O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Clínica Proar / Rafael Iglesia

Clínica Proar / Rafael Iglesia

Clínica Proar / Rafael Iglesia
Clínica Proar / Rafael Iglesia, © Gustavo Frittegotto
© Gustavo Frittegotto

Tudo acontece e nada é lembrado naqueles gabinetes de vidro onde, como fantásticos rabinos, lemos os livros da direita para a esquerda JLB

RETIRO DO ESPELHO SEU RETRATO VIVO

Entro no projeto com metáforas, talvez porque foi a primeira maneira que o homem primitivo comunicou-se, depois que derruba o animal e começa a ser simbólico. Isso que não sei bem o que é, esconde uma clínica de reprodução assistida. Reprodução. Onde a ideia tem mais valor que o conteúdo; o significado como principio construtivo. O reflexo como metáfora da reprodução. Borges, que os odiava, haveria dito: “os espelhos e a paternidade são abomináveis porque o multiplicam e o divulgam”.

Desde “a disciplina” existe a tentação de classificá-la como minimalista, ou barroca. É ambas, ao mesmo tempo. Coincidindo com essa definição de JLB, onde expressa: barroco é aquele estilo que, deliberadamente, esgota, ou quer esgotar, suas possibilidades, e que faz fronteira com sua própria caricatura. Diante desse ponto de vista, minimalismo e barroco são o mesmo, um por abundância, e outro por escassez, levando suas possibilidades ao limite. Esse é o olhar que me interessa na hora de analisar um trabalho, onde a forma é consequência da interpretação. Sigo pensando que arquiteto é aquele que interpreta, não quem constrói.

© Gustavo Frittegotto

A pergunta que inevitavelmente surge é: que coisa é esta? É arquitetura?  E, que coisa é isso que hoje chamamos de arquitetura? Ainda é definida do mesmo jeito? É o que era?

Uma arquitetura incapaz de deixar uma marca ou um rastro para poder reconstruir um passado. É arquitetura? Uma obra que não tem forma, que não se preocupa com a distribuição dos pesos nem com os percursos, nem com a sombra, somente dedica-se a assombrar, a ignorar a gravidade. Sua imagem é exibida inabitável, um espaço impossível de reflexos. E ainda que reflita, não é um espelho, ainda que olhe e seja olhada, não reproduz: interpreta. Imaterial, comporta-se como os líquidos que refletem imagens imperfeitas, uma arquitetura líquida. Só uma ilusão, como a que tem os que vêm a esse lugar: uma clinica de fertilidade assistida. Nada indica que é habitável, não há portas, janelas, beiral, tudo isso que diferencia a arquitetura de uma escultura ou um monumento. Estes (os monumentos) apelam à lembrança, já o espelho não tem memoria, sua imagem muda constantemente, é incapaz de reter uma lembrança. Inquieta a metade da quadra, não ampara, surpreende. É contextualizada em qualquer meio, despreza o conceito de lugar, ainda que viva neste, o consome, poderia estar em qualquer parte, em Veneza, em Nova York, em uma favela, e sempre estará narrando de outra maneira o que acontece ao redor para dizer outra coisa, não o que é e o que acontece em seu interior, nem sua história, mas dizer de onde vem. A arquitetura sempre diz em sua linguagem quem é: sou uma casa, um edifício, uma prisão, uma escola…etc. Esta obra interpreta o que  sucede ao seu redor de outra maneira, e vê como isto a transforma… Não copia a realidade, a perturba, zomba dela. É um parasita que consome imagens. Assim, como a arquitetura é o reflexo da sociedade que abriga, reflexo de seu passado, a fachada atua de maneira inversa, é o reflexo do que acontece ao seu redor e, sempre, no presente. Não é um substantivo, é verbal. Não está nem no tempo, nem no espaço, que prolonga em vão uma realidade incerta. A imagem que nela aparece é a realidade de um mundo irreal, contraditório.  Não busca, se encontra, como esse espermatozoide formado pelo reflexo da luz da rua, uma casualidade.

© Gustavo Frittegotto

Está materializada, não com a perfeição do aço usa no primeiro mundo. Busca a imperfeição, um jorro de imagens distorcidas, movimentos imperfeitos, como os humanos, que pretende gerar.

“O ser humano…é somente um ponto invisível em uma encruzilhada: um artista dos espelhos…” JLB

Não é presença como a arquitetura, mostra-se ausente, existe somente através do outro. Um parasita que se alimenta de sucessos. Insubstancial, imaterial, só realiza a si mesmo com verbos, ações, e não com construções materiais. Tal como é a cidade.

© Gustavo Frittegotto

Sem data, incapaz de agarrar o passado, mas se inclina, inutilmente, para capturar, por um instante, um futuro imperfeito, que não poderá abrigar…Não como uma estrutura completamente realizada, que serve de suporte ou base para os organismos, mas como um sucesso permanente em via de acontecer, como uma origem que, continuamente, se origina; filosofar significa reconhecer essências somente no sentido que Heidegger adota a Wesen (sendo) em alemão, não como substantivo, mas como um infinitivo verbal…..como Quetglas o disse.

Paradoxalmente, entre os metais, há os com memória e sem memória. O cobre, por exemplo, não tem memória, se é dobrado não volta ao estado original, o aço inoxidável sim. No entanto, esta fachada não tem memória, não relembra um estilo, um modo de fazer, uma época, ou nos comenta sua utilidade. É somente espetáculo. Sem memória, perde-se na continuidade do significado, da linguagem, do Juízo. Recolhe os acontecimentos só para esquecê-los. Pobre em sua riqueza.

© Gustavo Frittegotto© Gustavo Frittegotto

Não é só uma imagem de si mesma como a arquitetura. A fachada escapa de sua rede conceitual para ser com os demais, e não para ser como os demais. Volto a importunar Borges: “Inifinitos os vejo, elementares, executores de um antigo pacto: multiplicar o mundo como ato generativo, insone e fatal”. Perturbadora do limite, um vazio temperamental, repetições, ambivalência.

Como um horizonte vertical que divide o terreno do divino, ou o real da fantasia.

Trata-se de recuperar a tradição de um modo desviado, deformado, para por em evidencia que este é outro tempo, outro espaço, e por tanto deveria ter outra linguagem, outra sintaxe, colocando em evidencia a interrupção do relato histórico. Ou pelo menos, tirá-lo do papel das interpretações, para transformá-lo em um conto “insignificante”.

© Gustavo Frittegotto

Contra o transcendente e o profundo da arquitetura. Refletindo a natureza física de seu meio à sua natureza antológica apoiada em uma superfície plana, com uma profundidade aparente, colocando em evidencia o funcionamento superficial da linguagem. Aqui não há nada, só aparências, imagens. Buscando destruir o laço existencial que ata o mundo natural e a obra arquitetônica.

Plantas

PD: Neste trabalho, interessa-me falar sobre o contato do privado com o urbano.

A entrada surge quando um módulo da frente é empurrado para trás, abrindo um vão que permite entrar ou sair. Ou seja, é o verbo, entrar, sair, fechar, abrir, e não o substantivo porta. Em todos meus projetos, interessa-me esse espaço que une o privado com o público.

 Texto original de Rafael Iglesias

 

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Rafael Iglesia
  • Ano: 2008
  • Endereço: Avenida Italia Rosario Argentina
  • Tipo de projeto: Hospitalar
  • Status:Construído
  • Materialidade: Vidro e Concreto
  • Estrutura: Concreto e Tijolo
  • Localização: Avenida Italia, Rosario, Argentina
  • Implantação no terreno: Adossado às 2 divisas

Equipe:

  1. Arquitetos: Rafael Iglesia
  2. Equipe de trabalho: Arq. Pedro aybar, Arq. Pablo temporini, Arq.Guillermina iglesia, Franco comba

Cita: Marina de Holanda. "Clínica Proar / Rafael Iglesia" 24 Mai 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/50393/clinica-proar-rafael-iglesia> ISSN 0719-8906