i

Inscreva-se agora e organize a sua biblioteca de projetos e artigos de arquitetura do seu jeito!

i

Encontre os melhores produtos para o seu projeto em nosso Catálogo de Produtos

i

Instale o ArchDaily Chrome Extension e inspire-se a cada nova aba que abrir no seu navegador. Instale aqui »

Tudo
Projetos
Produtos
Eventos
Concursos
  1. ArchDaily
  2. Notícias
  3. 10 Exercícios de desenho à mão para arquitetos

10 Exercícios de desenho à mão para arquitetos

10 Exercícios de desenho à mão para arquitetos
Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

O que é beleza? Alguns anos atrás, um grupo de pesquisadores internacionais procurou desvendar os mistérios da beleza humana. Eles usaram tecnologia computacional de última geração, totalmente imparcial, e um enorme conjunto de dados para estabelecer, de uma vez por todas, porque rostos particulares são percebidos como bonitos e se a beleza existe independentemente de origem étnica, social e cultural; Em outras palavras, se ela pode ser calculada matematicamente. Os cientistas introduziram em um poderoso computador inúmeras fotos de rostos de todo o mundo, cada um descrito por entrevistados como particularmente bonito. A informação resultante, eles acreditavam, poderia ser usada para gerar um rosto que seria reconhecido por qualquer ser humano como possuidor de uma beleza absoluta. Mas o que o computador finalmente cuspiu foi um retrato de um rosto comum, nem bonito nem feio, desprovido de vida e caráter, deixando os espectadores pasmos. Os dados acumulados criaram não uma beleza supra-humana, mas uma média estatisticamente correta.

Mas isso é exatamente que você esperaria de um computador. Aqui, quero examinar a relevância desta anedota para a beleza arquitetônica e discutir se o desenho à mão, uma habilidade que tem desaparecido rapidamente da prática cotidiana, é algo que vale a pena preservar. Parece ser uma relíquia do passado - mas isso significa que as imagens geradas por computador são o futuro? Graças ao design moderno e os softwares de exibição, a intenção deste livro pode parecer estranhamente anacrônica. Algum arquiteto hoje pensaria em apresentar a um cliente um detalhe construtivo desenhado em tinta indiana ou uma perspectiva a lápis?

Os clientes muitas vezes esperam designers para produzir imagens perfeitas desde o início do processo de projeto, como fotografias à primeira vista. E mesmo antes do terreno ser sondado, uma ideia virtual já adquiriu a autoridade de uma realidade tangível que serve como referência durante o processo de construção. Muitas vezes, o cliente fica desapontado porque um certo detalhe não apresenta nenhuma semelhança com o plano inicial. Às vezes, uma renderização de má qualidade acaba por provocar uma disputa legal prolongada: a varanda deveria ser feita de concreto armado ou apenas aço pintado brilhantemente? Goste ou não, o computador é uma ferramenta de desktop acessível, uma máquina de criatividade que traduz as fantasias mais estranhas em projetos fisicamente realizáveis, totalmente custeados que podem ser alterados com o clique de um mouse. A impressão fotorrealista resultante cria uma ideia que nem sequer tomou forma na mente do própria arquiteto.

É fácil esquecer que, para todos os seus talentos criativos aparentes, o computador é apenas uma máquina. A imagem que emerge da impressora é como a do rosto perfeito na experiência, moldada por programas complexos e sem alma. Paradoxalmente, a ferramenta que usamos em uma tentativa de fazê-la parecer menos sem alma é também o computador. Afinal, a animação significa acrescentar vida e alma a um objeto sem vida, criando uma imagem realista, até mesmo em movimento, usando código de computador infalível, invisível e incompreensível. Os espaços habitados por avatares em jogos de computador não são muito diferentes do padrão usado pelos arquitetos para persuadir investidores, contratados, clientes e júris de concorrência.

Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

Exercício 1:
Ponto e Linha

Pontos, linhas e planos são os meios de expressão do arquiteto e combinados criam os espaços tridimensionais. Este exercício usa apenas pontos e linhas para construir, em primeiro lugar, formas geométricas básicas e, em seguida, paisagens e lugares. Mudanças de direção são usadas para criar a identificação de contornos de formas e espaços, definir distâncias e esclarecer a profundidade espacial. Nossa abordagem do espaço arquitetônico começa com uma excursão à arte através de uma citação do pintor e professor da Bauhaus, Paul Klee: "Começo onde quer que a própria forma pictórica comece: com o ponto que se move".

Exercício 2:
Proporção e Ordem

Cada projeto de construção começa com um simples exercício: desenhar, medir, pensar. Encontrar relações harmoniosas entre as partes de um edifício e entre as partes e o todo ajuda a ordenar os elementos do projeto. Os princípios básicos da proporção dependem das relações entre medições e têm permanecido quase inalterados desde os antigos gregos e romanos. A seção dourada, as teorias da Renascença e o Modulor de Le Corbusier estão todos baseados nas proporções do corpo humano e descrevem uma linha dividida em partes, a mais curta que está na mesma proporção da maior assim como a seção maior está para o todo. Essas leis e ordenações permitem que os arquitetos criem conexões significativas e harmoniosas e são um momento-chave de inspiração criativa. Este exercício de desenho treina o olho, analisando as relações dimensionais entre sólidos geométricos e também fornece uma introdução básica à arquitetura em relação aos elementos, construção e composição.

Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

Exercício 3:
Geometria e Espaço

Toda a variedade de forma depende da identificação das relações medidas. Este exercício também se baseia em formas geométricas simples: triângulo, quadrado, círculo, pirâmide, cubo e esfera, cortando-os e remontando-os de novas maneiras. A arquitetura deriva da infinita variedade de combinações de formas bidimensionais e tridimensionais e do projetar superfícies bidimensionais na terceira dimensão. Nas palavras de Heinrich Pittner: "Se você quer alcançar um resultado, você deve ver a abstração e a realidade como uma unidade. Somos arquitetos, não artistas, mas a abstração é a base de nossos projetos".

Exercício 4:
Perspectiva e Espaço

O desenho à mão livre pode ser usado para aprender e praticar a maneira correta de ver, mas também requer um conhecimento básico de métodos de construção de perspectiva e sua história. Na Idade Média, o espaço ainda era visto como um plano, mas a descoberta renascentista da perspectiva do ponto de fuga trouxe grandes mudanças nas artes visuais. Esta forma de perspectiva continua sendo um importante meio de comunicação para os arquitetos de hoje, desenhando à mão ou usando um computador. O objetivo deste exercício é aprender os princípios da perspectiva livre e da construção espacial. Cada ponto tem uma posição mensurável no espaço e o exercício envolve desenhar dois ou mais objetos simples girados ou deslocados em relação uns aos outros. É preciso apenas um pequeno número de linhas para criar uma representação tridimensional. O exercício ensina os aspectos artísticos e técnicos do desenho, utilizando uma abordagem artística agradável a tais princípios simples de construção como horizonte, ponto de vista e ponto de fuga. Implica também identificar, absorver e analisar dimensões e proporções, porque o desenho é, em última instância, não apenas conhecimento, mas inspiração nascida da percepção individual.

Exercício 5:
Composição e Espaço

O desenho arquitetônico envolve sempre a composição e a abstração do espaço representado. Desenhar espacialmente é ver espacialmente. O objetivo deste exercício é construir uma composição passo a passo, criando tensões usando hierarquias de detalhes e do todo, centro e periferia, frente e verso, parte superior e inferior, escuro e claro. Isso faz surgir complexas relações espaciais e torna visíveis as forças que formam o espaço. No exercício, formas simples e abstração gradual são construídas e compostas na superfície da imagem. "A arquitetura é um artifício, uma aparência de movimento interior, que vai muito além das questões de construção.O propósito da construção é criar durabilidade e o objetivo da arquitetura é agitar nosso eu interior. No momento em que relações específicas são criadas, nós apreendemos o trabalho". Le Corbusier, Vers une architecture (1923)

Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

Exercício 6:
Homem e Espaço

A teoria da proporção remonta a Vitrúvio e, portanto, aos primeiros dias da teoria arquitetônica. Posteriormente, no tempo do Renascimento, as teorias da arte se concentraram na noção de escala humana e determinaram a continuidade de um projeto harmonioso e proporcional. Vitrúvio também incorporou as proporções do corpo humano no sistema tectônico de um edifício e as colocou em um contexto proporcional. Em particular, os estudos sobre o corpo humano podem ser obtidos a partir de Leonardo da Vinci, que foi um pioneiro na compreensão da anatomia humana. Alberti já havia demonstrado que cada forma regular pode ser construída a partir de círculos e quadrados. Le Corbusier, por sua vez, descobriu um desenho harmonioso da figura humana de acordo com a proporção áurea. Ele nomeou a figura humana de Modulor, baseando-se na altura de um homem com o braço erguido e integrando em seus espaços para ênfase do conjunto. Esta figura de arte ainda hoje é sinônimo de um estilo de arquitetura adaptado ao ambiente humano. A relação entre o homem e o espaço formará o conteúdo deste exercício. No processo, o objetivo não é apenas analisar as proporções do corpo humano, mas também sua proporcionalidade no espaço. Aqui é menos importante aperfeiçoar técnicas de desenho, a ideia é desenvolver uma sensibilização para uma composição do homem e do espaço.

Exercício 7:
Luz e Cor

Luz e cor estão intimamente relacionadas e desempenham um papel de reforço mútuo dentro do processo de projeto. O objetivo deste segundo exercício é descobrir os elementos básicos da teoria da cor e aprender as principais combinações de cores. As cores primárias, vermelho, azul e amarelo, podem ser usadas para criar qualquer outra cor, exceto o preto - misture todos as três e o resultado é marrom. TA teoria da cor é também a teoria da harmonia, que lida com a interação de cores e tons. O objetivo do exercício é entender o fenômeno da cor como um todo, baseando-se nas teorias de Johann Wolfgang von Goethe.

Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

Exercício 8:
Natureza e Design

Este exercício, no qual a natureza fornece a inspiração para o processo de projeto, envolve o desenho de uma flor aberta no estágio final de crescimento e, em seguida, sua geometria é utilizada como base para vários padrões. O objetivo do exercício é projetar estruturas arquitetônicas usando formas naturais de modo que a própria natureza seja a inspiração. As origens e a teoria do design são destacadas nas palavras de Albrecht Dürer, "A arte está escondida na natureza. Se você puder arrancá-la, você a terá."

Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

Exercício 9:
Croquis de dois minutos

Aprender a desenhar significa aprender a ver como o olho procura, observa e compreende. Este exercício visa incentivar a espontaneidade impondo um limite de tempo; O ato de produzir um esboço inicial rápido nos obriga a decidir quanta informação visual queremos transmitir. Os esboços são uma maneira de experimentar sem a necessidade de produzir um resultado completo ou perfeito. O objetivo é desenvolver um forte senso de expressividade, sendo confiante desde o primeiro traço. ‘Quando eu fui ver Matisse numa manhã, ele ainda estava na cama, mas tinha a prancheta na sua frente e estava desenhando a mesma cabeça, com grande concentração e gestos rápidos. Cada vez que terminava uma, ele jogava o pedaço de papel no chão ao lado da cama e começava outra, então, ele foi sendo cercado por uma pilha de papel. Vendo minha surpresa, ele riu e disse: "Eu sou como um dançarino ou um patinador. Pratico todas as manhãs para que, quando chegar o momento, controle completamente os meus saltos e piruetas". Werner Haftmann, Documenta III (1964)

Exercício 10:
Desenho à mão livre

Um bom desenho não é simplesmente uma representação da natureza sob um céu sem nuvens. Ele deixa espaço para a inspiração usando o modelo e objetos de formas naturais para praticar a linha e a composição. Neste exercício, um único motivo é representado usando uma variedade de técnicas, com a escolha do meio de desenho e cor desempenhando um papel importante. A intenção é incentivar o pensamento visual, as variações de design e o desenho como um processo. Se o desenho à mão livre é o que aprendemos ao ver, esboçar é uma ajuda para pensar como um designer. Arquitetos usam esboços para testar, mudar e adicionar ideias. Muitos estudantes não percebem a riqueza criativa que está escondida dentro deles. O desenho à mão livre revela o segredo do projeto.

Cortesia de DOM Publishers
Cortesia de DOM Publishers

Cita: Meuser, Natascha. "10 Exercícios de desenho à mão para arquitetos" 13 Abr 2017. ArchDaily Brasil. Acessado . <http://www.archdaily.com.br/br/868476/10-exercicios-de-desenho-a-mao-para-arquitetos>
Ler comentários