O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Musealização da Área Arqueológica da Praça Nova do Castelo de S. Jorge / Carrilho da Graça Arquitectos

Musealização da Área Arqueológica da Praça Nova do Castelo de S. Jorge / Carrilho da Graça Arquitectos

Musealização da Área Arqueológica da Praça Nova do Castelo de S. Jorge / Carrilho da Graça Arquitectos
Musealização da Área Arqueológica da Praça Nova do Castelo de S. Jorge / Carrilho da Graça Arquitectos, © FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra
© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra


© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

“Language is an archaeological vehicle… the language we speak is a whole palimpsest of human effort and history.”

Russell Hoban

A colina hoje ocupada pelo Castelo de São Jorge é o sítio primeiro da ocupação humana — datada da Idade do Ferro — que transfiguraria em lugar a elevação estratégica sobre o estuário do Tejo e o seu território interior que deu origem à cidade de Lisboa. No conjunto amuralhado, a Praça Nova do Castelo ocupa um promontório intramuros, delimitado por estruturas defensivas a Norte e a Oeste, e pela Igreja da Santa Cruz a Sul, promontório com um domínio visual que se estende, por sobre as muralhas a Este, desde a cidade aos seus pés até ao horizonte do estuário.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Uma extensa escavação arqueológica deste sítio, iniciada em 1986, expôs vestígios dos seus sucessivos períodos de ocupação — povoamento da Idade do Ferro, habitações muçulmanas medievais e um palácio do século XV — tendo os artefactos mais relevantes sido removidos e expostos no Museu do Castelo, ficando a escavação aberta a uma intervenção de protecção e musealização.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Esta intervenção abordou os temas da protecção, revelação e leitura do palimpsesto que qualquer escavação arqueológica representa, com um intuito pragmático de clarificar o carácter palindrómico que as estruturas expostas sugerem na sua distribuição espacial.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Assim, a primeira acção foi a clara delimitação do sítio arqueológico com uma incisão precisa, comparável à incisão cirúrgica num corpo vivo. Uma membrana de aço corten foi inserida para conter a topografia perimetral, sobrelevada, permitindo quer o acesso quer uma leitura panorâmica do sítio, evoluindo a materialidade desta incisão lenta e inexoravelmente como um tecido vivo.

Axonométrica

A mesma precisão de corte caracteriza os elementos inscritos no sítio que permitem a confortável deriva do visitante — degraus, patins e bancos, marmóreos e perenes — distinguindo-os da rugosa textura das paredes e fundações expostas.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Descendo à superfície escavada, ao seu simultaneamente primeiro nível espacial e último nível de ocupação — os vestígios de um pavimento do Palácio dos Bispos de Lisboa —, uma estrutura em consola protege os mosaicos, estrutura cujo anverso é uma superfície negra espelhada que devolve ao visitante a perspectiva vertical sobre o pavimento, perspectiva esta que a sobrelevada localização do pavimento não permite seja directa.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Avançando sobre o sítio e na sua linha cronológica, a necessária cobertura para a protecção das estruturas domésticas muçulmanas do século XI e dos frescos que sobre estas subsistem, foi tomada como oportunidade para reproduzir, através de uma interpretação conjectural, a sua experiência espacial enquanto sequência de espaços independentes organizados em torno de pátios que introduziam luz e ventilação a habitações de outra forma encerradas ao exterior.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Declaradamente abstractas e cenográficas, as paredes brancas que encenam a espacialidade doméstica das duas habitações escavadas flutuam sobre os troços de parede visíveis, ancorando-se no chão nos meros seis pontos em que esses troços o permitem, enquanto a sua cobertura translúcida, em policarbonato e ripas de madeira, filtra a luz solar.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Subjacentes a todo o sítio arqueológico, os vestígios da ocupação da Idade do Ferro são expostos e protegidos através de um volume compacto que, num movimento espiralado, se destaca das paredes limítrofes em aço corten para abraçar o poço necessário à sua revelação.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Maciço e dramático, este volume é pontualmente fenestrado por rasgos horizontais que convidam à curiosidade da observação do seu interior, conduzindo o visitante em volta do poço de escavação até ao ponto a vista é desobstruída e ambas as distâncias física e temporal das estruturas expostas é tornada evidente.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

O palimpsesto da história do sítio é assim descodificado e a possibilidade da sua leitura palindrómica temporal e espacial clarificada: não apenas através da leitura da informação escrita que acompanha a visita, mas sobretudo, e significativamente, através da experiência construída pela materialização da sua protecção e musealização.

© FG+SG – Fernando Guerra, Sergio Guerra

Ficha técnica:

Equipe:

  1. Projecto: João Luís Carrilho da Graça, arquitecto e João Gomes da Silva, arquitecto paisagista.
  2. Colaboradores: Francisco Freire, Vasco Melo, Pedro Abreu, Monica Ravazzolo - arquitectos; Paulo Barreto e Vanda Neto - maquetistas.

Informação Complementar:

  1. FUNDAÇÕES E ESTRUTURA: ESTUDOS BETAR - José Pedro Venâncio e Paulo Mendonça, engenheiros;
  2. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: ESTUDOS BETAR - Marta Azevedo e Jorge Pinheiro, engenheiros;
  3. INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS: Ruben Sobral, engenheiro;
  4. INSTALAÇÕES SEGURANÇA: GIPIC - Alexandre Martins, engenheiro;
  5. DESIGN DE SINALÉTICA: Henrique Cayatte, Mónica Lameiro e Pedro Gonçalves, designers.
  1. CUSTO: 1 000 000 00€
  2. PROMOTOR: EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural)

Sobre este escritório
Carrilho da Graça Arquitectos - João Luís Carrilho da Graça
Escritório
Cita: Joanna Helm. "Musealização da Área Arqueológica da Praça Nova do Castelo de S. Jorge / Carrilho da Graça Arquitectos" 06 Jan 2012. ArchDaily Brasil. Acessado . <https://www.archdaily.com.br/20123/musealizacao-da-area-arqueologica-da-praca-nova-do-castelo-de-s-jorge-carrilho-da-graca-arquitectos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.