É possível reciclar e reaproveitar concreto?

Usado desde a era romana massivamente em construções das mais diversas escalas, é quase impossível pensar em uma edificação que não tenha ao menos um elemento em concreto. De fato, trata-se do material de construção mais utilizado no mundo, por sua versatilidade, resistência, facilidade de manuseio, valor acessível, estética, entre outros fatores. Ao mesmo tempo, sua manufatura também é um dos principais poluidores na atmosfera, sobretudo pelo fato de a indústria de cimento emitir por volta de 8% de todas as emissões mundiais de dióxido de carbono (CO2).

As diversas qualidades do Hempcrete como um material natural sustentável

O cânhamo é uma das culturas mais antigas domesticadas pelo homem. Com sua ampla variedade de usos e aplicações, é fácil entender por que tem sido um produto desejável ao longo da história. As sementes e flores de cânhamo são usadas em alimentos saudáveis, medicamentos e produtos de beleza orgânicos; as fibras e os caules da planta do cânhamo são usados em roupas, papel e biocombustível. Hoje, até mesmo um resíduo do processamento de fibra de cânhamo, os chamados pedaços de cânhamo, está sendo utilizado para criar materiais de construção sustentáveis, como o concreto de cânhamo.

Hempcrete é um concreto bioagregado, onde as lascas de cânhamo - pequenos pedaços de madeira do caule da planta - são misturados com cal ou cimento de lama para criar um material de construção durável e ecológico. Hempcrete é leve e não estrutural, mas pode ser integrado com sistemas de construção de edifícios tradicionais. Semelhante ao concreto tradicional, pode ser moldado no local ou pré-fabricado em componentes de construção como blocos ou folhas.

Pisos de concreto polido: 18 projetos que unem estética, durabilidade e facilidade de execução

Além do apelo estético, a utilização de materiais em suas formas brutas, aparentes, podem representar uma economia de recursos materiais para uma edificação, ao dispensar revestimentos e processos adicionais. Esse tipo de solução usualmente era utilizada em edificações utilitárias, como de infraestruturas, fábricas e depósitos. Os pisos de concreto aparente, por exemplo, que antes eram mais vistos em indústrias, mercados, estacionamentos e postos de gasolina, vêm ganhando cada vez mais espaço em obras de diversos programas, por conta de sua aparência, durabilidade, resistência e possibilidades de acabamentos. Mas quais são os principais fatores a atentar ao especificar um piso de concreto aparente em um projeto?

Interiores brutos: 20 projetos com concreto e madeira aparente

O projeto de interiores pode ser profundamente influenciado pelas opções de revestimento, acabamento e mobiliário. Atualmente, muitos arquitetos e profissionais de áreas próximas à arquitetura buscam soluções e materiais inovadores, no entanto, há também uma tendência que busca o calor dos espaços interiores, expondo os materiais em seu estado natural, bruto. Materiais ricos, como madeira e concreto, oferecem durabilidade que, combinada com um projeto que dê atenção aos detalhes, faz com que os espaços transmitam a sensação de calor e autenticidade.

Bloco por bloco: 9 projetos que mostram a versatilidade do piso de tijolos

Frequentemente reconhecido como um dos materiais construtivas mais difundidos em todo o mundo, o tijolo é sem dúvidas tão versátil quanto de fácil aplicação e com baixo custo. Compondo estruturas e fechamentos nos projetos, é um material de fácil utilização, pouca manutenção e considerável resistência,  graças a sua forma de produção e disponibilidade de mão de obra no mercado. No entanto, embora componha em grande parte superfícies verticais, também apresenta excelentes propriedades quando aplicados em superficies horizontais, como é o caso dos pisos.

Como é feito o Concreto Preto e sua aplicação em 7 projetos

Por mais clichê que a frase possa parecer, há duas coisas que agradam muito os arquitetos: concreto aparente e a cor preta. Enquanto que o concreto oferece uma estética bruta aos espaços, salientando as tonalidades, as texturas e as superfícies que moldam a mistura, a sobriedade que a cor preta proporciona permite evidenciar justamente as características que o arquiteto busca. Combinar os dois parece natural. Mas o concreto pigmentado de preto não é tão comum como poderíamos imaginar. A seguir falamos um pouco do processo de produção do concreto negro e alguns projetos que o utilizam.

Interiores brasileiros: 19 projetos de arquitetura com tijolo aparente

Manter os materiais em sua forma natural e aparentes nos projetos parece uma estratégia cada vez mais disseminada na prática da arquitetura contemporânea. Herdada das formulações modernas, a ideia de manter em vista os elementos que constituem as construções, além de estabelecer uma relação franca entre o usuário e o espaço construído, diversifica a paleta material das obras e pode ser uma ferramenta muito importante no momento de pensar as composições de interiores. O tijolo talvez seja o material mais aplicado nesse contexto: hoje em dia, fala-se em "revestimento" de tijolo à vista, o que leva a noção da exposição dos materiais para um outro lugar, o do ornamento, sendo reproduzido inclusive como papel de parede ou peças exclusivamente de acabamento.

As possibilidade das formas para moldar concreto aparente

Peter Zumthor, em uma de suas obras mais emblemáticas, dá ao concreto uma dimensão quase sacra. Trata-se da pequena Capela de Bruder Klaus, em um vilarejo na Alemanha, uma construção ao mesmo tempo robusta e sensível. O cimento branco, misturado a pedras e areia da região, trazem um tom terroso à construção. As 24 camadas desse concreto foram despejadas, dia após dia pela mão de obra local, e comprimidas em uma forma pouco usual. Seu exterior plano e liso contrasta com a outra face, feita de troncos de madeira inclinados, que forma um vazio triangular. Para remover as formas internas, os troncos foram incendiados em um processo controlado, reduzindo os troncos a cinzas e criando um interior carbonizado, variando entre o preto e o cinza, com a textura dos negativos dos troncos que outrora continha o concreto líquido. O resultado é uma obra prima da arquitetura, um espaço de reflexão e transformação, em que o mesmo material aparece de maneiras diametralmente opostas.

Quão eficiente é o Bambu para aplicações estruturais?

A Madeira engenheirada tem sido aclamada como uma solução para o notório problema de sustentabilidade na arquitetura - que os edifícios representam quase 40% do uso global de energia são agora um fato já conhecido. Mas a madeira não é o único material renovável do mundo, e arquitetos e engenheiros têm buscado outras possíveis substituições ao aço e concreto. Uma dessas possibilidades que surgiu recentemente é o bambu laminado ou engenheirado, um material altamente sustentável e estruturalmente impressionante. A seguir, investigamos como o bambu laminado é fabricado, quais são suas principais qualidades e como ele se compara à madeira.

A impressão 3D pode ser considerada artesanal?

O artesanal está de volta. Uma reivindicação dos ofícios frente à produção industrial em massa que caracterizou o século XX, refletida em uma nova sensibilidade às matérias-primas, na recuperação de técnicas locais e na defesa dos pequenos comércios. Materiais como a terra e a cerâmica, os têxteis e a madeira têm sido revalorizados por designers, artistas e arquitetos ao redor do mundo, em busca de seu próprio estilo e da representação da nostalgia coletiva.

Materiais aparentes: inspirações de casas de madeira na Espanha

Seria a madeira o material de construção definitivo do futuro?

Vernizes, Stains, Óleos, Ceras: Quais são os acabamentos mais adequados para madeira?

Nos últimos anos muita atenção tem sido dada a construções em madeira. Tratando-se de um material sustentável, renovável e por capturar uma enorme quantidade de carbono durante o seu crescimento, as inovações envolvendo o material têm sido constantes, permitindo construções mais altas e mesmo unindo-se com outros materiais. No entanto, ao falarmos de madeira, abordamos uma variedade imensa de espécies, com diferentes resistências, tonalidades, potencialidades, limitações e usos recomendados. Enquanto há madeiras extremamente duras, pesadas e com resistências comparáveis ao concreto, há outras bastante moles e leves que são mais propícias para outras finalidades.

Como são construídas as paredes de taipa

A terra batida tem sido usada na construção há milhares de anos, com evidências de seu uso que datam do período neolítico. Comumente usada especialmente na China, a técnica era aplicada aos monumentos antigos e à arquitetura vernacular, com a Grande Muralha da China utilizando a técnica. Embora o interesse em taipa tenha diminuído no século 20, alguns continuam a defender seu uso hoje, citando sua sustentabilidade em comparação com os métodos de construção mais modernos. Notavelmente, as estruturas de terra batida usam materiais locais, o que significa que possuem pouca energia incorporada e produzem pouco desperdício. Abaixo, descrevemos como construir com este material.

11 Exemplos de mobiliário feitos com materiais aparentes

A ideia de "verdade dos materiais" é uma máxima cultivada no âmbito da arquitetura como forma de preservar a possibilidade de compreensão e funcionamento das partes que compõem os edifícios. Embora remonte ao momento em que o discurso moderno era protagonista para o norte do fazer prático, esse partido se mantém em diversas propostas até hoje pelas mais diversas razões, desde a referência à continuidade essa ideia, até as possibilidades expressivas que manter os materiais de forma bruta pode representar para os ambientes construídos.

Exposição em Viena celebra a natureza bruta dos materiais aparentes

À medida que o mundo da construção se torna mais automatizado, impulsionado pela economia, velocidade e burocracia, o arquiteto e professor Marc Leschelier apresenta uma exposição no Architektur Im Magazin Vienna, na Áustria, na vertente oposta. A exposição nomeada de "Cold Cream", configura um espaço isolado, dissociado do mundo, onde a prática da construção é reduzida à luta entre matérias delicadas e duras, bem como à ascensões espontâneas. A exposição não é, portanto, um ato de arquitetura, mas sim uma forma de pré-arquitetura.