O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Casas
  4. Portugal
  5. Tiago do Vale Arquitectos
  6. 2013
  7. Chalé das três esquinas / Tiago do Vale Arquitectos

Remodelaçao

Apresentado por the MINI Clubman

Chalé das três esquinas / Tiago do Vale Arquitectos

Chalé das três esquinas / Tiago do Vale Arquitectos
© João Morgado
© João Morgado

© João Morgado © João Morgado © João Morgado © João Morgado + 45

  • Construção

    Constantino & Costa
  • Área Em Projeção

    60m²
  • Área Construída

    165m²

Descrição enviada pela equipe de projeto. CONTEXTO HISTÓRICO

Durante a segunda metade do século XIX Portugal assistiu ao regresso de grande número de emigrantes do Brasil. Retornando às suas origens, sobretudo pelo Douro e Minho, trouxeram consigo notáveis fortunas realizadas no comércio e indústria nas grandes cidades brasileiras, fruto do boom econômico e do cruzamento de culturas presente no Brasil da época. Com eles vem também uma cultura e cosmopolitismo ainda estranhos a Portugal oitocentista, respirando as primeiras lufadas de liberalismo.

© João Morgado
© João Morgado

A combinação da fortuna e gostos trazidos do Brasil pontuou as cidades do norte de Portugal com exemplos de arquitetura de qualidade, singulares no contexto urbano em que se inserem e muitas vezes informadas pelo melhor do que era feito tanto na Europa como no Brasil.

CONTEXTO DO EDIFÍCIO

O "Chalé das Três Esquinas" constitui um exemplo claro da influência brasileira na arquitetura portuguesa do século XIX mas é, também, um caso singular nesse contexto particular.

© João Morgado
© João Morgado

Imediatamente após a abertura da Rua Dom Frei Caetano Brandão construiu-se, fazendo esquina com o largo da Sé e com dinheiro brasileiro, um palacete muito bem ornado, com complexas cantarias e estuques e carpintaria em madeiras exóticas. Em deferência aos seus espaços nobres, a cozinha, lavanderia, despensas e aposentos do pessoal, normalmente escondidos em caves e sótãos, remeteram-se a um prédio anexo, de construção corrente e despojada.

O Chalé das Três Esquinas foi construído segundo o modelo idealizado de um chalé alpino, popular no Brasil oitocentista (de proporções altas, janelas verticalizadas, telhados inclinados e beirados decorados).

Chalé das três esquinas / Tiago do Vale Arquitectos, © João Morgado
© João Morgado

Devido à muitos fatores, este é, provavelmente, um exemplar único de arquitetura oitocentista de matriz brasileira ainda de pé em Portugal.

Situada no coração das muralhas romanas e medievais de Braga, junto à Sé (uma das mais importantes da Península Ibérica) é uma casa particularmente ensolarada, com duas frentes, uma a oste, voltada para a rua, outra a leste, voltada para um miolo de quadra qualificado, permitindo luz direta ao longo de todo o dia.

© João Morgado
© João Morgado

Sua arquitetura se organiza pela caixa de escadas (iluminada por uma claraboia) definindo, em cada piso, dois espaços de mesmo tamanho, um a leste e outro a oeste.

A natureza dos espaços evolui do público para o privado à medida que subimos desde a loja no piso térreo para as áreas sociais da casa (com a sala a oeste e a cozinha a leste) até aos quartos na parte mais alta.

Alzado Poniente
Alzado Poniente

Quanto à sua construção, as esquadrias e paredes periféricas (estruturais) em alvenaria são em granito amarelo da região, sendo a demais estruturas (pisos e cobertura) executadas em um sistema de vigas e barrotes de madeiras variadas. As paredes internas são executadas em tabique e pisos revestidos a soalho.

PROJETO

Confrontada tanto com o estado degradado e adulterado do prédio como com o interesse da sua história e tipologia, a equipe de projeto tomou como missão recuperar a identidade do edifício oitocentista, perdida ao longo de 120 anos de inúmeras pequenas intervenções não qualificadas. A intenção é tornar claros os seus espaços e funções, adequando-os ao modo atual de habitar.

© João Morgado
© João Morgado

O programa pedia a convivência entre um espaço de trabalho e um programa de habitação. Dada a reduzida área de implantação, seguiu-se a estratégia original de hierarquizar as áreas por pisos, correspondendo a cada lance de escadas um maior grau de privacidade. A cada lance a escada vai também se estreitando, comunicando a mudança de natureza dos espaços aos quais dá acesso.

O desejo de garantir o máximo de transparência por todo o prédio, permitindo que a luz o cruze de frente a frente e do topo ao rés-do-chão, definiu todas as estratégias de organização e compartimentação do prédio, resultando em uma solução próxima à de um loft vertical.

© João Morgado
© João Morgado

Tirando partido de uma diferença de cotas de 1,5 m entre a rua e o interior da quadra, foi possível colocar o espaço de trabalho no piso térreo, beneficiando da relação com a rua e a luz da orientação oeste. Ao mesmo tempo, o programa doméstico relaciona-se com a praça do interior da quadra e a luz de leste, através de uma plataforma que estabelece a transição entre cozinha e exterior. Esta característica permite que ambos os espaços afirmem de imediato características e iluminação muito distintas, embora separados apenas por dois lances de escada.

A geometria da caixa de escadas, antes fechada em 3 dos seus lados, filtra eficazmente a relação visual entre os dois programas deixando, no entanto, que a luz natural dos pisos superiores ilumine o espaço de trabalho.

© João Morgado
© João Morgado

O segundo piso foi reservado para as zonas sociais da habitação. Ao se recusar a tendência natural de compartimentação, foi possível que a caixa de escadas definisse os perímetros da sala e cozinha, mantendo uma planta aberta e iluminada ao longo de todo o dia, com luz de leste pela cozinha, zenital pela caixa de escadas e de oeste pela sala.

Subindo os últimos e estreitos lances de escada, chega-se à área dos quartos, espaço onde o protagonismo é entregue à cobertura, cujo sistema construtivo é mantido aparente, embora pintado de branco. Do outro lado da caixa de escadas, que é o elemento organizador de todos os pisos, há um closet e um banheiro. 

© João Morgado
© João Morgado

Se o tema visual da casa é a cor branca, sistematicamente repetida nas paredes, tetos, carpintarias e mármore, o closet é a surpresa no culminar do percurso em direção à área privada da habitação: com o piso e o sistema construtivo da cobertura na sua cor natural e com armários e portas em todo o seu perímetro construídos no mesmo material, apresenta-se como uma pequena caixa de madeira, contrapondo a caixa branca do prédio e sendo contraposta pela pequena caixa de mármore da instalação sanitária

MATERIAIS

Enquadrada na estratégia de maximizar a luz e dar clareza aos espaços, a escolha dos materiais e acabamentos utilizados nesta construção é intencionalmente limitada: a cor branca, nas paredes, tetos e esquadrias em geral, pelas suas qualidades espaciais e luminosidade; a madeira na sua cor natural, nos soalhos e no closet, pelo calor e conforto; e o mármore branco de Estremoz, no revestimento do piso térreo, nos balcões e no chão e paredes das instalações sanitárias e lavanderia pela textura, reflexibilidade e cor.

© João Morgado
© João Morgado

Foram repostas todas as esquadrias em madeira na fachada principal, a cobertura refeita com telha Marselhesa original sobre uma estrutura de abeto e pinho e o beirado decorativo restaurado para o seu estado original.

O assoalho foi recuperado com pinho americano sobre a estrutura original e todas as superfícies impermeáveis revestidas com mármore português de Estremoz.

As esquadrias do térreo permaneceram em ferro, embora redesenhadas para maximizar a iluminação natural.

Planta de Acesso
Planta de Acesso

CITAÇÕES

"Logo durante nossa primeira visita percebemos que o prédio pedia, desesperadamente, duas coisas: primeiro que o libertassem de toda a construção avulsa que o sufocou e que comprometeu a clareza e a lógica com que originalmente organizava os seus espaços; e em seguida (o que, em muitos aspectos, também é um sintoma do mesmo problema) que se permitisse à luz que permeasse os seus espaços. A escuridão acabou por ser a consequência derradeira da compartimentação sistemática a que o prédio foi sujeito. Era preciso maximizar tanto a luz como a transparência para permitir que o edifício respirasse."

Tiago do Vale

"A tipologia original do prédio, tipicamente oitocentista na sua matriz - e tendo também em conta que o prédio foi, desde logo, concebido para um uso flexível - é, por si só, muito permissiva e aberta, capaz de dar resposta a praticamente qualquer tipo de programa de arquitetura.

© João Morgado
© João Morgado

Portanto nunca nos ocorreu outro caminho senão o de ser fiel à sua natureza original, tanto na arquitetura como nas soluções técnicas, como na organização e distribuição do programa. 

Recuperamos não apenas os materiais mas também os usos de cada espaço. E mesmo quando introduzimos materiais novos - como fizemos com o mármore de Estremoz - fizemo-lo com o critério de se ajustar à sua natureza e ao seu contexto histórico."

Tiago do Vale

" Neste caso, o tempo não lhe foi [ao prédio] generoso.

Muitas vezes um arquiteto encontra-se dividido na tentativa de dar resposta aos desafios de uma requalificação, seduzido entre a honestidade conceptual de um restauro cego e estrito e a desonestidade conceptual de se permitir à liberdade de alterar um pouco a narrativa do edifício para permitir que o seu desenho possa ir mais longe num ou noutro aspecto em particular.

© João Morgado
© João Morgado

Como em tudo, o melhor compromisso está sempre entre os dois extremos, informado por ambos: um restauro estrito e cego pode produzir um objeto arquitetônico interessante e honesto, mas é necessário ceder em algum ponto se queremos que o edifício seja capaz de dar resposta aos requisitos das formas de viver contemporâneas, que são dramaticamente diferentes das de há 120 anos. Essa resposta é, em última análise, a derradeira missão de um edifício (e aquilo que o mantém vivo). 

Quando a passagem do tempo é generosa com uma construção, qualifica-a e valoriza-a, acrescentando novas qualidades às originais, anotando o seu percurso no tempo. Ilustra como a forma como nos relacionamos com os espaços onde vivemos muda e evolui incessantemente, o que é enormemente enriquecedor e uma experiência maravilhosa de arquitetura.

© João Morgado
© João Morgado

Assim, regressando a este caso em particular, tentamos cometer a desonestidade terna de oferecer ao prédio uma história mais feliz, com um percurso mais generoso do que aquele que realmente sofreu. Recuperamos e destacamos as suas interessantíssimas características originais introduzindo, ao mesmo tempo, elementos e ideias capazes de conduzir, passo a passo, esta casa desde a sua fundação até aos dias de hoje, perfeitamente ajustada ao modo de habitar contemporâneo."

Tiago do Vale

"No fundo, a nossa opção foi elementar: restaurar as suas condições originais mas com a subtileza (digo-o assim, embora seja este o ponto mais fundamental do processo) de acrescentar algo para além do restauro cego, capaz de devolver esta casa às sua função, ao uso (vivido com genuína qualidade de vida), à rua, à cidade, e ao tempo de hoje, e fazê-lo dotando-a de flexibilidade suficiente para que se mantenha útil e viva por outros 120 anos.

Portas primeiro pavimento e ático
Portas primeiro pavimento e ático

E, mesmo assim, não é coisa pequena: função, usos, pessoas, ruas, cidades, são coisas que, sem cansaço e sem pedir desculpa, permanentemente vão mudando a forma como se relacionam com a sua envolvente construída".

Tiago do Vale

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
Cita: "Chalé das três esquinas / Tiago do Vale Arquitectos" [El chalé de las tres esquinas / Tiago do Vale Arquitectos] 26 Nov 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/155113/chale-das-tres-esquinas-slash-tiago-do-vale-arquitectos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.