O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Posto De Saúde
  4. Austrália
  5. DesignInc
  6. 2012
  7. Centro de Processamento de Melbourne e Hemocentro da Cruz Vermelha Australiana / DesignInc

Centro de Processamento de Melbourne e Hemocentro da Cruz Vermelha Australiana / DesignInc

  • 15:00 - 24 Novembro, 2013
  • Traduzido por Pedro Vada
Centro de Processamento de Melbourne e Hemocentro da Cruz Vermelha Australiana / DesignInc
Centro de Processamento de Melbourne e Hemocentro da Cruz Vermelha Australiana / DesignInc, © Mark Wilson
© Mark Wilson

© Dianna Snape © Dianna Snape © Dianna Snape © Dianna Snape + 13

  • Arquitetos

  • Localização

    Batman Street, Melbourne VIC 3003, Austrália
  • Diretor do projeto

    Rohan Wilson
  • Equipe

    Rebecca Alavi, Yasushi Honda, Philip Weatherlake, Vi Vuong, Natalie Yong, Gus Kroyherr, Lucy Brylski, John Hoogwerf, Lachlan McEwan, Wilson Heng, Evelyn Lian, Dominique Loilie, Daragh Doyle
  • Arquiteto Responsável

    Adrian Doohan
  • Arquiteto

    Amanda Warmuth
  • Interiores

    Sally Edelsten
  • Área

    17.500 m²
  • Ano do projeto

    2012
  • Fotografias

  • Gerente de Projeto

    Gallagher Jeffs
  • Estrutura

    Bonacci & Robert Bird Group
  • Engenharia

    Lehr Consultants International
  • Instalações

    Rider Levitt Bucknall
  • Paisagismo

    Outlines
  • Instalações prediais

    Gardner Group
  • Instalações de Combate à Incêndio

    Raw Fire
  • MGAC

    DDA & Accessibility Consultant
  • Mais informações Menos informações
© Dianna Snape
© Dianna Snape

Descrição enviada pela equipe de projeto. O Centro de Processamento de Melbourne oferece serviços do Hemocentro da Cruz Vermelha Australiana com novas instalações. Está alojada em uma casca de um antigo galpão dos anos 1920, construído originalmente como uma fabrica de montagem Morris Minor em Melbourne. O edifício de alvenaria tem diferentes gabaritos, de um a quatro pavimentos e foi um processo significativo e necessário adequá-lo aos padrões da legislação atual, com a sobreposição exigidas pela empresa para operar em caso de emergência. Há 17.500 m² de área para acomodar o processamento e a distribuição de sangue, teste sanguíneos, apoio e laboratórios de pesquisas, armazenagem, escritórios, administração e área para os funcionários.

A atitude de transformar e reforçar um dos antigos galpões de Melbourne foi visto como uma boa ação para a organização que compartilha fortes paralelos com o edifício. Ambos estão imersos na história de Melbourne e tem grande importância no tecido urbano. Ambos foram reinventados com uma nova aparência. Essa reutilização e adaptação com uma abordagem restauradora de galpões subutilizados foi encarada como a essência do projeto sustentável, o que levou a sua seleção no processo de licitação.

© Dianna Snape
© Dianna Snape

O terreno existente engloba dois edifícios adjacentes distribuídos em 3/4 de uma quadra urbana. Foram construídos até o limite do lote, com uma viela interna que mais tarde foi fechada. A premissa principal era restabelecer a viela central como um ponto focal introspectivo do edifício que abrigaria toda a circulação arterial, tanto a horizontal quanto a vertical. Também abrigaria os "pulmões" do edifício, com pátios internos, enquanto a melhoria das condições internas seria feita reintroduzindo a luz natural em toda a profundidade de 60m. 

O edifício, por sua própria natureza, tinha uma sensação industrial desgastada que foi utilizada e reforçada pelas linhas nítidas das intervenções contemporâneas, uma harmonia que celebra a história do edifício e o transforma com suas novas funções. Desde o início, a filosofia era preservar a estrutura existente e onde não era possível, recuperar o material e reintroduzi-lo. Isto é mais evidente na reutilização da estrutura de madeira existente (que por razões estruturais teve que ser substituída). Ela foi utilizada como revestimento do escritório, eixos estruturais e na fabricação de novas treliças de madeira da cobertura do escritório.

© Dianna Snape
© Dianna Snape

A transparência é evidente em todo o projeto, com vazios e vistas bem marcadas permitindo que funcionários possam olhar para os andares e ao longo das áreas de laboratório. Este aspecto melhora a interatividade e mostra o processo de racionalização da gestão do sangue e a função principal do edifício que salva mil vidas australianas por ano.

A qualidade do ar interno ;e um componente vital do projeto em diversos aspectos. OS laboratórios possuem controles rigorosos de temperatura e umidade. Embora as áreas de escritórios sejam menos rigorosas, a saúde e o bem-estar foi considerado muito importante. O edifício nos ofereceu a capacidade de utilizar a massa térmica significativa dos muros existentes, o que aumentou a eficiência energética e também ajudou com a estabilidade da temperatura. Procuramos agregar valor aos usuários com a seleção e tratamento consciente dos materiais.

© Dianna Snape
© Dianna Snape

Com quatro anos da concepção até construção, a nova unidade foi projetada para atender a um aumento de demanda por produtos de sangue ao longo das próximas três décadas e substitui uma antiga base que não era mais adequada às finalidades. Para garantir o fornecimento consistente de sangue em caso de uma catástrofe natural grave, a unidade foi pensada para operar em modo ilha por quatro dias sem fornecimento externo de gás, água, eletricidade e esgoto. Foi projetada para ser capaz de resistir a um terremoto de até sete graus na escala Richter, o que exigiu um esqueleto interno de cerca de 1.000 toneladas de aço.

As características sustentáveis incluem: um tanque de 50.000 L de coleta de água pluvial que é reutilizada nos banheiros para 350 funcionários durante o ano todo, aquecimento solar da água, e mobiliários GECA.

Planta do 1o Pavimento
Planta do 1o Pavimento

Ver a galeria completa

Sobre este escritório
DesignInc
Escritório
Cita: "Centro de Processamento de Melbourne e Hemocentro da Cruz Vermelha Australiana / DesignInc" [Australian Red Cross Blood Service Melbourne Processing Centre / DesignInc] 24 Nov 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Vada, Pedro) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/155047/centro-de-processamento-de-melbourne-e-hemocentro-da-cruz-vermelha-australiana-slash-at-design-inc> ISSN 0719-8906