O site de arquitetura mais visitado do mundo
Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Memorial
  4. México
  5. Gaeta Springall Arquitectos
  6. 2013
  7. Memorial às Vítimas de Violência / Gaeta-Springall Arquitectos

Memorial às Vítimas de Violência / Gaeta-Springall Arquitectos

Memorial às Vítimas de Violência / Gaeta-Springall Arquitectos
Memorial às Vítimas de Violência / Gaeta-Springall Arquitectos, Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos + 17

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

Descrição enviada pela equipe de projeto. O terreno é em Chapultepec, o mais importante parque da Cidade do México. Esta parte da floresta pertence ao Governo Federal e esteve sob a custódia do Ministério da Defesa do México por muitas décadas. O projeto deste Memorial significa, primeiramente, a recuperação de 15.000 m² de espaço público.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

Um memorial é uma obra arquitetônica na qual estão impregnadas algumas lembranças e memórias da cultura e da história; neste caso em particular do Memorial às Vítimas da Violência no México, materializamos, sob forma de arquitetura, uma das questões mais importantes e freqüentes na sociedade mexicana: a violência. Esta é uma grande ferida aberta, e em resposta a isto propusemos para este lugar um projeto aberto, aberto para a cidade e aberto para apropriações dos cidadãos; um projeto com uma forte relação com a cidade e seus atores. A essência do projeto reside na recuperação do espaço público, assim como na memória às vítimas da violência.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

Nosso projeto apresenta um papel duplo: espaço público e memorial.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

A primeira premissa era reconhecer a vocação do lugar enquanto uma floresta, com uma presença bastante forte da natureza; as árvores estão lá e caracterizam o lugar.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

A violência é sugerida em duas dimensões: o vazio e o construído.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

O vazio proposto no projeto é o espaço criado entre as paredes de aço e as árvores. Este vazio ou espaço vago remete-nos ao conceito de não-presença e ausência de pessoas para lembrar, e as superfícies de aço, enferrujadas ou espelhadas, mostram que podemos nos perder, nos juntar ou nos multiplicar.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

Além disso, se pensarmos em violência como destruição, a construção de setenta paredes de aço age como um grande antídoto contra a violência.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

A principal característica do projeto consiste na construção de setenta paredes metálicas de aço corten que se elevam entre as árvores; é um jogo ambíguo entre natureza e arquitetura: a floresta de árvores e a floresta de muros. As árvores e os visitantes desempenham o papel dos seres vivos, enquanto que as paredes de aço desempenham o papel da imaterialidade das memórias das vítimas.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

A  paleta de materiais é reduzida: aço e concreto, acrescentados aos elementos naturais da floresta. Utilizamos o aço corten sob três formas: natural, enferrujado ou reflexivo inoxidável, cada um deles carregam significados diferentes. O aço enferrujado remete às marcas e cicatrizes causadas pelo tempo em nossas vidas. O aço inoxidável é usado para refletir e multiplicar a vida: pessoas, árvores, e a água no espaço central. O aço natural é usado como um elemento impassível que nos recorda os valores essenciais que as sociedades devem manter para viverem em paz. O concreto é usado nos caminhos e nos bancos, suporte para caminhadas e reflexões.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

No espaço central há uma fonte de 1,200 m², de geometria aberta e indeterminada, que nos faz lembrar que a questão da violência ainda está em aberta. A fonte é coberta com uma grelha que permite que visitantes caminhem sobre a água. Água significa vida; água purifica e cura.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

Nesta área as paredes de aço se elevam mais alto, carregando todo o lugar com drama. A reflexão das árvores e paredes na água atrai nossa atenção para todas as partes. Quando olhamos para cima, enxergamos o céu, a luz, o sol... a esperança.

Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos
Cortesia de Gaeta-Springall Arquitectos

Por fim, uma das partes mais importantes do projeto é a humanização e apropriação das paredes de aço. A sociedade é responsável por fazer o Memorial. As setenta paredes metálicas são espaços que convidam as pessoas a escrever o nome das vítimas e expressar seus sentimentos e emoções. Estas paredes funcionam como espelhos e quadros-negros que, através das inscrições, são transformadas em testemunhas da dor e destruição provocadas pela violência do crime organizado.

Planta
Planta

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Cita: "Memorial às Vítimas de Violência / Gaeta-Springall Arquitectos" [Memorial To Victims Of Violence / Gaeta-Springall Arquitectos] 03 Mai 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Baratto, Romullo) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/111859/memorial-as-vitimas-de-violencia-slash-gaeta-springall-arquitectos> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.