O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Concursos
  3. 2º lugar Concurso Público Nacional de Arquitetura para a Biblioteca Pública de Santa Catarina / Estúdio Arkiz + Hiperstudio

2º lugar Concurso Público Nacional de Arquitetura para a Biblioteca Pública de Santa Catarina / Estúdio Arkiz + Hiperstudio

2º lugar Concurso Público Nacional de Arquitetura para a Biblioteca Pública de Santa Catarina / Estúdio Arkiz + Hiperstudio
2º lugar Concurso Público Nacional de Arquitetura para a Biblioteca Pública de Santa Catarina / Estúdio Arkiz + Hiperstudio , ©  Cortesia Hiperestudio
© Cortesia Hiperestudio

Este projeto foi premiado com o 2º lugar no Concurso Nacional para a Biblioteca Pública de Santa Catarina, localizada na famosa cidade turística de Florianópolis. Trata-se de um projeto para a remodelação do edifício existente onde funcionavam atividades administrativas do governo, e portanto encontra-se obsoleto para o novo uso cultural da biblioteca.

© Cortesia Hiperestudio

O Conceito

Dentre os diversos edifícios de caráter público que existem em uma cidade, a biblioteca destaca-se pelo seu potencial cívico e democrático. Tradicionalmente reconhecida como repositório do conhecimento de uma sociedade, no passado as bibliotecas prestavam-se mais a proteger cuidadosamente um acervo precioso do que a promover o acesso e a divulgação deste conhecimento ao público. A distinção entre um mero arquivo e uma biblioteca era, assim, pouco clara; o projeto de muitos edifícios destinados a este uso priorizavam a proteção do acervo em detrimento da inclusão e integração dos usuários.

O edifício que hoje abriga a Biblioteca Pública de Santa Catarina é característico desta concepção antiga, em decorrência das circunstâncias que levaram à adaptação de um edifício originalmente administrativo à função de biblioteca. Suas lajes regulares e de pé-direito exíguo são inadequadas à espacialidade desejada para um edifício de tamanha relevância, exigindo uma intervenção que propicie espaços confortáveis, dignos, convidativos e que valorizem a atividade de leitura. Adotou-se assim uma abordagem focada na reconfiguração deste “espaço burocrático” em um verdadeiro marco cultural catarinense, tomando-se partido do edifício existente e adaptando-o através de intervenções concisas mas não menos incisivas.

Corte perspectivado AA

Tal qual uma jornada rumo ao universo da literatura, a descoberta do espaço da nova biblioteca se dá através de uma série de escadas metálicas sequenciais, que configuram um percurso através dos diferentes acervos e espaços de leitura. O trajeto ocorre de maneira ascendente, simbolizando uma passagem transcendental que se origina no acesso público no térreo e culmina em um novo ambiente de leitura que ocupa o terraço no topo do edifício.

Partido projetual

O partido de projeto desenvolveu-se através de uma sequencia iniciada na análise do contexto existente e na exploração de alternativas para conectar e valorizar os espaços interiores. Esquematicamente, o processo de investigação projetual desenvolveu-se da seguinte maneira:

Croqui Conceito

1. Atual Configuração: Lajes uniformes sobrepostas regularmente, com pé-direito administrativo que configuram uma espacialidade monótona e limitada.

2. Raciocínio inicial: A busca por uma visual unificadora do espaço cultural  através da abertura das lajes administrativas, conectando os diversos pavimentos.

3. Desenvolvimento do partido: A subtração criteriosa de segmentos das lajes afim de romper a obviedade regular, criando vazios alternados.

4. Nova percepção espacial: Os vazios sequenciais geram a possibilidade de ambientes de leitura com pé-direito duplo, ao mesmo tempo em que garantem uma compreensão visual de todo o espaço da biblioteca.

A sequência de escadas articula-se através de novas áreas de pé-direito duplo, obtidas através de recortes meticulosos de setores da laje de cada pavimento (ver esquemas e partido estrutural). A posição diagonalmente alternada destes vazios permite a integração de todo o edifício desde o acesso no térreo até o último pavimento, transformando espaços segregados em espaços contínuos.

A unidade visual que permeia todo o edifício configura a biblioteca como um organismo conectado e pulsante, oferecendo a cada setor uma espacialidade ampla com pé direito duplo que valoriza os espaços de leitura.

© Cortesia Hiperestudio
© Cortesia Hiperestudio

Esse percurso interno culmina no novo terraço ocupado com áreas de leitura diferenciadas com uma cobertura leve que anuncia a nova intervenção para quem observa da cidade. Tais decisões tem como objetivo atender aos anseios da instituição expressados no edital, principalmente atrair novos usuários e promover a permanência dos mesmos.

© Cortesia Hiperestudio

A relação da biblioteca com a cidade é intermediada pela nova fachada do edifício, que será instalada sobre a original através de um sistema estrutural de engastes metálicos. Trata-se de uma composição de painéis de tela com progressivos índices de transparência, que permitem que a luz seja filtrada para o interior do edifício em intensidades variadas de acordo com as atividades existentes em cada espaço. Nas áreas mais sensíveis à ofuscação, por exemplo, nas áreas de leitura, a tela é mais opaca; nas áreas de passagem, especialmente ao longo das escadarias, a tela é mais transparente, permitindo maior entrada de luz e revelando mais claramente as formas internas do edifício.

Esta interface sugere certa aura de mistério, instigando a curiosidade dos transeuntes sem necessariamente revelar por completo o interior do edifício. Inversamente, o usuário da biblioteca permanece resguardado do excesso de distrações mundanas, enquanto a luminosidade difusa que permeia o interior do edifício incentiva a imersão na prazerosa atividade de leitura. Durante a noite, a passagem da luz através das telas inverte-se de sentido, originando-se do interior do edifício rumo ao exterior e à cidade. A biblioteca torna-se assim uma grande lanterna urbana, cuja luz etérea apenas sugere, através da silhuetas projetadas pelas pessoas em movimento, as atividades abrigadas em seu interior.

Organização das atividades

© Cortesia Hiperestudio

O acesso ao edifício foi deslocado do centro da fachada frontal para a esquina no encontro das Ruas Tenente Silveira e Álvaro de Carvalho, localizando-se agora em um ponto focal de maior visibilidade urbana. Apesar do desnível existente entre a cota de acesso e a do pavimento térreo, a acessibilidade universal é garantida por meio de uma plataforma elevatória que atende às todas as normas pertinentes.

Fachada 2

O primeiro espaço acessado pelo visitante é o amplo saguão que abriga o espaço cultural. O auditório se encontra no subsolo, conectado ao espaço de eventos por uma nova escadaria externa contida por uma caixa de vidro. No térreo o usuário avista o balcão principal e a primeira escada metálica que suavemente o conduz à descoberta dos espaços de acervo e leitura dispostos nos pavimentos superiores. Os principais setores da biblioteca estao organizados em sequência diagonal, contando com divisórias de vidro e forro acústico para preservar o nível de conforto e silêncio que cada um necessita. A Coleção Geral, setor de maior movimento, foi implantada no último pavimento justamente por se relacionar imediatamente com o novo terraço da cobertura, ambiente propício para as discussões e trabalhos em grupo.

Partido estrutural

A intervenção no edifício existente exige a execução de adaptações e reforços na estrutura para adequá-la às novas sobrecargas previstas. Cada elemento do sistema estrutural – fundações, pilares, vigas e lajes – exige uma solução específica para lidar com os diferentes tipos de esforços a que são submetidos.

O reforço na fundação é necessário devido ao aumento da carga global adicional resultante da adequação do edifício. Estes reforços deverão ser executados com estacas de reação, adequadas a essa situação de reforma e com um custo de execução baixo.

Croqui Estrutura

Os pilares serão encamisados, agregando uma armação de reforço em toda a sua extremidade, posteriormente recebendo um acabamento com jateamento de concreto. Este reforço, cuja principal finalidade é a de aumentar a resistência de inércia ao efeito de flambagem, transformará a secção original quadrada dos pilares em novas secções circulares mais robustas.

Na parte inferior das vigas serão acopladas chapas metálicas de 3/8” chumbadas a cada 30cms, reforçando a armação negativa e colaborando com a resistência aos esforços de tração.

Nas lajes, o reforço será realizado na parte inferior, através da colocação de uma armadura adicional e posterior jateamento de concreto. Assim, haverá um aumento na espessura total das lajes, aprimorando sua capacidade de sobrecarga, inclusive prevendo a possibilidade de aumentos futuros no acervo da biblioteca.

Os recortes das lajes para a abertura dos vãos livres de pé-direito duplo foram previstos de maneira modular, limitados pela disposição das vigas. Assim, é possível minimizar as intromissões nas armaduras das lajes e otimizar o efeito espacial sem causar redistribuições de esforços imprevistos.

Conforto Ambiental / Sustentabilidade

Foram essenciais na proposta de transformação de um edifício existente adaptado, para uma biblioteca que atenda as exigências necessárias para a sua utilização como espaço de estudo/leitura, pesquisa e permanência. Dessa forma analisamos os mais diversos aspectos relativos as questões supracitadas, tais como: iluminaçào natural, radiação solar incidente sobre o edifício, ventilação natural e eficiência energética.

Fachada 1

Em um espaço como uma biblioteca é preciso analisar a quantidade de luz que penetra no espaco e a qualidade da mesma. O edifício existente não foi pensado para ser ocupado como espaço de estudo, sua ineficiente e desmedida distribuição da luz natural causam ofuscamento e desconforto visual. A nova proposta foi desenvolvida com a premissa de reduzir os problemas encontrados, através da introdução de uma tela de proteção na fachada, reduzindo a incidência de radiação sobre o edifício e usufruindo da radiação difusa como fonte primária de iluminação do espaço.

O consumo de energia pode ser reduzido consideravelmente através da utilização de técnicas passivas de iluminação e ventilação, minizando o uso de ar-condicionado e de iluminação artificial.

Análise de Sustentabilidade

Radiação Solar

A pele dupla da fachada fornece um controle para a intensa radiação solar de Florianópolis, a proteção externa não apenas filtra a luz natural mas também reduz em até 65% a sua incidência sobre o edificio. Desta forma o ganho solar interno é minimizado, reduzindo assim o consumo energético para o condicionamento artificial do espaço.

Ventilação Natural

A solução das secções internas nos pavimentos é um fator decisivo no desempenho térmico do edifício, considerando-se o fato de que os ganhos térmicos por radiação solar foram reduzidos e que durante 50% do ano o espaço pode ser ventilado naturalmente. Desta forma, os ventos predominantes do norte reduzem a temperatura interna, auxiliam na remoção da carga térmica interna e minimizam o consumo energético usado para o condicionamento artificial do espaço.

Iluminação Natural

Nossa análise de iluminação estuda o Daylight Factor do edifício, o que significa que analisa as propriedades físicas de luminância do espaço. Durante 75% do ano o céu de Florianópolis fornece uma iluminância de 15000 Lux no plano horizontal, conforme a legislação atual são necessários 500 lux no plano de trabalho para leitura, ao considerarmos um DF de 3,5; isso representaria 500 lux para 75% do ano. De acordo com a nova proposta atingimos 3,5 DF em mais de 50% da área útil da laje e até9 metrosde profundidade nos espacos de pé direito duplo, o que significa uma considerável redução do consumo energético destinado a iluminação artificial.

Planta Subsolo
Planta Térreo
Planta 1° Pavto.
Planta 2° Pavto.
Planta 3° Pavto.
Planta 4° Pavto. Terraço
Corte BB

 

 

 

 

Ficha técnica:

  • Arquitetos:Estúdio Arkiz + Hiperstudio
  • Ano: 2010
  • Área construída: 2500 m²
  • Área do terreno: 700 m²
  • Tipo de projeto: Institucional
  • Operação projetual:Projeto
  • Status:Concurso
  • Características Especiais: Sustentável
  • Materialidade: Concreto e Vidro
  • Estrutura: Aço
  • Localização: Florianópolis, Brasil
  • Implantação no terreno: Isolado

Equipe:

  1. Escritórios: Estúdio Arkiz + Hiperstudio
  2. Autores: João Paulo Payar, Matheus M.R. Alves. Rafael Gazale Brych, Ricardo Felipe Gonçalves
  3. Colaborador: Alexandre Hepner

 

 

Informação Complementar:

  1. Consultor Estrutura: Yopanan Rebello (YCON)
  2. Consultor Design Ambiental: Ricardo Messano

Cita: Joanna Helm. "2º lugar Concurso Público Nacional de Arquitetura para a Biblioteca Pública de Santa Catarina / Estúdio Arkiz + Hiperstudio " 29 Jan 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/26330/2o-lugar-concurso-publico-nacional-de-arquitetura-para-a-biblioteca-publica-de-santa-catarina-estudio-arkiz-mais-hiperstudio> ISSN 0719-8906