiteira: Horgan Brothers Construction Ltd
Completo em: Abril, 2011

Área Interna Bruta: 472 m²

Esta casa tem um cenário idílico, com vista para um lago, escondido em um vale secreto na borda do Cotswolds.

Os planejadores exigem que qualquer edifício novo neste lugar deve ser uma extensão da casa de campo e que seja subordinado a ela na escala. Final do projeto. Em vez disso o arquiteto e o cliente argumentaram com sucesso para a série de muros de pedra seca e terraços em que a casa é enterrada sob coberturas verdes. O resultado é uma casa de escala substancial que não sobrecarrega a casa de campo, com sua forma linear explorada para criar uma sequência de desdobramento de espaços de caráter especial.

Este é um projeto de grande simplicidade, em termos de materiais e estratégia e, ao mesmo tempo, sofisticação considerável em sua abordagem teatral de espaço e luz com as duas vistas emolduradas e expansivas, e contrastantes eventos espaciais.

Externamente a casa é formada a partir de muros de pedra seca, uma interpretação moderna do vernáculo local, com telhados inclinados de grama – a inclinação enterra a casa na encosta. Internamente a casa é quase que inteiramente de concreto – pisos paredes e tetos todos formados de um concreto bonito, o tom quente dos agregados locais e areias, criam um material que harmoniza com a pedra da casa e as novas paredes drystone.

Este projeto demonstra um profundo conhecimento do local, com a retenção e restauração imaculada da casa de campo, contribuindo para a riqueza do projeto global. Além disso, o diagrama forte e elegante é reforçado com uma abordagem disciplinada e leva em consideração cada componente. O uso de materiais, detalhamento e construção é impecável. Esta é a arquitetura que só tende a melhorar com o amadurecimento da paisagem.

Maison L Ile de France / architecturespossibles

Maison L Ile de France / architecturespossibles © George Dupin

Engenheiro Estrutural: Joel Betito
Empreiteira: Les Constructeurs de Suresnes
Completo em: Agosto, 2011

Área Interna Bruta: 616 m²

No canto de um local ondulante de um castelo antigo, perto de Versalhes, há um laranjal fortemente restaurado, cuja origem pode ser rastreada até o final do século 18. Esta foi a casa de um casal com quatro filhos. O casal chamou o alemão de nascença, arquiteto francês Christian Pottgiesser para executá-la. O breve e difícil pedido para uma extensão que impactasse o mínimo possível na vista do laranjal e na paisagem madura na qual é definida. Isto sugeriu que a planta fosse em forma de L e em geral o uso de uma pedra indígena para os muros de suporte. Mas isso não sugere uma série de cavernas semienterradas de interconexão. Este é o lugar onde a genialidade do arquiteto entra em ação.

The local building code sets an 8 metre height limit (The Orangery is 7), so the architect has buried two metres of the linking building under the sloping site, allowing light in on the leading edge but meaning most of that accommodation does not count within the 8. The code also calls for a gabled or hipped roof but it does allow, in exceptional cases, flat roofs as long as they do not exceed 25 square metres each (clearly they were thinking garage). Thus five three-storeyed tower-like structures were designed, one room per floor with the circulation winding up through them providing dressing/storage, bathroom and bedroom. And by stealing a little off each of the young people’s towers the architects have made a somewhat grander (though still tiny) tower for the parents and planted a roof terrace on top from which there are great views not only of the garden and the district but of “La Défense”, the business district of the modern Paris with its own grown-up skyscrapers.

O planejamento local define um limite de altura de 8 metros (O Orangery é de 7), de modo que o arquiteto tem enterrado dois metros do edifício que é ligado sobe o espaço inclinado, permitindo que a luz entre na borda principal. O código também chama atenção para um telhado de duas águas, mas permite, em casos excepcionais, telhados planos, desde que não exceda 25 metros quadrados cada um. (Claramente, eles estavam pensando garagem) Assim, cinco de três andares das torres semelhantes foram projetadas, um quarto por andar com a circulação por eles proporcionando limpeza / armazenamento, banheiro e quarto. Os jovens os arquitetos fizeram um pouco mais grandiosa a torre (embora ainda pequena) para os pais e plantou um terraço no topo do qual há uma vista não só do jardim e da área, mas de “La Défense”, o distrito comercial da Paris moderna, com seus próprios crescidos arranha-céus.

Esta casa magistral só pode ser composta por um arquiteto genial, que viu as oportunidades apresentadas pelos mais promissores dos pedidos e trouxe um pouco de San Gimignano a este canto da Lle de France e fez um cliente inicialmente cético e sua família mais do que feliz.

Private house East Sussex / Duggan Morris Architects

Private house East Sussex / Duggan Morris Architects © James Brittain

Empreiteira: Northlake Limited
Consultores: Stephen Evans Associates, Brooks Devlin
Completo em: Fevereiro, 2011

Área Interna Bruta: 433 m²

O projeto teve como objetivo a criação de uma série unificada de fluxo, espaços contemporâneos ligados à definição da paisagem. O pedido também aclamava por um edifício com caráter e personalidade, respeitoso com a casa Oast existente, e aproveitando a vista. Os arquitetos redescobriram a integridade do edifício através de uma cuidadosa observação e pesquisa, e fizeram as novas adições e alterações trabalhando em harmonia com o antigo, de modo a criar um novo.

O edifício original foi reformado de forma profunda mas sensível, removendo todos os acréscimos dos séculos. Em seu lado está o novo anexo. O que permaneceu foi cuidadosamente analisado e reparado adequadamente. Como resultado, a forma, a escala e a qualidade do edifício de duzentos anos de idade são facilmente discerníveis contra o novo anexo. O anexo em si é uma forma bem mais escultural e dinâmica de volumes interligados inteiramente vestidos com um estável, durável embarque de madeira, engenharia, orientada verticalmente, em contraste com a horizontalidade do revestimento de madeira serrada do celeiro oast. Igualmente, o exterior compõe a forma do edifício, que é uma expressão da função interna de cada quarto.

Um conflito entre as necessidades do cliente e as exigências de conservação que queriam que a replicação de uma estética tradicional do edifício da fazenda foi brilhantemente resolvida pelo fracionamento e a nova parte enterrada do novo edifício de modo que parece ser uma coleção de dependências de madeiras celulares dominadas por a maior parte das duas Oast-Houses. No entanto, internamente, é muito pelo contrário. Os ‘separados’ celeiros formam uma bela sala de estar contínua e de fluxo de plano aberto interligada aos quartos, nos restaurados Oast-Houses.

Os arquitetos criaram uma habitação que reflete uma abordagem exemplar quanto ao trabalho de renovação rural contemporâneo, e produziu um ambiente de vida flexível para uma família a crescer dentro de um ambiente excepcional.

Two Passive Solar Gain Houses / Simon Condor Associates

Two Passive Solar Gain Houses / Simon Condor Associates © Paul Smoothy

Localização: Avenue 3 Eastcliff, Porthtowan, Truro, Cornwall
Engenharia Estrutural: Fluid Structures
Empreiteira: T&D Carter Ltd
Valor Contratural: £928,158
Completo em: Fevereiro, 2012

Área Interna Bruta: 327 m²

Estas casas irmãs – uma casa de uma família, outra um estúdio de um artista no nível superior no piso térreo e apartamentos de hóspedes – são cercadas por uma propriedade suburbana de bungalows  de1950, com vista para a praia ao longo da costa de St. Ives, na vila de Porthtowan na Cornish, litoral norte.

Revestida inteiramente em madeira, incluindo os telhados planos e imaculadamente detalhados, que são criados a partir de um diagrama, forte,  simples e confiante que explora totalmente a localização e os pontos de vista invejáveis.

Construído no primeiro de sete declives, o projeto é respeitoso com seus vizinhos, aninhado no chão para evitar obstruir as suas estupendas vistas para o mar. Esta estratégia no local também estabelece uma simples, mas bem sucedida abordagem passiva sustentável: massa térmica, ganho solar e ventilação natural, sem sensação de claustrofobia resultante das formas semienterradas.

Uma hábil manipulação da planta e corte garante que todos os principais espaços beneficiam as vistas amplas. Nesta localização numa encosta, um equilíbrio bem sucedido é alcançado entre o sentimento exposto e contido, permitindo que os ocupantes possam desfrutar uma relação forte com o que, às vezes, tem de ser condições climáticas extremas, enquanto se sinta seguro e protegido.

As casas de usam uma combinação de elevações do sul  completamente vitrificadas e de construção de massa elevada para o resto das casas, a fim de reduzir os custos de energia. O sobreaquecimento no verão é solucionado através da criação em volta das elevações envidraçadas de varandas de madeira que também permitem que o sol de inverno muito mais baixo possa penetrar profundamente as duas casas. O revestimento externo, decks, telhado e estruturas da varanda são todos feitos de madeira certificada FSC, que foram deixadas inacabadas para tornar-se naturalmente um cinza prateado.

Com um consumo de energia muito baixo, consistentes e elegantes detalhamentos de construção, estas casas são grandes exemplos de como pensar uma arquitetura modesta e econômica pode criar um ambiente de vida passiva sustentável. Em resposta ao pedido muito detalhado dos clientes, o arquiteto desenvolveu uma casa especial e estúdio que se encontram, precisamente, dentro das necessidades exigidas.

Descrições dos projetos e imagens fornecidas pelo RIBA.

 

Ficha técnica:

Sobre este autor
Joanna Helm
Autor
Cita: Joanna Helm. "Vencedores RIBA Medalha Manser 2012 " 06 Out 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/74125/vencedores-riba-medalha-manser-2012> ISSN 0719-8906