O site de arquitetura mais visitado do mundo
i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

Inscreva-se agora para salvar e organizar seus projetos de arquitetura

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

Encontre os produtos mais inspiradores do nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

i

En todo el mundo, arquitectos están encontrando maneras geniales para reutilizar edificios antiguos. Haz clic aquí para ver las mejores remodelaciones.

Quer ver os melhores projetos de remodelação? Clique aqui.

i

Mergulhe em edifícios inspiradores com nossa seleção de 360 ​​vídeos. Clique aqui.

Veja nossos vídeos imersivos e inspiradores de 360. Clique aqui.

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
Navegue entre os artigos utilizando o teclado
  1. ArchDaily
  2. Projetos
  3. Universidade
  4. França
  5. Ateliers 2/3/4/
  6. 2012
  7. A Expansão do Politécnico de Montreuil / Ateliers 2_3_4_

A Expansão do Politécnico de Montreuil / Ateliers 2_3_4_

  • 16:00 - 10 Abril, 2013
  • Traduzido por Gica Fernandes
A Expansão do Politécnico de Montreuil / Ateliers 2_3_4_
A Expansão do Politécnico de Montreuil / Ateliers 2_3_4_, © Juan Sepulveda
© Juan Sepulveda

© Nicolas Fussler © Nicolas Fussler © Juan Sepulveda © Juan Sepulveda + 35

  • Arquitetos

  • Localização

    191 Rue de la Nouvelle France, 93100 Montreuil, France
  • Arquitetos Responsáveis

    Olivier ARENE, Jean-François PATTE, Emilie SOPENA
  • Equipe

    Elie MARçAIS, Hélène ARLIGUI, Olivia MEDOT, Nicolas GUILLAUME, Fabrizio GLORIOSO, Guilio TARQUINI, Tae Hyung Kim
  • Paisagismo

    Faubourg 2/3/4/ Florian LUNEAU
  • Engenheiros Consultados

    SAS MIZRAHI, Eric BOURNIQUE, Christian KPESSOKRO
  • Área

    4400.0 m2
  • Ano do projeto

    2012
  • Fotógrafos

© Juan Sepulveda
© Juan Sepulveda

Descrição enviada pela equipe de projeto. A extensão do Politécnico de Montreuil (IUT) localiza-se em terreno sob profunda transformação: densificação do ambiente construído, boulevard urbano, chegada do Tram (VLT) e a renovação de uma vizinhança em dificuldade.

© Nicolas Fussler
© Nicolas Fussler

O projeto contempla duas funções distintas e idependentes: a extensão do Politécnico (ciências da computação, relações públicas e administração) e o refitório da Universidade (CROUS). Elas estão entrelaçadas em apenas um edifício identificável e de apenas 4 pavimentos parciais. Seu volume regular vem à vida através das reflexões dos espelhos de aço inox polido das esquadrias como tamb'em pelo jogo de luz e sombra que revela uma onda de várias configurações de tijolos cinza.

© Nicolas Fussler
© Nicolas Fussler

Isolados externamente, tijolos sólidos moldados são o principal material do edifício (das fachadas e dos revestimentos de piso) graças à suas características ecológicas e suas qualidades térmicas, climáticas e acústicas mas também porque, ao longo do tempo, manterá sua coloração original além da pátina do tempo, sem qualquer tipo de manutenção especial.

© Juan Sepulveda
© Juan Sepulveda

Esse retângulo escuro e compacto, escavado para permitir a entrada de luz, se abre para um grande pátio central prolongado por uma praça coberta que dá acesso ao hall do Politécnico e o refeitório do CROUS. Em contraste com o envelope externo, as fachadas do pátio estão revestidas com placas cerâmicas brancas que, juntamente com o aço inoxidável, confere ao projeto um centro claro e luminoso. A claridade destes espaços (com acabamentos de concreto branco polido e pisos de resina de mármore branco) acentua a partir da rua a transparência do edifício que abre o Politécnico para a cidade.

© Nicolas Fussler
© Nicolas Fussler

A compactação do projeto nao impediu a criação de um jardim plantado com árvores no pavimento térreo aberto a todos e visível dos pavimentos superiores. Este componente "não programado" cria uma área de microclima, o vetor interno da boa qualidade de vida e uso. Através da criação de uma praça ensolarada mas também ventilada (ventilação natural norte e sul atravessa a praça coberta), fornece proteção das diferenças nas temperaturas e luminosidades. Aberto ao nordeste da praça abrigada, está fechado nos três outros lados para protegê-la dos ventos dominantes (sudoeste e nordeste).

© Nicolas Fussler
© Nicolas Fussler

O pavimento térreo funciona de forma bipartida. Uma longa parede interna/externa está revestida com placas de alumínio anodizado marcam este limite. Seu desenho de motivos estampados e perfurados reinterpreta as figuras geométricas das placas de cerâmica de revestimento. Elas circulam as funções opacas e fornece um pano de fundo para os espaços abertos, delimitando duas zonas: 
 - a zona aberta ao público consistindo da praça aberta ou coberta e o jardim central que serve as funções transversais e garante a convivência do lugar
 - a zona de logística opaca acessada pelo pátio de serviço que inerva o CROUS e o Politécnico e acomoda as áreas de cozinha e serviço.

© Juan Sepulveda
© Juan Sepulveda

O conceito de projeto dos pavimentos superiores reside numa disposição distributiva e 'mono-orientada' em reação à orientação do terreno tão forte quanto a contribuição interna inerente no ensino de ciências da computação. A circulação e os espaços conviviais estão localizados no sul, enquanto as salas de aula e escritórios estão orientados ao norte, resultando na otimização de energia solar, redução do consumo de energia e a real qualidade de vida e de uso. A integração do mobiliário e das formas determina a atmosfera que fundamentam o conceito arquitetônico.

© Juan Sepulveda
© Juan Sepulveda

Ao sul, as fachadas em sua maioria opacas (75% sólidas), pontuadas por grandes aberturas deslizantes, generosamente permitem a entrada de luz direta na circulação e os lounges dos pavimentos superiores. O calor e o contraste destes espaços estimulantes são enfatizados em amarelo e preto. O problema com bases de partição e as manchas inevitáveis ​​inerentes à vocação e uso do edifício, é tratado por meio de um motivo pintado com estêncil cuja densidade graduada anima as paredes. A tipografia e a referência aos códigos binários dos computadores fazem um apelo ao ensino na instituição. Já presente  no tratamento das fachadas, o tema da pixelização é negado no tratamento geral de orientação.

© Nicolas Fussler
© Nicolas Fussler

Ao norte, as fachadas são generosamente perfuradas (50% de vazios). Assim, salas de aula e escritórios tiram proveito de uma luz difusa que confere uma atmosfera tranquila e relaxante, suportado pela escolha de tons suaves e mais frias (azul céu, anil e branco) que conduzem à concentração e assimilação de conhecimento. Todas as salas de aula compreendem uma seção de parede inteira tratada com pintura de Idea branco (pela primeira vez na Europa) para projeção de vídeo e permite escrever diretamente com pontas secas de feltro sobre a superfície da parede inteira.

Section
Section

Ver a galeria completa

Localização aproximada, pode indicar cidade/país e não necessariamente o endereço exato.
Sobre este escritório
Ateliers 2/3/4/
Escritório
Cita: "A Expansão do Politécnico de Montreuil / Ateliers 2_3_4_" [The extension of the Montreuil Polytechnic / Ateliers 2/3/4/] 10 Abr 2013. ArchDaily Brasil. (Trad. Fernandes, Gica) Acessado . <https://www.archdaily.com.br/107410/a-expansao-do-politecnico-de-montreuil-slash-ateliers-2-3-4> ISSN 0719-8906

¡Você seguiu sua primeira conta!

Você sabia?

Agora você receberá atualizações das contas que você segue! Siga seus autores, escritórios, usuários favoritos e personalize seu stream.