O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Centro Para Jovens
  4. França
  5. Rue Royale Architectes
  6. 2013
  7. Sticky Fingers / Rue Royale Architectes

Sticky Fingers / Rue Royale Architectes

  • 19:00 - 12 Abril, 2014
  • Traduzido por Camilla Sbeghen
Sticky Fingers / Rue Royale Architectes
Sticky Fingers / Rue Royale Architectes, © Erick Saillet
© Erick Saillet

© Erick Saillet © Erick Saillet © Erick Saillet © Erick Saillet + 13

  • Arquitetos

  • Localização

    4 Rue Sylvain Simondan, 69009 Lyon, França
  • Escritório de Desenho Técnico

    BETREC (contabilidade, estrutura), PHILAE (fluídos), Génie Acoustique (acústica), STARACE (acústica),
  • Área

    2094.0 m2
  • Ano do projeto

    2013
  • Fotografias

  • Category

  • Coordenação

    SACVL
  • Contratante

    COPLAN Rhône-Alpes
  • Inspeção Técnica

    SOCOTEC
  • Segurança e Saúde

    Veritas
  • Área Geral

    2,380 m2
  • Centro de Jovens

    828 m2
  • Centro Social

    310 m2
  • Creche

    456 m2
  • Áreas Comuns

    500 m2
  • Mais informações Menos informações
© Erick Saillet
© Erick Saillet

Descrição enviada pela equipe de projeto. Um centro social, cultural e esportivo em Saint-Rambert, Lyon, França.

O fato de que o projeto tenha o nome de um célebre álbum de música de rock não é somente uma alusão musical, mas sim uma referência direta a sua forma. Na aparente simplicidade das três estruturas de madeira sobre um pedestal, esse centro social, cultural e esportivo deu lugar a diferentes complexidades, tanto em sua construção como em suas funções. Com uma superfície de mais de 2 mil metros quadrados, conta com uma creche, um dojo, sala para música, arte e informática, equipamentos para jovens e um centro social. Foi desenhado para ser utilizado por pessoas de todas as idades, em uma sutil mistura de reciprocidade e intimidade.

Corte 1
Corte 1

Além de suas diferentes funções e utilizações, o edifício se encontra em um entorno muito especial, como um ponto de articulação em uma malha urbana diversificada. Interligado em uma ladeira pronunciada,  ele introduz à paisagem e à vida vegetal novos caminhos, com um sentido de leveza sem esforço.

Um projeto urbano
Um projeto paisagístico
Um projeto arquitetônico
Um projeto social

© Erick Saillet
© Erick Saillet

Um projeto urbano

O bairro de Saint-Rambert está situado na esquina noroeste do distrito 9 de Lyon, junto a residência Monts d'Or. Dois fenômenos conseguintes caracterizam a zona em que se encontra Sticky Fingers. Para começar, seu estilo heterogêneo de urbanização, em sua maioria composto por residências, consequência das fazendas do século 19, blocos de 1960 e empreendimentos recentes. Nesse lugar encontra-se a íngreme ladeira, que fez com que fossem necessários muros de contenção, como frequentemente pode-se encontrar na localidade. A exuberante vegetação acompanha o recém colonizado, campo.

Planta Geral
Planta Geral

Como propriedade da Société d'Aménagement et de Construction de la Ville de Lyon(SACVL), o edifício forma parte de um plano de requalificação urbana maior, projetado por Thierre Roche e a empresa paisagista Hors Champs. Cinco edifícios foram demolidos para dar lugar à ela.

O edifício localiza-se no meio de uma curva no caminho, que lhe conferiu um alto grau de visibilidade em todos os lados.

© Erick Saillet
© Erick Saillet

Os arquitetos queriam que o caráter arquitetônico do projeto fosse o mais leve, baixo e discreto possível que encaixasse com a ladeira em vez de agregar plataformas artificiais criadas com o propósito de urbanizar massivamente. Situado em uma das áreas, ele toma lugar de um dos edifícios que foi demolido. Entre as grandes propriedades da burguesia e lares menores, o centro respeita a escala urbana os espaço, o reequilíbrio das forças em jogo e a criação da "boa vizinhança".

No lado leste do terreno, existe uma série de escadas que conduzem a um pequeno bosque. Elas vinculam as partes superiores e inferiores do bairro atravessando os amplos terraço do projeto.

© Erick Saillet
© Erick Saillet

Um projeto paisagístico

A vegetação desse projeto, recentemente urbanizado, é exuberante, incluindo antigas e finas árvores que se harmonizam com o edifício. Inspira-se e funde-se com a natureza de forma que os sucessivos estratos abraçam a ladeira, mas também, os materiais utilizados e a melhoria da paisagem.

Com sua arquitetura "fugaz", a forma em que se adapta a ladeira (incluindo a incorporação dos espaços maiores na colina), seu respeito pelas distintas vistas e os nexos faz com que a paisagem circundante seja considerada no projeto. A escolha dos materiais - concreto e madeira - provém do objetivo da integração. O concreto faz alusão aos muros de pedra vizinhos e a madeira é o material mais "amigo da natureza". Com o tempo o revestimento de madeira adquirirá um tom mais cinza, entoando de forma mais direta com seu entorno.

© Erick Saillet
© Erick Saillet

Manutenção e desenvolvimento das propriedades no local, e a criação de continuidades na vegetação eram os objetivos principais do desenho. A cobertura foi projetada de uma maneira que dará ao edifício pouco a pouco um forte tom verde. E o bosque ao leste está sendo incrementado com o plantio de mais árvores pertencentes às variedades já existentes.

Planta baixa - Térreo
Planta baixa - Térreo

Um projeto arquitetônico

O edifício é uma espécie de iceberg, em que somente uma parte é realmente visível. A ambição principal era harmonizar-se com a ladeira e respeitar o meio ambiente, o que significava enterrar grandes espaços que estavam destinados para as diferentes atividades, de forma que os pequenos volumes de madeira são tudo que emerge. A luz natural entra através de grande pátios abertos. Nessa lógica de ocultação máxima, a parte norte do local é um talude coberto de vegetação.

O pedestal é de concreto de cor escura que coincide com as paredes vizinhas. Brinca-se com o contraste das três estruturas de madeira clara e suas horizontais e refinadas formas. 

© Erick Saillet
© Erick Saillet

O projeto se baseia nos passos que se executam ao longo de sua face leste e abraçam a ladeira, que está a 11 metros de altura, enquanto que os distintos caminhos entre o espaço público e o novo edifício criam espaços intermediários divididos para outros usos. Existe um espaço multifuncional que leva a um grande terraço orientado ao sul, e os espaços destinados para a música e arte também contam com discretas vistas sobre as escadas de madeira no lado leste.

A cobertura é um aspecto importante para a construção, está integrado a ladeira e é visível desde a maioria dos ângulos. O teto das três unidades de madeira, igual que o das fachadas, são de madeira de lariço e oculta o equipamento técnico instalado na cobertura, em contraste com a paisagem.

Corte 2
Corte 2

Teve-se um cuidado especial no tratamento interior, devido a sua grande variedade de ambientes. Uma palheta de cores deliberadamente neutras foi adotada para os pisos e paredes, diferentemente da creche e do átrio. A cor vermelha foi eleita para as crianças maiores e verde para as mais pequenas. O resultado é um ambiente alegre e estimulante. O mobiliário para a creche foi desenhado em sua totalidade pelos próprios arquitetos, para ser ergonomicamente adequado para as crianças.

A acústica é sempre um elemento importante de um edifício frequentado por grandes quantidades de pessoas, e na sala de música foi posto um cuidado especial. Uma laje dupla de concreto com uma camada de isolamento acústico no meio evita a transmissão do som, e produz o efeito absorvente de uma "caixa dentro de uma caixa".

© Erick Saillet
© Erick Saillet

Um projeto social

O edifício em si é um equipamento social em termos de sue programa, as decisões fundamentais que foram tomadas e a relação com seu espaço circuncidante. É um centro para o bairro que oferece uma série de atividades sociais, junto a instalações culturais e esportivas para os jovens. Existe a creche,o dojo,  o espaço multifuncional, a sala de atividades, o estúdio de dança, salas para arte e música e uma área administrativa. Foi substituído o clube juvenil e o centro social que anteriormente aconteciam no edifício.

A ideia de justapor os programas em vez de separá-los levou a certas complexidades em relação a gestão dos fluxos, as vistas, as entradas e os intercâmbios. Ao final, essa justaposição demonstrou sinergia, enquanto que também proporciona espaços para todos os interesses. O objetivo era reunir os diferentes grupos e organizar atividades em distintos momentos, de forma que o edifício funcione durante todo o dia como um unificador, uma força vital através de toda uma zona residencial.

Planta Baixa - Primeiro Pavimento
Planta Baixa - Primeiro Pavimento

Mas, também é através da sua implantação, seu caráter arquitetônico e urbanístico que o projeto expressa uma postura social. Abre-se aos seus usuários, a população local em geral e ao seu entorno. Cria vínculos e potenciais ao abrir-se as perspectivas com respeito, discrição e bom gosto.

Ver a galeria completa

Localização do Projeto

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Sticky Fingers / Rue Royale Architectes" [Sticky Fingers / Rue Royale Architectes] 12 Abr 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/188519/sticky-fingers-slash-rue-royale-architectes> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.